A temporada 2017 da MotoGP dará seu pontapé inicial neste final de semana. Com grandes expectativas, a dança das cadeiras entre as equipes causou grandes mudanças

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A MotoGP está a poucos passos de dar o pontapé oficial para a temporada 2017. A primeira etapa do calendário acontece neste final de semana, no Catar, palco dos últimos testes da pré-temporada da categoria.

Mais uma vez, Marc Márquez entra no campeonato com a missão de defender um título mundial. O jovem espanhol de apenas 24 anos vem em busca de seu quarto caneco na categoria rainha do Mundial de Motovelocidade.

No entanto, alguns outros pontos merecem ser observados. Um deles é que, por questões de segurança, a partir deste ano as asas serão banidas. Assim, as equipes terão que pensar em alternativas aerodinâmicas para suas motos.

Mas não é apenas no regulamento que a categoria rainha do Mundial de Motovelocidade terá alterações, mesmo que mínimas. O grid para a temporada 2017 teve uma grande dança das cadeiras, com as equipes promovendo uma mudança geral.

A primeira é a entrada da KTM na MotoGP. Após intenso preparo e muito estudo, a equipe enfim vai debutar sua moto na categoria, com Bradley Smith e Pol Espargaró dividindo os boxes.

O plano do time de correr na categoria principal já vem de muito antes de 2017. Com resultados expressivos nas irmãs menores, a KTM chega envolta em grande expectativa.

 

(Jorge Lorenzo (Foto: Ducati))

KTM é uma das principais novidades do grid de 2017 (Pol Espargaró (Foto: KTM))
 

Ainda no grid, algumas fábricas permaneceram no conservadorismo na escolha de seus competidores, como a Honda e suas equipes satélites, Avintia e Pramac. As cinco mantiveram os competidores por mais um ano, apostando em mais um campeonato de sucesso com suas duplas.

O time principal, entretanto, não teria motivos para querer trocar uma parceria tão competitiva como Marc Márquez e Dani Pedrosa. Afinal, Marc conquistou o título do campeonato de 2016, enquanto Dani assegurou uma vitória e terminou o ano na sexta posição.

Equipes menores, como Marc VDS e LCR também decidiram manter os mesmos pilotos da temporada anterior, seguindo pelo caminho mais seguro.

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

No entanto, grandes mudanças foram vistas nas equipes de ponta do pelotão. A começar pela saída de Jorge Lorenzo da Ducati, para a vaga de Andrea Iannone. Assim que o espanhol anunciou a decisão, a grande especulação era a de quem entraria no lugar do tricampeão.

Após muitos nomes apontados, quem acabou assumindo o papel de companheiro de Valentino Rossi, que assinou por mais dois anos no time, foi Maverick Viñales. O jovem promissor deixaria a Suzuki, onde conseguiu resultados expressivos em 2016, terminando em quarto, para enfim ter a chance de sua carreira na Yamaha.

Para suprir a falta de sua estrela, a Suzuki então repaginou totalmente a sua dupla. Para este ano, contará com o apoio de Iannone, que acabou ‘chutado’ da Ducati, e ainda a subida de Álex Rins para a MotoGP após fechar a temporada anterior na Moto2 em terceiro.

Sobem também para a categoria rainha do Mundial de Motovelocidade os jovens Johann Zarco e Jonas Folger. Os dois serão companheiros na Tech 3, equipe satélite da Yamaha.

Outro piloto promovido à MotoGP em 2017 é Sam Lowes. O #22 irá fazer dupla com Aleix Espargaró, que deixou a Suzuki no final da última temporada, na Aprilia. O piloto do Reino Unido teve ano notável em 2016, somando duas vitórias e terminando em quinto.

Por fim, o campeonato 2017 marca o retorno de Karel Abraham para a categoria rainha do Mundial de Motovelocidade. Após competir um ano no Mundial de Superbike, o piloto assinou com a Aspar e irá dividir o time com Álvaro Bautista.

 

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”) (Andrea Iannone e Álex Rins (Foto: Suzuki))

 

GUIA MOTOGP 2017 GRANDE PREMIUM
 

 2017, o quebra-cabeças da MotoGP

 A dança das cadeiras no grid de 2017

 A filosofia off-road na estreia da KTM

 Moto2: quase igual, com estreantes e KTM

 Moto3: novos pilotos e volta do nome Simoncelli

 Rossi enfrenta nova batalha caseira

 Mais maduro, Márquez é o homem a ser batido

 Lorenzo tem o maior desafio da carreira

 Na Ducati, Lorenzo busca feito raríssimo

 Stop & Go: o (verdadeiro) doutor Miguel Oliveira

 Equipes & Pilotos: quem é quem em 2017

 

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

SÃO PAULO E-PRIX 2023:
SINTA A ENERGIA DA FÓRMULA E

25 de março de 2023 CLIQUE NO LINK ABAIXO PARA ACESSAR O SITE OFICIAL DE VENDAS E ATIVAR O SEU BENEFÍCIO EXCLUSIVO COM O CÓDIGO SAOPAULOVIP. Comprar Ingresso com desconto

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar