FE

Di Grassi crê que fim das trocas de carro tira “imprevisibilidade” das corridas da Fórmula E

Lucas Di Grassi, atual vice-campeão da Fórmula E, opinou na sequência do eP de Ad Diriyah que o fim das trocas de carro e começo das corridas feitas de forma direta, sem uma parada nos boxes e com energia suficiente para esbanjar, tira um importante elemento de estratégia nesta quinta temporada da categoria
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
A primeira corrida da nova temporada da Fórmula E apresentou novas  tendências da categoria: o fim da troca de carros sendo a principal delas. De acordo com o campeão da temporada 2016/17 e vice-campeão vigente, Lucas Di Grassi, o novo formato mostrou algo preocupante, que é a perda do elemento de gerenciamento de energia.
 
Na Arábia Saudita, António Felix da Costa largou na pole e foi ultrapassado por Jean-Éric Vergne, mas acabou vencendo a corrida após Vergne ser punido e ter de servir um drive-through por uso de mais energia que o permitido. Apesar de um safety-car aparecendo durante a prova, os carros poderiam completar a corrida sem precisar de grandes esforços sem poupar energia.
 
Di Grassi pontuou que o novo formato e a perda de força da estratégia tem a condição de render corridas menos divertidas.
3Lucas Di Grassi (Foto: Audi)
"O que tivemos na FE foi o gerenciamento de energia tomando boa parte da corrida. Então você podia usar energia no começo e no fim, mas se você [tem uma corrida que vai] direto, isso tira a capacidade de corrida, a imprevisibilidade", disse à revista inglesa 'Autosport'.

Da Costa, entretanto, gostou do novo modelo. Segundo ele, é algo que manda uma mensagem correta sobre o que os carros elétricos conseguem fazer em termos de autonomia e também desafia os pilotos.
 
"Isso é mais legal, estamos indo para corridas diretas. [Ad Diriyah] foi uma corrida direta desde o começo até o final e sem mudanças de carro. O nível de concentração, especialmente numa pista como essa, tem que ser um pouco maior também. É como precisa ser", afirmou.
António Félix da Costa (Foto: BMW)
"Queríamos passar a mensagem que carros elétricos têm condições de fazer uma corrida inteira sem precisar que sejam trocados", encerrou. 
 
A temporada da FE segue em 12 de janeiro com o eP de Marrakech.