FE

Extreme E segue exemplo da Fórmula E e acerta com Williams para fornecer baterias da temporada inaugural

A Extreme E, competição off-road que vai compreender apenas carros elétricos e nasce como um braço da Fórmula E, terá baterias da Williams Advanced Engineering em sua temporada inaugural

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
A nova categoria do automobilismo internacional, a Extreme E, vai começar suas operações com carros elétricos que contam com baterias da Williams Advanced Engineering. A informação foi anunciada no começo da semana. A temporada de abertura é esperada apenas para 2021.
 
É uma repetição do caminho tomado pela Fórmula E, que também confiou na divisão do Grupo Williams para desenvolver as baterias que impulsionaram os carros da categoria entre 2014 e 2018 - a partir da atual temporada é a McLaren quem fornece as baterias. 
 
As baterias serão, aliás, parecidas com as da FE e vão render uma potência máxima de 470 kW - todas as equipes vão receber baterias idênticas. A grande diferença é a preparação das novas baterias para os ambientes agressivos que a Extreme E pretende visitar.
Alejandro Agag e Craig Wilson (Foto: Extreme E)
"Quando começo um novo projeto, como a Extreme E, é importante estabelecer uma fundação forte com parceiros de força no esporte a motor. Com a Williams Advanced Engineering, temos uma parceira comprovada em diferentes disciplinas e indústrias", disse o fundador e diretor-executivo da FE e da XE, Alejandro Agag.
 
"Na Fórmula E, em especial, entregaram baterias de alta performance, eficientes e confiáveis. Correr em ambientes remotos e extremos é um desafio completamente diferente, e estou animado para caminhar novamente junto à Williams e trazer a Extreme E para a vida", argumentou.
 
O diretor de operações da Williams Advanced Engineering, Craig Wilson, também comemorou o acordo para uma fase de concepção que vai levar cerca de dois anos até que as corridas se materializem.
 
"A equipe da Williams Advanced Engineering se orgulha de seus feitos impulsionando as quatro temporadas iniciais da Fórmula E com um nível de confiabilidade melhor que 99,5%. A companhia está ansiosa para empurrar a Extreme E, mostrar as capacidades dos veículos elétricos ainda que em condições realmente complicadas", falou.
 
"Levamos a tecnologia para veículos elétricos das pistas de corrida para as estradas. Será ótimo aumentar o conhecimento público e a aceitação geral de que é possível resistir às condições desafiadoras da Extreme E", finalizou.

A competição compreende provas com SUVs elétricos em lugares remotos do planeta, como a Floresta Amazônica, o Himalaia, o Continente Ártico, ilhas do Oceano Índico e o Deserto do Saara. O lançamento está previsto para janeiro de 2021.