Wehrlein derrota Rowland em briga apertada pela pole em Puebla. Di Grassi é 8°

Pascal Wehrlein travou duelo acirrado com Oliver Rowland na classificação em Puebla, levando a melhor por meros 0s058. Lucas Di Grassi achou um lugar no top-10

Mick Schumacher perde controle e bate de leve em classificação do GP da França (Vídeo: F1)

Puebla não é uma pista de rua, mas rendeu desafios de sobras para o grid da Fórmula E neste sábado (19). Em um asfalto claramente escorregadio, a chave era manter o carro sob controle para levar a melhor no treino classificatório. Muitos tentaram, mas só um conseguiu brilhar de verdade: Pascal Wehrlein, que assegurou a pole-position ao derrotar Oliver Rowland por apenas 0s058.

Rowland chegou na classificação como o piloto a ser batido, tendo liderado os dois treinos livres. Só que o piloto da Nissan não mostrou tal superioridade na superpole, sendo derrotado por Wehrlein. Jake Dennis também flertou com a pole, sendo 0s099 pior e garantindo o terceiro posto no grid. Jean-Éric Vergne e Maximilian Günther fecham o top-5.

Pascal Wehrlein é pole em Puebla (Foto: Fórmula E)

Como de costume, o formato de treino classificatório da Fórmula E jogou pilotos do mais alto calibre para o fim do grid. Robin Frijns, líder do campeonato, precisa se recuperar largando do 20° lugar. António Félix da Costa, outro prejudicado por fazer volta no primeiro grupo do treino classificatório, teve um pouco mais de sorte e assegurou o 11° posto.

Os brasileiros andaram bem, mas não conseguiram alcançar a fase final do treino classificatório. Lucas Di Grassi fez o oitavo melhor tempo, uma performance acima da média para os padrões de 2021. Sérgio Sette Câmara também andou bem e acabou como o nono melhor. O problema é que o mineiro perde posições por uma infração da Dragon com a caixa de câmbio e cai para 23° no grid de largada.

Saiba como foi a classificação do eP de Puebla

Grupo 1: Robin Frijns, Nyck de Vries, Mitch Evans, António Félix da Costa, Sam Bird, Stoffel Vandoorne

O sexteto foi para a pista ao mesmo tempo. A ideia era um pegar vácuo do outro, mas só serviu para criar caos. Os pilotos não conseguiram se entenderam sobre quem deveria ir na frente e todos perderam tempos.

Ainda assim, Da Costa conseguiu ser o mais rápido. A vantagem foi de apenas 0s053 sobre Evans, segundo colocado. O maior derrotado era Vandoorne, em último, 1s5 pior.

Independente das variações nos tempos, os seis pareciam ter problemas. Os tempos na casa de 1min24s estavam longe de ser realmente competitivos.

Oliver Rowland assegurou a primeira fila (Foto: Nissan)

Grupo 2: Jean-Éric Vergne, René Rast, Oliver Rowland, Jake Dennis, Edoardo Mortara, Pascal Wehrlein

A zona do primeiro grupo ensinou lições para o segundo. Os pilotos foram à pista mais espaçados, sem se atrapalhar tanto na tentativa de ter a melhor posição na pista.

Isso teve consequências óbvias. Os seis pilotos deste grupo acabaram com tempos melhores que os dois anterior. Wehrlein anotou 1min23s5, sendo mais de 1s melhor que Da Costa e virando líder.

Rowland, Dennis, Vergne, Mortara e Rast surgiram atrás. Os dois últimos tinham voltas não muito boas e dificilmente seriam capazes de alcançar a Superpole.

Grupo 3: Alexander Sims, Alen Lynn, Maximilian Günther, Nyck Cassidy, André Lotterer, Lucas Di Grassi

O terceiro grupo também tentou respeitar noções de distanciamento na pista, sem pilotos se atrapalhando. Restava saber se a velocidade estava lá para sonhar com as primeiras posições.

E, bem, não estava. Maximilian Günther foi o único a se firmar no top-6, em quinto. Isso ao custo de Rast, que despencou. Di Grassi conseguiu o oitavo lugar e, uma vez mais, não teria a chance de lutar pela pole-position.

Jake Dennis é o terceiro no grid (Foto: BMW Motorsport)

Grupo 4: Oliver Turvey, Sérgio Sette Câmara, Sébastien Buemi, Norman Nato, Tom Blomqvist e Joel Eriksson

O último sexteto também se comportou e evitou complicar as voltas uns dos outros. Ainda assim, os carros normalmente mais lentos dificultavam a esperança em uma luta séria pela pole.

Isso foi visto aos poucos. Nato e Turvey erraram em suas voltas, enquanto Buemi e Blomqvist estiveram simplesmente lentos. A Dragon até que foi bem: Sette Câmara e Eriksson foram respectivamente 9° e 14°, mas teriam de largar no fim do grid por infração com a caixa de câmbio.

Superpole: Pascal Wehrlein, Oliver Rowland, Jake Dennis, Jean-Éric Vergne, Maximilian Günther, Edoardo Mortara

A fase decisiva do treino classificatório começou com Mortara na pista. O suíço precisaria de algo muito especial para de fato brigar pela pole. Essa busca, entretanto, levou a um problema: Edoardo errou em uma curva e quase bateu, perdendo segundo preciosos.

Günther foi para sua volta também com agressividade demais. O alemão quase perdeu controle do carro duas vezes na volta e, apesar de derrotar Mortara, dificilmente seria pole.

Vergne seguiu melhorando, anotando 1min24s282. O francês não cometeu erros óbvios, mas parecia ainda que os próximos pilotos seriam capazes de melhorar.

O trio restante de pilotos acabou superando Vergne até com facilidade, e aos poucos. Dennis, Rowland e Wehrlein fizeram voltas progressivamente melhores. Os três tiveram rendimento semelhante, com Pascal levando a melhor no detalhe.

Fórmula E 2020/21, eP de Puebla, grid de largada:

1P WEHRLEINPorsche1:23.780
2O ROWLANDNissan1:23.838+0.058
3J DENNISBMW1:23.879+0.099
4J.E. VERGNEDS Techeetah1:24.282+0.502
5M GÜNTHERBMW1:25.095+1.315
6E MORTARAVenturi Mercedes1:27.217+3.437
7A SIMSMahindra1:24.425+0.645
8L DI GRASSIAudi1:24.489+0.709
9R RASTAudi1:24.818+1.038
10A LOTTERERPorsche1:24.832+1.052
11A.F. DA COSTADS Techeetah1:24.881+1.101
12M EVANSJaguar1:24.934+1.154
13N CASSIDYVirgin Audi1:25.352+1.572
14N DE VRIESMercedes1:25.387+1.607
15O TURVEYNIO1:25.404+1.624
16A LYNNMahindra1:25.593+1.813
17N NATOVenturi Mercedes1:25.730+1.950
18S BIRDJaguar1:25.788+2.008
19S BUEMINissan1:25.809+2.029
20R FRIJNSVirgin Audi1:26.146+2.366
21S VANDOORNEMercedes1:26.413+2.633
22T BLOMQVISTNIO1:30.568+6.788
23S. SETTE CÂMARADragon PenskeP +201:24.706+0.926
24J ERIKSSONDragon PenskeP +201:24.992+1.212

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar