Por consistência nas punições, Vergne pede comissários permanentes para temporada completa da FE

Jean-Éric Vergne até foi a favor da própria punição no eP de Roma, mas o que incomodou foi o fato de ter ter sido prejudicado pela falta de punições pelo mesmo motivo no México. Por isso, concluiu que a consistência está faltando

Jean-Éric Vergne pediu mudança. O atual campeão da Fórmula E questionou a punição que sofreu no fim do eP de Roma, quando recebeu um drive-through por ultrapassagem sob bandeira amarela de pista inteira – a full-course yellow. Na realidade, Vergne nem questiona a sua punição, mas a falta de consistência dos comissários da FIA para defini-la.

 
Vergne ultrapassou António Félix da Costa durante a contagem para o acionamento da bandeira amarela de pista inteira. No fim da corrida, veio a punição. Mas Vergne carrega consigo um motivo: sofreu ultrapassagens iguais na Cidade do México que não renderam sanções. O que ele quer é padrão.
 
"Max [Günther] diminuiu a velocidade enormemente, então tentei evitar António e, enquanto isso, mesmo indo muito lento, passei por ele. Mas passei ainda durante a contagem regressiva. Existe a primeira contagem, do diretor de prova, e a segunda, de 5s, para reduzir a velocidade a 50 km/h", explicou.
 
"A razão pela qual eu fiz isso é que no México três carros me passaram durante a bandeira amarela de pista inteira antes que a bandeira vermelha fosse chamada. Fui diretamente aos comissários e perguntei: Eles três vão ser punidos? Responderam que não", lembrou.
Jean-Éric Vergne (Foto: Reprodução/Twitter)

"Logo, depois da corrida no México, foi falar com Scot Elkins, o diretor de corridas, e ele me falou que estava tudo bem e que, não fosse assim, haveria uma multa", contou.

 
"Foi isso que eu fiz. Estou de acordo com a punição: não deveria ser legal ultrapassar com o FCY ativado. Mas uma vez que três corridas atrás era OK, então eu fiz. A equipe me disse: 'Tudo certo, pode manter sua posição'. E ao fim da corrida recebi essa punição de drive-through. Cadê a consistência?", questionou.
 
"Depois da corrida, falei com os comissários e expliquei isso e minha discordância sobre o incidente no México, quando não houve sanções. E resposta de um dos comissários foi que não esteve no México", apontou.
 
Vergne isentou os comissários, porém, por conta da dificuldade pela mudança dos comissários a cada corrida. Prefere que sejam os mesmos nomes de forma constante.
 
"Sim, porque é como se pilotos novos entrassem a cada corrida. O sistema funcionou bem, mas neste ano está difícil, muito difícil de julgar, as pistas são pequenas, estreitas, há muito contato, muitos choques, é complicado acompanhar. É um trabalho muito duro para os comissários. É muita responsabilidade e talvez só eles não sejam suficientes. Não culpo a eles, mas alguma coisa precisa mudar.
 
"Não sou contrário à decisão. Simplesmente sou contra como as coisas estão sendo feitas desde o começo da temporada. Se eu sofri a punição em Roma, eles deveriam ter sofrido no México", finalizou.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube