FE

Vice-líder, Di Grassi avalia que traçado de Berna “vai separar homens e meninos”

Lucas Di Grassi deseja chegar a Nova York, para a decisão da Fórmula E, com chances reais de título. Para isso, então de ir bem numa pista de Berna que aparece como um dos maiores desafios do campeonato

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
Lucas Di Grassi chega ao eP de Berna em situação animadora na briga pelo título da Fórmula E. Afinal, após da vitória em Berlim, a segunda da temporada, o piloto da Audi está na vice-liderança do campeonato apenas seis pontos atrás de Jean-Éric Vergne e dez tentos à frente do terceiro colocado, André Lotterer. Uma vitória na Suíça fará com que vá para a decisão, em Nova York, líder do campeonato. A questão é que a pista tende a ser um enorme desafio.
 
O piloto destacou a competição dura da categoria e a necessidade de se posicionar bem para chegar à decisão com chances reais de ser campeão. Os primeiros cinco colocados do campeonato estão separados por apenas 21 pontos. 
 
“Há uns dez pilotos com chance de brigar pelo título ainda, embora mais realisticamente acho que os cinco primeiros têm mais condições. Mesmo faltando apenas três corridas para o final em uma temporada de 13 provas”, falou. 
 
“Nesse contexto, sair da Suíça com um bom resultado, que não precisa ser necessariamente a vitória, é o mais importante. A meta é chegar na rodada dupla de Nova York, em meados de julho, com chances reais de ser campeão. Na visão da nossa equipe, é isso ou nada”, completa o brasileiro.
Lucas Di Grassi (Foto: Audi)
Em 2018, a Fórmula E quebrou um tabu histórico: 64 anos sem corridas de carro na Suíça. Di Grassi venceu aquela prova, então disputada em Zurique. Agora em Berna, crê que será uma divisão entre quem é bom de verdade e quem não.
 
“Este ano vamos competir em Berna, em um traçado totalmente diferente. É a primeira vez que vamos correr lá. É uma pista muito distinta de todas as que utilizamos na Fórmula E, especialmente os trechos em subida e descida, um detalhe que realmente vai separar os homens dos meninos", apontou. 
 
"Fizemos muitos treinos no simulador, mas nada pode simular o frio na barriga que você sente em uma pista com mudanças súbitas de elevação. Para o público, será ótimo de assistir. Para os pilotos, um desafio a parte”, resumiu.
 


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.