Guia F-E 2015/16: Mahindra

A Mahindra mudou bastante coisa dentro da equipe para limpar tudo que deu errado na temporada inicial - e foi muito - e transformar o time indiano num concorrente real na luta pelas posições frontais

Sede: Mumbai, Índia
Trem de força: Mahindra M2ELECTRO
Principais dirigentes: Anand Mahindra – presidente; Dilbagh Gill – chefe; Joan Orus – gerente
Em 2014/15 : 8ª colocada – 58 pontos
O primeiro ano não foi bom. Não apenas não foi bom: foi péssimo se levado em conta o que a equipe esperava e o que o carro podia ter feito em algumas corridas. Tirando um ou outro brilhareco de Bruno Senna, o time não conseguia mais que rondar a zona de pontuação com tantas chances de entrar quanto de ficar de fora. Foram 58 pontos marcados, quase 1/4 do que a campeã e.dams fez. Apenas duas equipes fizeram menos – se levar em conta de que a Trulli é quase café-com-leite, uma. E por isso tomou medidas contundentes.
 
A primeira mudança, clara desde o final da temporada inicial, foi cortar laços com a Carlin, que tinha preparado o carro e supervisado a engenharia no ano um. Agora, a Campos, mesma que preparou o carro campeão da China, vai olhar o M2ELECTRO, enquanto a própria Mahindra vai cuidar da engenharia. O carro vai ter um câmbio de quatro velocidades para tornar o carro mais leve e um motor adaptado ao da primeira temporada. Há mudança também entre os pilotos: Senna fica, mas Karun Chandhok dá lugar à Nick Heidfeld.
Nascimento: 15 de outubro de 1983 (32 anos) em São Paulo, Brasil
Na F-E: 11 ePs (4º lugar como melhor resultado)
Na primeira temporada: 10º (40 pontos)
Na carreira: 16º na F1 (2012); 2º na GP2 (2008); 8º no Mundial de Endurance – GTE Pro (2013)

#21 – BRUNO SENNA

Experiência não falta para Bruno Senna. O currículo do brasileiro também não deixa a desejar, com direito a vice-campeonato na GP2 e passagem pela F1. Porém, o primeiro ano na F-E não foi bom para Senna, que não foi ao pódio nenhuma vez. 
 
A ótima prova em Londres com o quarto lugar segurando o postulante ao título Sébastien Buemi pode servir para impulsionar o brasileiro para uma boa campanha, ainda que a Mahindra não pareça estar no primeiro escalão.
Nascimento: 10 de maio de 1977 (38 anos), Mönchengladbach, Alemanha
Na F-E: 11 ePs (1 pódio)
Na primeira temporada: 12º (31 pontos)
Na carreira: 5º na F1 (2007); Campeão da F3000 (1999)

#23 – NICK HEIDFELD

É muita ‘zica’ para um piloto só. Nick Heidfeld é extremamente talentoso, mas, sempre que está próximo de uma vitória, algo acontece. Em Pequim, foi acertado por Nicolas Prost, em Buenos Aires, punido por ter feito uma parada rápida demais. De qualquer forma, seus ótimos anos de F1 fazem com que seja uma das principais atrações da categoria.
 
Claro que tudo depende da qualidade do trem de força da Mahindra, mas Heidfeld tem tudo para, mantendo-se longe dos azares nas provas, abocanhar bons pontos em 2015/2016, ainda mais do que os 31 que fez na temporada inaugural.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube