Hamilton vira dono de equipe e lança X44 para primeira temporada da Extreme E

A mais nova competição do esporte a motor, prevista para ter início em janeiro de 2021 com etapa no Senegal, vai marcar também uma nova função para o hexacampeão mundial de Fórmula 1

Lewis Hamilton é o mais novo dono de equipe no esporte a motor. O hexacampeão mundial de Fórmula 1 e líder da temporada 2020 com 47 pontos de vantagem para Valtteri Bottas e Max Verstappen anunciou nesta terça-feira (8) que vai entrar no grid da Extreme E, competição que vai ser disputada com SUVs elétricas em condições climáticas extremas e em lugares distantes do planeta, com a nova equipe X44. Desta forma, o britânico de 35 anos consolida ainda mais a sua posição em defesa da preservação do meio ambiente e pela sustentabilidade.

A X44 fecha o grid da primeira temporada da competição e se une a Techeetah, Abt, Andretti/United Autosports, Ganassi, HWA, QEV e Veloce como equipes já confirmadas para 2021.

A proposta da nova Extreme E é ser um “novo conceito esportivo e de entretenimento. As corridas vão ser disputadas em todos os ambientes mais remotos do mundo para demonstrar a performance dos SUVs elétricos em condições climáticas extremas, além de destacar o impacto que a mudança climática já está tendo em tais ecossistemas”. Entre as novidades da categoria está a igualdade de gênero, com as equipes tendo de escalar um homem e uma mulher por carro inscrito. Nas corridas, serão duas voltas com sistema de piloto e copiloto, com os pilotos trocando de lugares após um giro.

EXTREME E; X44; LEWIS HAMILTON;
Lewis Hamilton vai entrar com equipe própria no grid da Extreme E em 2021 (Foto: Divulgação)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Hamilton salientou que trata-se de “um novo projeto empolgante e vai ser divertido ter uma função diferente. O que é mais atraente, porém, é que a Extreme E não vai só aumentar a conscientização sobre algumas das questões ambientais mais críticas que nosso planeta enfrenta, mas também vai fazer algo a respeito, trabalhando com organizações de caridade locais para deixar um legado duradouro de mudança”.

“Cada um de nós tem o poder de fazer a diferença, e isso significa muito para mim poder usar meu amor pelas corridas, junto com meu amor pelo nosso planeta, para ter um impacto positivo”, continuou o piloto da Mercedes na Fórmula 1.

“Estou ansioso pela participação da equipe nesta nova categoria e acho que é incrível que possamos fazer isso enquanto aumentamos a conscientização sobre a crise climática”, complementou Hamilton, que ainda não anunciou a dupla de pilotos da sua primeira incursão como dono de equipe no esporte a motor.

A nova categoria, que traz um pouco da essência do que foi o famoso Camel Trophy nos anos 1980, é presidida por Gil de Ferran, conta com o envolvimento direto de Alejandro Agag — presidente da Fórmula E e CEO da Extreme E — e também com a participação de dois grandes nomes: o explorador e ambientalista David de Rothschild e o cineasta vencedor do Oscar, Fisher Stevens. A ideia é que a categoria seja transmitida em formato de documentário esportivo.

Agag ressaltou a importância que tem a chegada de Hamilton para uma competição completamente nova e que endossa sua visão pela preservação do meio ambiente e por justiça social.

“Estamos entusiasmados por receber Lewis Hamilton e sua equipe X44 à Extreme E. Assim como nós, Hamilton é extremamente apaixonado pelo esporte a motor, mas também compartilha que podemos usar o esporte para destacar assuntos que são vitais para o mundo, como as mudanças climáticas e a igualdade”, comentou o dirigente espanhol.

“Lewis é um dos pilotos mais bem sucedidos de todos os tempos, e estamos todos empolgados para ver como sua equipe X44 vai se desempenhar dentro e fora das pistas sob sua incrível orientação”, complementou.

A abertura oficial da categoria está marcada para os dias 22 a 24 de janeiro de 2021 e vai ter como cenário o singular Lac Rose (Lago Rosa, em tradução livre), localizado a uma hora de Dacar, capital do Senegal. Entre 4 e 6 de março, a caravana da Extreme E compete na Arábia Saudita, em Sharaan, em região desértica. Entre 6 e 8 de maio, a competição vai para o Nepal e corre no Vale Kili Gandaki, o mais profundo do mundo, localizado entre as montanhas Annapurnas e Dhaulagiri, as duas de mais de 8 mil metros de altura.

A Extreme E volta entre 27 e 29 de agosto e parte para outro lugar inóspito: Kangerlussuaq, na Groenlândia. E entre 29 e 31 de outubro, a etapa final da primeira temporada está marcada para Santarém, no Pará, com a categoria pronta para desbravar a Floresta Amazônica.

A Extreme E divulgou o formato de competição com uma classificação geral, semifinais e final. Cada corrida, chamada X Prix, vai contar com duas voltas a uma distância de aproximadamente 16 km. Serão, inicialmente, oito equipes com dois pilotos cada, um homem e uma mulher, completando uma volta cada no carro evento que será realizado em dois dias.  A classificação ocorre no primeiro dia para determinar os quatro melhores times que passarão para a semifinal 1 e os quatro piores vão para a semifinal 2: a Crazy Race.

Na Crazy Race, apenas o mais rápido se garante na final, enquanto a primeira semifinal classifica os três mais bem colocados. A final será disputada pelos quatro que passarem das semifinais e vai coroar o vencedor de cada uma das etapas. Foi anunciado também o recurso Hyperdrive, que dará um aumento de velocidade à equipe que fizer o salto mais longo no início de cada corrida. O poder do Hyperdrive pode ser usado por essa equipe em qualquer ponto da prova.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube