De repente, estamos no final de setembro e diante do GP da Malásia. O que esperar da prova no reformado circuito de Sepang?

É a virada de setembro pra outubro, mas estamos diante do GP da Malásia. Confuso, não? Pois é. Depois de 15 anos com a corrida na fase inicial do campeonato, o GP volta a acontecer na reta final da temporada.

A novidade não é apenas essa. O traçado foi recapeado neste ano de modo que até mesmo algumas curvas foram alteradas — nove, para ser mais preciso. Elas terão inclinações diferentes e muitas perderam ondulações presentes em outros anos. Parte dos trabalhos foi com a intenção de evitar o acúmulo de água tão frequente em outros anos.

A última curva foi a que recebeu a modificação mais significativa, com o lado interno sendo elevado em um metro. Assim, o hairpin passa a ter inclinação negativa. Segundo o projetista Jarno Zaffeli, isso deve mudar a linha de pilotagem, tornar o trehco mais lento e favorecer ultrapassagens no local.

Com as alterações, os treinos livres serão de aprendizados para equipes e pilotos. A fórmula usada por mais de uma década pode não servir mais, e será preciso redescobrir os pontos de freada, aceleração e tangência, bem como o acerto dos carros. Isso resultará em surpresas? Provavelmente não na divisão de forças. Em condições normais, a evolução da pista seria enorme de um treino para outro. A classificação ficaria divertida, e, aí sim, com o risco de alguma zebra. A questão é que a previsão é de chuva para os três dias.

Equipe por equipe, o que esperar do GP da Malásia? 

1. MERCEDES

Último ranking: 1º (+1)

 

Sepang foi das Mercedes nos últimos anos e deve ser de novo — ainda que Sebastian Vettel tenha vencido em 2015. Na disputa interna, por mais que essa seja uma pista com “cara” de Rosberg, é Hamilton quem costuma se sair melhor.
(Nico Rosberg (Foto: Mercedes))

2. RED BULL

Último ranking: 1º (-1)

 

O circuito malaio é de alta, mas possui algumas curvas em que a aerodinâmica é bem útil, tanto é que Vettel ganhou três vezes lá enquanto guiava pelo time. E se chover, a Red Bull é que não vai reclamar.
(Daniel Ricciardo na Red Bull (Foto: Red Bull))

3. FERRARI

Último ranking: 3º

 

A Ferrari chega para defender a vitória de 2015 em Cingapura. Digo, Malásia. Fiquei com preguiça e copiei a primeira frase da semana passada. O carro italiano costuma andar bem no calor, pena para ele que o verão europeu não deu as caras em 2016. Na Malásia, entre uma chuva e outra, pode ser que o sol dê as caras, e aí os termômetros estarão acima dos 30ºC.
(Sebastian Vettel (Foto: Ferrari))

4. FORCE INDIA

Último ranking: 4º

 

Essa é uma pista em que a tendência é a Force India andar bem. Calor, alta velocidade, mas também curvas em que o equilibrado carro deste ano pode levar vantagem sobre a Williams. Sergio Pérez quase venceu em 2012.
(Sergio Pérez (Foto: Force India))

5. WILLIAMS

Último ranking: 7º (+2)

 

Depois de ficar fora dos pontos pela segunda vez no ano, a Williams tem pela frente um autódromo que deve lhe ser mais gentil. Exceto, é claro, se chover. No molhado, nem mesmo em Silverstone os pilotos Felipe Massa e Valtteri Bottas ficaram fora do top-10.
(Valtteri Bottas (Foto: Williams))

6. TORO ROSSO

Último ranking: 6º

 

Daniil Kvyat pareceu acordar em Cingapura, passando para o Q3 e brigando bem com Max Verstappen no meio da prova. A Toro Rosso vai precisar dele para brigar com a McLaren pela sexta posição no Mundial de Construtores — e também por alguns pontinhos na Malásia. Não dá para depender só de Carlos Sainz.
(Carlos Sainz (Foto: Getty Images))

7. MCLAREN

Último ranking: 5º (-2)

 

A McLaren quer estrear em Sepang uma versão atualizada do motor Honda, o que acarretaria em punições. Melhor cumpri-las agora do que na próxima corrida, no Japão. E, convenhamos, as chances de um resultado melhor são em Suzuka. Se a unidade de potência atualizada ficar pronta, eu realizaria a troca agora e apostaria na chuva para me recuperar no domingo.

8. HAAS

Último ranking: 8º

 

A Haas mandou fabricar em sua sede na Europa um novo sistema de freios para solucionar a falha que não deixou Romain Grosjean largar em Cingapura — um problema no brake-by-wire. No seco, até acho que poderiam conseguir algo de bom. Na chuva, precisarão de sorte.
(Esteban Gutiérrez (Foto: Haas))

9. RENAULT

Último ranking: 9º 

 

A Renault admitiu nesta semana que os maus resultados estão atrapalhando nas negociações com pilotos para o ano que vem. Com um pouco de sorte, não duvido que o time surpreenda no seco ou no molhado. Na última corrida, Magnussen pontuou pela primeira vez desde o GP da Rússia.
(Jolyon Palmer (Foto: Getty Images))

10. MANOR

Último ranking: 10º

 

Sepang pode ser interessante para a Manor e o seu motor Mercedes. E se por um lado a sua dupla não conhece o circuito, o aprendizado será para todos devido à reforma, então a desvantagem não é tão grande.
(Pascal Wehrlein (Foto: Manor))

11. SAUBER

Último ranking: 11º 

 

Quando a F1 esteve na Malásia pela última vez, a Sauber vivia uma condição mais animadora dentro da pista. Marcus Ericsson foi ao Q3 e não brigou por pontos porque errou nas voltas iniciais. Desta vez vai ser bem mais complicado.
(Felipe Nasr (Foto: Sauber))

Na seção 'Por Fora dos Boxes', Renan do Couto publica às terças e sextas-feiras opiniões, análises, reportagens e outros conteúdos especiais a respeito do Mundial de F1 e das demais categorias do automobilismo mundial. Renan também é narrador dos canais ESPN e ganhou, em 2015, o Prêmio ACEESP de melhor reportagem de automobilismo com o Grande Prêmio.

Leia as colunas anteriores

Siga no Twitter

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

SÃO PAULO E-PRIX 2023:
SINTA A ENERGIA DA FÓRMULA E

25 de março de 2023 CLIQUE NO LINK ABAIXO PARA ACESSAR O SITE OFICIAL DE VENDAS E ATIVAR O SEU BENEFÍCIO EXCLUSIVO COM O CÓDIGO SAOPAULOVIP. Comprar Ingresso com desconto

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar