F2
24/06/2018 11:41

Maini se revolta com problemas do motor, grita no rádio que “não quer mais correr” na F2 e arremata: “Que se foda”

Arjun Maini jamais passou perto de brigar por pontos na prova deste domingo (24) da F2. O piloto da Trident se lançou contra a categoria após o fim da corrida por meio do rádio da equipe e depois, mesmo com a cabeça mais fria, afirmou que a organização da F2 está matando carreiras
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Arjun Maini (Foto: Reprodução/Twitter)


O fim da segunda corrida do fim de semana da F2 em Paul Ricard, neste domingo (24), teve a vitória de Nick de Vries e um momento marcante para Arjun Maini. O piloto indiano de 20 anos encheu o rádio da equipe Trident de críticas e palavrões endereçadas à organização da categoria. De cabeça fria após a prova, reforçou o que havia dito antes.
 
Maini, que é piloto de desenvolvimento da Haas, terminou na 13ª colocação e fechou o fim de semana com apenas um ponto marcado no sábado. 
 
"Eu juro que vocês não me ajudam em nada. Eu faço tudo a cada porra de corrida, cada porra de treino. Vocês não podem fazer isso comigo, caras. Não quero correr mais nesse campeonato. Que se foda", despejou ainda de dentro do carro.
 
Ao fim da corrida, em entrevista à revista inglesa 'Autosport', afirmou que passou toda a etapa com menos potência que o resto dos rivais e que problemas que foram em tese resolvidos, depois retornaram.
 
"Perdemos quase 7 km/h na reta por todo o fim de semana e tivemos um problema no treino livre. Disseram que era um cano que estava derretendo. Mudamos para a classificação e derreteu de novo", afirmou. "Eu não tinha velocidade final comparado aos meus companheiros de equipe ou mais ninguém. Disseram que tinham resolvido o problema, mas na primeira corrida eu novamente não tinha velocidade nas retas", contou.
Arjun Maini e o rádio polêmico (Foto: Reprodução/Twitter)
Todos os carros da F2 são chassis Dallara com motores desenvolvidos pela francesa Mecachrome.
 
"Creio que alguns outros pilotos tiveram os mesmos problemas que eu, e alguns dos motores estão quebrando loucamente. Dizem que é um campeonato de fabricante única, mas não é isso. É uma piada o que está acontecendo com o campeonato", reforçou.
 
Maini, no entanto, poupou a equipe durante a forte crítica. Segundo ele, a Trident é inocente na questão.
 
"Sim, o que o time pode fazer? Eles estão fazendo tudo que podem. Estou sem palavras, porque [os organizadores] andam por aí como se nada estivesse errado. É uma piada. Estão matando as nossas carreiras desse jeito, destruindo completamente", falou.
 
Algo também citado por Maini é que ninguém está livre de problemas. Até líder e vice-líder do campeonato, Lando Norris e George Russell, tiveram uma de suas corridas na França estragadas por problemas no carro.
 
"Qualquer um que esteja em boa posição também está tendo problemas. Mas, para eles [organizadores], não é nada. Estão brincando com nossas carreiras. É a quinta etapa do campeonato, como o carro pode ter tantos problemas? É uma absoluta piada", cravou. 
 
"Esse fim de semana está me fazendo passar por amador. Não é justo comigo ou nenhum dos pilotos que anda tendo problemas. Precisamos nos juntar e fazer algo sobre isso, porque é injusto", pediu.
 
Após ouvir as críticas, a F2 teceu uma resposta quase em tom irônico. Segundo o campeonato, não houve reclamação oficial para que o motor fosse testado durante estes dias.
 
"Depois que soubemos dos comentários de Arjun Maini, entendemos que ele está reclamando do problema de desempenho do motor. Desta forma, estamos muito surpresos por não termos recebido um pedido para uma checagem oficial de potência no dinamômetro", ladeou.
 
O campeonato volta já no próximo fim de semana, direto da Áustria.