F2

Ferrucci muda discurso sobre batida intencional em Maini em Silverstone: “Ia só fazer gesto com a mão”

Quase dois meses após o polêmico episódio em que colidiu seu carro da Trident propositalmente no companheiro Arjun Maini, após corrida da F2 em Silverstone, Santino Ferrucci mudou seu discurso da época e afirmou, desta vez, que o toque foi dado 'sem querer'
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Santino Ferrucci atinge Arjun Maini por trás (Foto: Reprodução/Twitter)


A corrida 2 da F2 em Silverstone, no último mês de julho, foi marcada por um momento bizarro: Santino Ferrucci, logo após o fim da prova, acertou propositalmente seu carro no de Arjun Maini, então companheiro de Trident. O americano, é claro, foi suspenso por duas corridas - e, depois, foi demitido pela equipe.

Poucos dias depois do caso, Ferrucci afirmou que queria "triscar" no pneu de Maini, sim, e que assim o fez por estar "irritado e frustrado" com sua temporada. Ou seja: fez de propósito.

Mas agora, quase dois meses depois, ele mudou o discurso: ainda reserva da Haas, apesar do ocorrido, ele afirmou ao podcast 'Marchall Pruett' que não foi bem assim que tudo aconteceu.

"Ele me passou por dentro, se voltou contra meu carro e acertou minha suspensão dianteira. Me tirou da pista. Quando terminou a corrida eu estava muito, muito furioso. Foi uma manobra suja contra mim", começou Ferrucci.

"Depois da bandeirada, me coloquei atrás do carro dele para que ele visse que eu estava chateado. Queria só fazer um gesto com a mão. Pensei: 'coloque o carro de lado'. E quando ia fazer isso acabei acertando o dele", continuou.

"Acredite, se eu quisesse ter me chocado com o carro dele, teria feito direito e tirado os dois carros da pista", finalizou sua versão Ferrucci.
Santino Ferrucci (Foto: IndyCar)
Apoiador de Donald Trump, presidente dos EUA, ele também foi acusado de proferir pfensas raciais contra Maini, que é indiano. Mas se esquivou de responder diretamente a questão: "Vou a Inglaterra desde que tenho 10 anos e lá me julgam por ser americano. Me chamam de "ianque". Me chamaram disso toda a vida e aqui nos EUA não gostamos."

Após a saída da F2, Ferrucci foi chamado pela Dale Coyne para conduzir um dos carros da equipe em Portland e Sonoma, etapas finais da Indy em 2018. Na primeira, no último domingo (2), ficou em 20°