Vergne aproveita punição a Rowland e herda pole-position do eP de Mônaco. Massa vai à Superpole e é 5º

O treino classificatório para o eP de Mônaco terminou com uma batida em Paris como decisiva. Oliver Rowland fez a volta mais rápida, mas estava punido com a perda de três posições desde a prova na capital francesa e vai largar só em quarto. Jean-Éric Vergne foi rápido e aproveitou a oportunidade para assegurar a posição de honra

Depois de um começo até que promissor, Sébastien Buemi não conseguiu cravar uma volta dominante na manhã deste sábado (11) quando foi à pista na Superpole. O suíço era o único pole – e ainda é o vencedor solitário que a Fórmula E conhece no eP de Mônaco. O mais rápido foi o companheiro de Buemi na Nissan, Oliver Rowland, que carregava uma punição de três posições dada em Paris. Caiu, então, no colo do atual campeão: Jean-Éric Vergne é o pole no Principado, embora Rowland leve os três pontos.

Rowland causou um acidente com Alexander Sims em Paris – pelo qual assumiu a culpa – e acabou perdendo a chance da segunda pole seguida. Vergne andou forte também e garantiu a dianteira para a DS Techeetah. Ao lado dele – ao menos por enquanto, porque está sob investigação por um procedimento na Superpole -, Mitch Evans. Pascal Wehrlein ainda estará em vantagem para Rowland na segunda fila.
 
A terceira fila será formada por Felipe Massa, que disse no rádio da equipe ter feito uma das votas mais divertidas dele em Mônaco, e Buemi. Alexander Sims, Alex Lynn, António Félix da Costa e José María López fecharam o top-10. Luas Di Grassi foi 13º colocado, uma posição à frente do líder do campeonato, Robin Frijns.

O eP de Mônaco tem a largada marcada para as 11h34 (de Brasília).

Mônaco (Foto: Mahindra)

Confira como foi a classificação:

 
Grupo 1 – Robin Frijns, André Lotterer, Jérôme D'Ambrosio, António Félix da Costa e Lucas Di Grassi
 
Como costuma ser no grupo dos líderes, todo mundo demorou bastante para ir à pista – os cinco completaram volta rápida já com o cronometro zerado. Lotterer foi quem saiu na frente e terminou com uma volta ruim, acima de 51s. D'Ambrosio e Di Grassi também não impressionaram, respectivamente em 50s6 e 50s5.
 
O melhor do grupo inicial foi Da Costa. O português cravou 50s375 e saiu em alguma vantagem, embora a volta não tenha sido sequer perto daquelas vistas como melhores do dia. O líder do campeonato Frijns anotou 50s498.
Jean-Éric Vergne (Foto: DS Techeetah)
Grupo 2 – Jean-Éric Vergne, Edoardo Mortara, Mitch Evans, Daniel Abt e Sam Bird
 
Mais uma vez muita demora. Mortara foi o primeiro e até começou bem, mas foi bem mal no contorno do cotovelo e acabou perdendo bastante tempo. Terminou em nono ao fim do grupo. Abt também foi mal e terminou apenas ligeiramente melhor que Edoardo – e pior que Di Grassi, o companheiro de Audi.
 
Os donos do grupo foram Vergne, que anotou uma boa volta em 50s048, e Evans, que cravou 50s247. Ambos pularam para as duas primeiras colocações, ao passo que Bird se colocou somente no sétimo posto. 
Felipe Massa (Foto: Venturi)

Grupo 3 – Alexander Sims, Pascal Werlein, Sébastien Buemi, Oliver Rowland, Stoffel Vandoorne e Felipe Massa

 
Quem abriu o terceiro grupo – e nem demorou para tanto – foi Sims. Sem os problemas mecânicos que andam incomodando bastante o alemão, Sims andou ligeiramente melhor que Da Costa e se pôs na batalha pela Superpole. O grupo três logo se mostrou uma força.
 
Wehrlein anotou uma fortíssima volta em 50s058 e subiu para o segundo posto. Também na casa de 50s0, Massa ficou em terceiro, seguido por Buemi em quarto e Rowland em quinto. Sims, com o tempo inicial, era o sétimo. Vandoorne caiu para nono. Com os novos resultados, todos aqueles que andaram no grupo dos líderes estavam fora da Superpole. 

Grupo 4 – Oliver Turvey, Alex Lynn, Gary Paffett, Tom Dillmann, Max Günther e José María López
 
Mesmo com o último grupo pegando a pista em melhores condições, nenhum dos pilotos do sexteto mexeu na situação do campeonato. Dillmann passou apenas com o 21º lugar, enquanto o companheiro Turvey foi para 16º. Günther foi 14º e perdeu para o parceiro dele na Dragon, López, que fechou em décimo.
 
O melhor do grupo foi Lynn, que larga em oitavo. Paffett sumiu e terminou no 20º posto. 
 
Desta feita, a Superpole foi formada por Vergne, Wehrlein, Massa, Buemi, Rowland e Evans.
Oliver Rowland (Foto: FE)
Superpole
 
Evans saiu na frente e marcou uma volta sólida para abrir os trabalhos. Rowland, na sequência, andou mais forte e se colocou com candidato ao topo do relógio embora estivesse punido com três colocações por uma batida em Paris. Buemi, Massa e Wehrlein não superaram, então sobrou apenas Vergne. O francês pulou para a segunda colocação, mas herdou a pole por conta da situação de Rowland. Evans ainda foi colocado sob investigação por conta da volta do sexto posto. Mas Vergne foi quem ficou com a pole.

FE, eP de Mônaco, grid de largada:

1 J VERGNE DS Techeetah 50.042    
2 M EVANS Jaguar 50.112 +0.070  
3 P WEHRLEIN Mahindra 50.128 +0.086  
4 O ROWLAND Nissan 50.021   P+3
5 F MASSA Venturi 50.218 +0.176  
6 S BUEMI Nissan 50.234 +0.192  
7 A SIMS BMW 50.351 +0.309  
8 A LYNN Jaguar 50.370 +0.328  
9 A FÉLIX DA COSTA BMW 50.375 +0.333  
10 J LÓPEZ Dragon Penske 50.432 +0.390  
11 S VANDOORNE HWA Venturi 50.451 +0.409  
12 R FRIJNS Virgin Audi 50.498 +0.456  
13 L DI GRASSI Audi 50.502 +0.460  
14 S BIRD Virgin Audi 50.526 +50.526  
15 O TURVEY NIO 50.578 +50.578  
16 D ABT Audi 50.602 +50.602  
17 M GÜNTHER Dragon Penske 50.514 +0.493 P+3
18 G PAFFETT HWA Venturi 50.664 +50.664  
19 T DILLMANN NIO 50.811 +50.811  
20 J D'AMBROSIO Mahindra 50.601 +0.580 P+3
21 A LOTTERER DS Techeetah 51.018 +51.018  
22 E MORTARA Venturi 50.618 +0.597 P+3

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar