FE

Chefe da HWA comemora batalhas contra “velhos inimigos” alemães e avisa: “Rivalidade apimentada”

Ulrich Fritz, o chefe da HWA, não esconde de ninguém que a equipe está abrindo os trabalhos na Fórmula E para a Mercedes. Além disso, Fritz comemora o reencontro com velhos rivais alemães em meio a uma categoria internacional

Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
A HWA está apenas chegando à Fórmula E. A estreia aconteceu na etapa da Arábia Saudita, que abriu a temporada neste mês de dezembro e segue durante 2019. A equipe, historicamente ligada à Mercedes, será incorporada pela fábrica alemã na próxima temporada, mas já consegue fazer renascer na categoria um traço tradicional do automobilismo europeu: a rivalidade entre fábricas alemães.
 
A HWA, assim como a ABT, que opera a equipe da Audi, foram rivais diretas durantes anos sobretudo no DTM. E o chefe Ulrich Fritz comemora o retorno da disputa, que também conta com a BMW - e terá a Porsche a partir da próxima temporada.
 
"É legal encontrar velhos inimigos no paddock da Fórmula E. Gostamos de correr com esses caras. Temos rivalizado com o pessoal da ABT há quase 20 anos e agora temos uma nova batalha com novos carros, o que é legal", apontou. 
Ulrich Fritz e Gildo Pastor, chefe da HWA e presidente da Venturi selando acordo (Foto: Venturi)
"A rivalidade é respeitosa, mas obviamente dura também. Esse campeonato é global e conta com equipes da China, Índia, Japão, do mundo todo. Mas claro que uma nova briga alemã também é legal e normalmente elas são bem apimentadas", afirmou.
 
Fritz não quer esconder o óbvio: a HWA vive um ano como equipe independente apenas para que a Mercedes não entre no campeonato com pouco conhecimento sobre a operação. Como a fábrica alemã pode se qualificar como construtora de trem de força apenas no ano que vem, a HWA foi enviada para aprender como cliente da Venturi.
 
"Sempre dissemos que a HWA está preparando a entrada da Mercedes e, neste momento, somos uma equipe independente. Também temos um trem de força independente, mas claro que queremos levar o maior conhecimento possível para Brixworth, Brackley e Affalterbach [cidades onde estão as fábricas da Mercedes]", admitiu.
 
"Estamos tentando atingir o máximo possível para essa temporada, mas especialmente queremos a melhor plataforma possível para que sejamos competitivos na sexta temporada", disse.
 
"É um tipo de esporte a motor completamente novo e uma nova forma de fazer as coisas. Certas coisas mudaram nos últimos dois ou três anos, como é possível atestar olhando para o DTM ou o WEC. A FE é o lugar para estar e é uma forma de corrida totalmente diferente", finalizou. 
 
Para não deixar dúvida de que está no centro de um projeto grande da Mercedes, a HWA também recebe pessoal: Tony Ross, que foi engenheiro de corridas de Valtteri Bottas na F1 em 2018, foi movido para trabalhar na FE com a HWA.