FE

Di Grassi vê anulação de primeira volta em Berna como “injustiça” de comissários

Lucas Di Grassi manteve, após o eP de Berna, a opinião mostrada no momento da bandeira vermelha que interrompeu a corrida por cerca de 40 minutos. Segundo ele, anular as posições vencidas por quem conseguiu passar pelo acidente e terminar a volta de abertura foi um ato de injustiça

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
O eP de Berna da Fórmula E foi marcada por um engarrafamento causado por uma série de acidentes na primeira volta. Alguns pilotos que vinham no fim do pelotão tiveram tempo de escapar da pista trancada e passar por fora da chicane e ganhar uma série de posições. Mas as posições foram devolvidas após a bandeira vermelha ser acionada, o que causou revolta de alguns pilotos. Depois da prova, Lucas Di Grassi sustentou a opinião.
 
O vice-líder do campeonato largara em 19º e subira para o top-10 com o incidente. Foi o piloto que liderou a reclamação com os comissários após a decisão - e teve uma série de outros pilotos, como Felipe Massa, António Félix da Costa e José María López, ao lado. 
Segundo Di Grassi, a decisão de reordenar o grid de acordo com as posições da largada original foi totalmente injusta e beneficiou os infratores uma vez que metade do grid conseguiu terminar a primeira volta antes da bandeira vermelha ser mostrada.
 
"Ainda concordo com o que eu disse naquela hora. Metade do grid passou pela linha, e a linha vermelha foi mostrada nas curvas 3 e 4", falou ao site inglês 'E-Racing365'.
Lucas Di Grassi (Foto: Audi)
"Acho que é completamente injusto. Não estou dizendo que a regra não permite que isso aconteça, somente acho que é completamente injusto que as pessoas que causaram o acidente tenham uma segunda chance e voltem, consertem os carros e comecem na posição original. Acho isso inaceitável", falou.
 
"Se ninguém tivesse cruzado a linha de cronometragem e não tivesse como saber disso, tudo bem, mas 11 carros cruzaram a linha. Metade do grid é um número razoável para considerar como grid de relargada atrás de um safety-car", encerrou.
 
O livro de regras, entretanto, sustenta a decisão dos comissários. De acordo com o Artigo 40.3, "em todos os casos a ordem do grid vai ser arrumada de acordo com o último ponto em que foi possível determinar a posição de todos os carros. A todos esses carros será permitido voltar para a corrida."
 
"Quaisquer carros incapazes de retornar ao pit-lane como resultado da pista sendo bloqueada será trazido de volta quando a pista for liberada e será recolocado na ordem que ocuparam antes da corrida ser suspensa. Ainda, os carros que estiverem no pit-lane ou a entrada do pit no momento da suspensão da corrida, serão rearranjados na ordem que ocupavam antes da corrida ser suspensa", definiu.
 
Com a mudança, Di Grassi voltou ao 19º lugar para a relargada, embora com um adversário a menos na corrida por conta do abandono de Robin Frijns, mas ainda conseguiu terminar na nona colocação e marcar dois pontos. Lucas vai para a decisão da FE, em Nova York, 32 tentos atrás do líder Jean-Éric Vergne.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.