F3
25/06/2018 09:55

Comissários questionam “habilidade e consciência” de piloto indiano após acidente na F3 Europeia em Norisring

Após o grave acidente com Dan Ticktum na corrida 2 da etapa de Norisring, comissários pedem que a FIA avalie a continuidade de Ameya Vaidyanathan como piloto da F3 Europeia Segundo o pedido, o “padrão do piloto” deve ser analisado e discutido se é ou não pertinente à categoria
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 O forte acidente na largada em Norisring (Foto: FIA F3)


A FIA vai avaliar a presença de Ameya Vaidyanathan na F3 Europeia após sua batida com Dan Ticktum, durante a corrida 2 no último domingo (24), no circuito de Norisring. Após o forte acidente, os dois pilotos foram encaminhados ao centro médico e liberados em seguida.
 
O carro #27 ficou parado na largada e, sem conseguir desviar, Vaidyanathan acertou em cheio a traseira do piloto da Red Bull.O indiano foi excluído da prova e não participou da corrida 3, no mesmo dia. A vitória da terceira corrida ficou com Ticktum, que conseguiu voltar para participar da prova e aproveitou para diminuir a diferença para o líder do campeonato, Marcus Armstrong, para apenas um ponto - o primeiro colocado soma 101 pontos até o momento. 
 
Agora, comissários pedem uma análise do perfil do piloto pedindo que seja levado em consideração o “incidente e o padrão do piloto”.
O forte acidente na largada em Norisring (Foto: FIA F3)
"Os comissários pedem que a FIA considere se o piloto do carro 24 [Vaidyanathan] atende ao padrão de habilidade e consciência exigida para competir neste campeonato. Pedem que a FIA revise este incidente e o padrão do piloto Ameya Vaidyanathan", informou um comunicado dos comissários da reunião do último fim de semana.
 
"O carro #24 avisou os comissários que ele seguiu seu procedimento normal de largada. O piloto estava olhando para a esquerda, onde outro carro estava tentando ultrapassá-lo. [O #24] Avisou que realmente viu as bandeiras amarelas sendo acenadas pelos fiscais. Porém, não alterou sua velocidade de condução para responder às bandeiras amarelas", finalizou o comunicado.