Mercedes afirma que desenvolvimento do carro da Fórmula E “também alimenta a F1”

O diretor do departamento de motores da Mercedes, Andy Cowell, exaltou o trabalho realizado na Fórmula E como parte de um projeto de convergência entre a categoria e a Fórmula 1

A temporada 2019/20 da Fórmula E marcou a entrada da Mercedes na competição como equipe de fábrica, algo para que a montadora alemã se preparou por dois anos, desde que decidiu deixar o DTM. Após apenas alguns meses da entrada, a Mercedes já confirma que irá compartilhar tecnologia entre a categoria e a Fórmula 1 a partir do próximo GP da Austrália.
 
Quem afirmou foi Andy Cowell, diretor do departamento de motores da Mercedes. Embora admita que lidar com duas categorias do porte de F1 e Fórmula E foi um fardo no primeiro momento, agora representa solução de problemas e trabalho em conjunto para um objetivo único: vencer.
 
"A Fórmula E é um campeonato fascinante com toda a maquinária elétrica como única fonte de propulsão dos carros. Para que seja assim, a eficiência dessas carros elétricos, o inversor e todos os sistemas de controle são primordiais. A precisão é crucial", disse ao site norte-americano 'Motorsport.com'.
Stoffel Vandoorne (Foto: Mercedes)
"Parte do aprendizado de desenvolvimento ali, agora, alimenta a F1, uma vez que a partir de Melbourne o nosso sistema híbrido da F1 irá se beneficiar do trabalho da FE. Também melhoramos algumas coisas no processo de construção do carro que nasceram no programa da FE", seguiu. 
 
"Fabricamos nossas próprias máquinas elétricas e algumas coisas mais técnicas desenvolvidas apenas para a FE também se aplicam ao que temos na F1. É emocionante ver isso. No passado, vimos algumas coisas do Project One [hipercarro] alimentando a F1, e agora vemos a engenharia e tecnologia de fabricação da Fórmula E fazendo o mesmo", comemorou.
 
"Ter duas categorias competitivas para realizar o trabalho de engenharia é inicialmente motivo de tensão, porque toma muito tempo para encontrar as pessoas adequadas para cada uma. Parte dessas pessoas [da FE] vieram da F1, outras foram recrutadas de fora. De qualquer maneira, é um benefício geral, porque proporciona outras oportunidades de que corridas floresçam em novas tecnologias. E estamos vendo ideias que servem para ambas. Os dois trens de força se beneficiaram como consequência", encerrou. 
 
O campeonato atual da Fórmula E segue no fim de semana, com o eP de Marrakech.
 

Paddockast #49
RAÍ CALDATO: O ARTISTA PREFERIDO DE LEWIS HAMILTON

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube