FE

Wehrlein critica punição sofrida no México e reclama que “não sabe o que dizer” sobre batidas de Di Grassi

Pascal Wehrlein ainda não engoliu direito a perda da vitória no eP da Cidade do México. O piloto da Mahindra está bem insatisfeito com a tática de briga por posição de Lucas Di Grassi, que segundo ele causa acidentes constantemente. O alemão se defendeu da punição que sofreu ao cortar a chicane negando ter levado vantagem
Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
Nasce uma nova rivalidade da Fórmula E. Após o eP da Cidade do México, onde Lucas Di Grassi ultrapassou Pascal Wehrlein na reta de chegada para vencer, os dois passaram a se desentender. Di Grassi havia declarado que sentiu o rival se defender de forma bastante agressiva, mas agora foi a vez de Wehrlein falar. Segundo o alemão, as estratégias de corrida do piloto da Audi são bem discutíveis.
 
Wehrlein, além da ultrpassagem final, foi punido com o acréscimo de 5s ao tempo total dele na corrida por cortar a chicane minutos antes, quando se defendia de Di Grassi. Mas, no que conta a opinião de Pascal, ele foi injustiçado. É Lucas quem procura pequenos contatos diversas vezes durante as provas. 
 
"É assim que ele guia, vai me usando de freio. Eu tive que passar reto, mas os comissários decidiram por uma punição de 5s com a qual eu não concordo, porque não levei vantagem", disse ao site inglês 'E-Racing365'.
 
"Tive que cortar porque ele estava lá e não deixou espaço para mim, então tivemos um contato. Quando eu passei reto, diminuí de velocidade e uma curva depois ele já estava novamente na minha traseira me jogando contra a curva. Mas tenho que aceitar", seguiu.
Pascal Wehrlein (Foto: FE)
Wehrlein listou problemas de Di Grassi nas últimas corridas - inclusive a batida que forçou o abandono de Pascal na estreia dele, no Marrocos. 
 
"Tudo que posso dizer é que nas três corridas em que eu estive aqui senti coisas vindas dele... Em Marrakech, por exemplo, ele acertou minha traseira e nada de punição. Bateu em alguém durante a amarela na última corrida [José María López no eP de Santiago] e aqui novamente fez contato, então não sei o que mais dizer", comentou.
 
Di Grassi, de sua parte, comentou que aproveitou as oportunidades oferecidas pelo rival.
 
"Na última volta eu estava atrás dele e fingi ir por fora. Ele deixou uma porta pequena por dentro, mas que me permitia mergulhar entre o muro e a linha, então fui ali", declarou.
 
Com a vitória no eP da Cidade do México, Di Grassi chegou a 34 pontos e o quarto lugar do campeonato de Pilotos. Wehrlein tem 30 e é o quinto. O líder é Jérôme D'Ambrosio, da Mahindra como Pascal, com 53. A próxima etapa é o eP de Hong Kong, em 10 de março.