O GP da Áustria acontece em um circuito aparentemente simples, mas bastante traiçoeiro: isso é o que mais pode misturar o grid

FacebookTwitterLinkedInWhatsAppTelegramPinterestEmail

  
    google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
    google_ad_slot = “2258117790”;
    google_ad_width = 300;
    google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

A nona etapa da temporada 2016 da F1 está chegando, e o traçado do Red Bull Ring é grande candidato a embaralhar o grid. Como assim? É que em condições normais, a divisão de forças entre as equipes não deve mudar muito, só que o passado recente nos mostra como erros podem custar caro no GP da Áustria.

A pista em Spielberg tem 4326 metros de extensão e apenas nove curvas. Assim, as diferenças no treino de classificação costumam ser mínimas, e não há tempo para se compensar eventuais equívocos.

O exemplo óbvio é o de 2014, quando a Williams desbancou a Mercedes para fazer uma dobradinha com Felipe Massa na pole. No ano passado, a surpresa veio na forma de Nico Hülkenberg em quinto, Max Verstappen em sétimo e Felipe Nasr em oitavo.

Mas há um outro detalhe: ao mesmo tempo em que a tendência é ver as equipes que estiveram fortes nas últimas corridas bem outra vez, há razões para crer que a Williams pode voltar a se apresentar bem.

Vamos, então, àquela prévia de equipe por equipe antes do GP da Áustria.

1. MERCEDES

Último ranking: 1º

 

Claro, a Mercedes é favorita. Lewis Hamilton fez a pole, mas perdeu a corrida na largada para Nico Rosberg no ano passado. A ressalva fica não para o sábado, mas para o domingo: com a reta em subida, se os pilotos largarem mal outra vez, o prejuízo pode ser enorme.
(Nico Rosberg comemora a vitória no Azerbaijão (Foto: Mercedes))

2. FERRARI

Último ranking: 2º

 

No ano passado, Sebastian Vettel largou em terceiro, mas perdeu o pódio com um erro de pit-stop da Ferrari em uma excelente apresentação de Felipe Massa. Ter ido bem no GP do Canadá é um bom sinal para a equipe italiana.

           
    google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
    google_ad_slot = “5708856992”;
    google_ad_width = 336;
    google_ad_height = 280;

(Sebastian Vettel (Foto: Ferrari))

3. WILLIAMS

Último ranking: 4º (+1)

 

Essa é mais uma corrida em que a Williams deve se pressionar para conseguir um bom resultado. Pelo histórico e pelas características da pista, apostaria no time — e acredito que Massa e Bottas devem ser capazes de bater a Red Bull. Sóchi e Montreal já foram boas provas.

4. RED BULL

Último ranking: 3º (-1)

 

A Red Bull corre em casa e está bem no campeonato, mas o motor Renault ainda deve segurar o time. E, com apenas nove curvas, não há muita brecha para Daniel Ricciardo e Max Verstappen compensarem a falta de potência.

           
    google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
    google_ad_slot = “5708856992”;
    google_ad_width = 336;
    google_ad_height = 280;

(Daniel Ricciardo (Foto: Red Bull/Getty Images))

5. FORCE INDIA

Último ranking: 5º

 

A Force India fica na mesma posição do ranking anterior, mas há potencial para mais na Áustria. Curiosamente, os seus melhores resultados foram em pistas de rua e não em circuitos de alta velocidade. Ainda assim, há o motor Mercedes. Sergio Pérez e Nico Hülkenberg podem sonhar.
(Sergio Pérez no seu segundo pódio do ano (Foto: Force India))

6.  TORO ROSSO

Último ranking: 6º

 

Será importante para a Toro Rosso se recuperar do abandono duplo do GP da Europa. Entretanto, essa tende a ser uma pista desfavorável para o time. Só não descartem pontos antes da hora: no ano passado, Verstappen largou em sétimo e chegou em oitavo.

7. MCLAREN

Último ranking: 7º

 

Sorte da Toro Rosso é que a McLaren sofrerá com o motor Honda. O time foi ao Q3 três vezes seguidas, a última delas no Canadá, o que deveria ser um bom sinal. O problema, de novo, passa pelas poucas curvas do Red Bull Ring. Alonso e Button não vão ter onde recuperar o que perderão nas retas.

8. HAAS

Último ranking: 8º

 

E sorte da McLaren que a Haas está estagnada, já pensando no projeto do seu segundo carro. Se algo pode fazer a equipe norte-americana se dar bem na Áustria, é o motor Ferrari de 2016. E, claro, Romain Grosjean sempre pode surpreender.
(Romain Grosjean (Foto: Getty Images))

9. RENAULT

Último ranking: 9º

 

Há um ano, a Lotus foi ao Q3 com Grosjean e Pastor Maldonado. Era um carro projetado para aproveitar ao máximo a potência do motor Mercedes na reta. Hoje, a unidade de potência é francesa, e o carro ficou em um meio termo que, até agora, nem fede, nem cheira — tanto que na ‘mista’ pista de Baku, seus pilotos ficaram na última fila.

           
    google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
    google_ad_slot = “5708856992”;
    google_ad_width = 336;
    google_ad_height = 280;

(Jolyon Palmer (Foto: Getty Images))

10. SAUBER

Último ranking: 10º

 

Ir ao Q2 foi uma pequena reação para Felipe Nasr no GP da Europa. Por outro lado, Marcus Ericsson ficou atrás das duas Manor. Na Áustria? Impossível saber. Freios serão importantes, e o brasileiro tem reclamado disso ao longo desta temporada.
(BAKU, AZERBAIJAN – JUNE 17: Felipe Nasr of Brazil driving the (12) Sauber F1 Team Sauber C35 Ferrari 059/5 turbo on track during practice for the European Formula One Grand Prix at Baku City Circuit on June 17, 2016 in Baku, Azerbaijan. (Photo by Mark Thompson/Getty Images))

11. MANOR

Último ranking: 11º

 

Rio Haryanto está começando a superar Pascal Wehrlein com maior frequência. Isso pode contribuir para o progresso do time. Outra coisa: motor Mercedes. Não sei se vai rolar, mas o GP da Áustria parece ser uma boa chance para a Manor aprontar algo diferente.

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

Na seção 'Por Fora dos Boxes', Renan do Couto publica às terças e sextas-feiras opiniões, análises, reportagens e outros conteúdos especiais a respeito do Mundial de F1 e das demais categorias do automobilismo mundial. Renan também é narrador dos canais ESPN e ganhou, em 2015, o Prêmio ACEESP de melhor reportagem de automobilismo com o Grande Prêmio.

Leia as colunas anteriores

Siga no Twitter

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar