Sam Hornish construiu uma carreira brilhante na Indy e foi também o único homem que conseguiu ultrapassar um adversário nos metros finais para vencer as 500 Milhas de Indianápolis em 2006

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

A corrida das 500 Milhas de Indianápolis é bem particular porque não segue nenhum roteiro e também passa longe de confirmar previsões. Ao longo de 99 edições, a mais antiga corrida em ovais já reservou todo o tipo de surpresa: novatos vencendo, veteranos ganhando pela primeira vez, histórias de superação e triunfos inacreditáveis. Mas nunca na história do Brickyard um piloto saiu vitorioso ao ultrapassar e tomar a ponta da prova a pouquíssimos metros da linha de chegada. 

E o dono da façanha foi o piloto norte-americano Sam Hornish em 2006, na corrida que marcou a edição 90 da Indy 500. E a diferença na bandeirada foi de apenas 0s063. E a pobre alma que viu a vitória escapar a 137 m da quadriculada foi Marco Andretti, que fazia sua primeira temporada na categoria norte-americana que já havia consagrado seu pai e seu avô. 

A corrida, na verdade, foi dominada por Dan Wheldon, que liderou 148 voltas das 200, mas acabou abandonando a briga pela ponta depois de um furo de pneu na parte final da prova. O inglês, que morreu em 2011 em um acidente em Las Vegas, chegou ainda em quarto. A corrida também foi uma das mais quentes da história, com 32ºC de temperatura ambiente.

Sam Hornish largou da pole-position no ano em que venceu as 500 Milhas (Sam Hornish venceu as 500 Milhas de Indianápolis por 0s063 em 2006 (Foto: Getty Images))

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Hornish já dava pinta de que seria um duro adversário desde a classificação. O norte-americano, correndo pela Penske, cravou a pole-position com a marca de 224.381 mph. A primeira fila ainda teve Helio Castroneves e Wheldon. Como curiosidade, os outros brasileiros da prova eram Tony Kanaan, Vitor Meira, Felipe Giaffone, Airton Daré e Thiago Medeiros.

Após um mês maio chuvoso em Indianápolis, o domingo de corrida amanheceu com sol e temperaturas altas. E, no momento em que o boxeador Sugar Ray Leonard autorizou a largada agitando a bandeira verde, Castroneves ultrapassou Hornish logo no início e permaneceu na liderança pelas nove primeiras voltas.

Depis disso, Wheldon tomou a dianteira e seguiu na frente até os primeiros pit-stops. Hornish recuperou a ponta a partir da volta 35, mas foi logo superado por Kanaan, que acabou cedendo a primeira posição da Dan novamente. Aí começou a disputa entre Wheldon e Scott Dixon, e isso se estendeu por boa parte da corrida. Na parte final, Michael Andretti chegou à liderança já nos últimos giros e foi superado pelo filho Marco na antepenúltima passagem, enquanto Sam vinha na perseguição aos dois.
(Sam Hornish venceu as 500 Milhas de Indianápolis por 0s063 em 2006 (Foto: Getty Images))

Quando os três entraram na volta final, Hornish seguia o novato e não deu chances. Os dois saíram grudados da curva 4 e, com mais ação, o veterano deu o bote e cruzou apenas 4 m à frente do estreante. 

Sam Hornish passou o estreante Marco Andretti praticamente na linha de chegada (Sam Hornish venceu as 500 Milhas de Indianápolis por 0s063 em 2006 (Foto: Getty Images))

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

SÃO PAULO E-PRIX 2023:
SINTA A ENERGIA DA FÓRMULA E

25 de março de 2023 CLIQUE NO LINK ABAIXO PARA ACESSAR O SITE OFICIAL DE VENDAS E ATIVAR O SEU BENEFÍCIO EXCLUSIVO COM O CÓDIGO SAOPAULOVIP. Comprar Ingresso com desconto

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar