Rossi aproveita melhor rendimento dos pneus, supera Vandoorne e vence primeira corrida da GP2 em Monza

Alexander Rossi reduziu a vantagem de Stoffel Vandoorne na ponta do campeonato com a vitória obtida no fim da tarde deste sábado (5), em Monza, válida pela abertura da oitava etapa da temporada 2015. O norte-americano venceu o duelo contra o líder de 2015 na GP2. Mitch Evans partiu do fim do grid para garantir um lugar no pódio, fazendo bela prova

Stoffel Vandoorne bem que tentou, foi valente e aguerrido ao extremo, mas não resistiu à forte pressão de Alexander Rossi, grande vencedor da etapa de abertura da GP2 em Monza, no fim da tarde deste sábado (5). O norte-americano partiu da nona posição e empreendeu uma grande corrida. Além disso, Rossi tirou proveito do melhor rendimento dos pneus em relação aos rivais e se deu bem com os problemas enfrentados por Sergey Sirotkin, Pierre Gasly e Alex Lynn para fechar o dia no topo do pódio.

Vandoorne herdou o segundo lugar no grid em decorrência de uma punição imposta a Mitch Evans, mas acabou perdendo posições para Lynn e Sirotkin. O belga aproveitou o incidente que envolveu ambos e também a falha no pit-stop que tirou Gasly da corrida, mas seus pneus tiveram um desgaste bastante elevado, e isso prejudicou seu rendimento. Nada, contudo, que atrapalhe muito sua briga pela conquista do título, cada vez mais próximo.

Norman Nato cruzou a linha de chegada em terceiro, mas uma punição imposta no fim da prova deu o pódio a Evans, que largou dos boxes.

Richie Stanaway terminou em quarto, seguido por Artem Markelov. Norman Nato cruzou a linha de chegada para garantir o sexto lugar na prova, logo à frente de Pic. Jordan King foi o oitavo, enquanto Robert Visoiu e Rene Binder completam a lista dos dez primeiros. André Negrão chegou até a liderar a corrida durante a janela de pit-stops, mas terminou em 14º.

Alexander Rossi comemora a vitória na tarde deste sábado em Monza (Foto: GP2)

Confira como foi a corrida 1 da GP2 em Monza

Pierre Gasly largou na pole-position e teve ao seu lado Stoffel Vandoorne, beneficiado por uma punição imposta ao então segundo colocado no grid, Mitch Evans, que usou calibragem dos pneus fora dos limites impostos pela categoria. E o francês, apadrinhado pelo programa de jovens pilotos da Red Bull, manteve a dianteira com tranquilidade após a largada, enquanto Vandoorne teve um começo errático e perdeu posições importantes.

Na quarta volta, Meindert van Buuren, substituto de Daniel de Jöng na equipe MP, perdeu o controle do seu carro e bateu forte na saída da Variante Ascari, destruindo seu carro. O holandês nada sofreu, mas a direção de prova acionou o safety-car para remover os detritos da pista naquele setor.

Os cinco primeiros colocados eram Gasly, Alex Lynn, Sergey Sirotkin, Vandoorne e Alexander Rossi.

A relargada foi dada na sexta volta, com Gasly disparando na frente e sem tomar conhecimento dos adversários. Em segundo, Lynn, contratado como jovem piloto da Williams, defendeu bem o segundo lugar dos ataques de Sirotkin, que, por sua vez, controlou a vantagem para Vandoorne.

O líder do campeonato puxou a fila no pit-lane e fez sua parada na volta seguinte para substituir os pneus médios pelos duros (cor laranja) para seguir até o fim das 30 voltas de corrida na Itália.

Gasly realizou seu pit-stop obrigatório na nona volta, calçando o carro #1 da Dams com pneus duros, também para ir até o fim. Mas seu bom momento na prova durou até à parada. Por um problema durante a troca de pneus, o francês voltou muito lento, permitindo a ultrapassagem dos seus rivais. Na prática, era o fim de corrida para Gasly.

Enquanto as câmeras mostravam Nobuharu Matsushita abandonando a disputa, Vandoorne abria caminho para buscar a vitória depois de imprimir seu ótimo ritmo de corrida para ultrapassar Sirotkin e Lynn, seus concorrentes diretos na luta pela vitória. O belga aparecia em 11º, mas muitos dos seus concorrentes tinham de fazer a parada obrigatória.

Mas Sirotkin e Lynn não se deram por vencidos e tentavam brigar com Vandoorne. O britânico conseguiu passar o líder do campeonato na chicane, mas perdeu o controle do carro e acabou acertando o carro do russo. Lynn quase capotou. E Vandoorne saiu ileso e partiu rumo ao que parecia ser mais uma vitória na GP2.

Alexander Rossi fez valer o sobrenome italiano e triunfou neste sábado em Monza (Foto: GP2)

Riche Stanaway ocupava a liderança da corrida com 18 voltas completadas, enquanto Vandoorne estava em oitavo. Mas o belga não tinha o melhor rendimento e vinha sendo pressionado pelo vice-líder do campeonato, Alexander Rossi. Vandoorne defendeu como foi possível a posição, mas o norte-americano tinha o artifício da asa móvel em seu favor.

Com 21 voltas já realizadas, Nato ocupava a ponta, seguido por Binder e André Negrão, em terceiro. Mas, obviamente, os três primeiros tinham de fazer suas respectivas paradas, e o quarto colocado, Vandoorne, tinha tudo para assumir de fato a liderança, mesmo contando com a pressão de Rossi.

Negrão assumiu a ponta depois que Nato e Binder fizeram suas respectivas paradas, mas o único brasileiro da GP2 tinha de parar, de modo que sua liderança era irreal. Apenas quando o campineiro realizou seu pit-stop, a verdade foi restabelecida em Monza, com Vandoorne liderando a corrida de forma valente depois de 23 voltas.

Mas Vandoorne não resistiu ao melhor desempenho dos pneus de Rossi, que fez a ultrapassagem para cima do belga na entrada da chicane. Aguerrido, Stoffel não deixou o norte-americano desgarrar na ponta, mas não havia como manter o mesmo ritmo imposto por Rossi, que caminhou para mais uma vitória na temporada. “Mega corrida, mega corrida”, comemorava no rádio os engenheiros da Racing Engineering após o triunfo de Rossi em Monza.

GP2, oitava etapa, Monza, corrida 1, final:

1 ALEXANDER ROSSI EUA RACING ENGINEERING 49:32.084 30 voltas
2 STOFFEL VANDOORNE BEL ART +1.275  
3 MITCH EVANS NZL RUSSIAN TIME +15.094  
4 RICHIE STANAWAY ING STATUS +17.784  
5 ARTEM MARKELOV RUS RUSSIAN TIME +18.198  
6 NORMAN NATO AUT ARDEN +18.382  
7 ARTHUR PIC FRA CAMPOS +18.842  
8 JORDAN KING ING RACING ENGINEERING +19.862  
9 ROBERT VIȘOIU ROM RAPAX +22.083  
10 RENE BINDER ING MP +22.556  
11 SERGIO CANAMASAS ESP LAZARUS +30.868  
12 JULIÁN LEAL COL CARLIN +32.871  
13 RIO HARYANTO INA CAMPOS +36.041  
14 ANDRÉ NEGRÃO BRA ARDEN +36.166  
15 RAFFAELE MARCIELLO ITA TRIDENT +37.170  
16 SIMON TRUMMER SUI HILMER +37.541  
17 PATRIC NIEDERHAUSER SUI LAZARUS +45.741  
18 JOHNNY CECOTTO JR. VEN TRIDENT +46.250  
19 JANN MARDENBOROUGH ING CARLIN +48.908  
20 SERGEY SIROTKIN RUS RAPAX +15 voltas NC
21 ALEX LYNN ING DAMS +17 voltas NC
22 PIERRE GASLY FRA DAMS +20 voltas NC
23 NOBUHARU MATSUSHITA JAP ART +21 voltas NC
24 MARLON STÖKINGER SUI STATUS +21 voltas NC
25 MEINDERT VANN BUUREN HOL MP +28 voltas NC

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube