Faltou uma pitada de animação, mas o GP da Austrália não foi o pior dos mundos para abrir a temporada 2018 do Mundial de F1. Teve ao menos uma disputa pelo vitória entre Sebastian Vettel e Lewis Hamilton, ainda que forçada pelo caos lançado à pista pelos erros da Haas

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

A F1 voltou e o Ranking GP voltou junto. O GP da Austrália do fim de semana – marcado pela boa forma da Mercedes, mas que não impediu a vitória da Ferrari com Sebastian Vettel – trouxe atuações inesperadas e algumas mudanças na divisão de força das equipes que imperou em 2017.

A maior nota da corrida foi compartilhada entre três pilotos. Vettel e Lewis Hamilton, primeiro e segundo, receberam um 8.5, assim como Kevin Magnussen. O dinamarquês, todavia, teve um destino diferente: o dinamarquês, que levou a Haas ao quarto lugar, abandonou após um erro dos mecânicos no pit-stop.

No outro extremo, a pior nota foi de Sergey Sirotkin. O russo recebeu um inglório 2.5 em sua primeira participação em um GP de F1, que terminou em abandono na sexta volta.

As notas do Ranking GP são calculadas através de avaliações de Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio, do GRANDE PREMIUM.

Sebastian Vettel (Sebastian Vettel (Foto: AFP))

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

1º) Sebastian Vettel – 8.5 – Era difícil pensar em uma grande corrida do alemão depois do treino classificatório, mas aconteceu. Mesmo que não tenha sido uma atuação de gala, Vettel chamou atenção pela solidez defensiva contra Hamilton nas últimas voltas. O britânico tentava tudo e o alemão nem piscava. Depois do primeiro desafio, fica a expectativa para ver a Ferrari vencendo uma corrida na base da velocidade, e não da estratégia.

2º) Lewis Hamilton – 8.5 – O mais rápido do fim de semana. E não venceu: Hamilton fez tudo certo, mas vacilou demais ao não pisar tão fundo quanto podia após o pit-stop. Quando precisou se recuperar do prejuízo e atacar Vettel, ficou errático. Desse jeito, a volta sensacional no treino classificatório, assim como a velocidade pura como um todo, fica quase esquecida. 

3º) Kimi Räikkönen – 8.0 – A nota do finlandês é um pouco mais baixa, mas não dá para sair falando mal. Räikkönen foi combativo e abriu o ano superando Vettel em volta rápida. Na corrida, Kimi também começou em melhor forma que Seb. O problema foi, uma vez mais, não manter isso durante todas as 58 voltas – depois do pit-stop, o piloto não mostrou condições de atacar Hamilton, perdendo muito tempo atrás de Vettel.

Daniel Ricciardo (Daniel Ricciardo (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool))

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

4º) Daniel Ricciardo – 7.5 – A sorte ainda não sorriu para o australiano em Melbourne. Já na sexta-feira, o piloto perdeu três posições no grid por infração no TL2. A recuperação no GP foi boa, principalmente porque Ricciardo não cometeu nenhum erro na corrida. O lado negativo é que, em voltas rápidas, o piloto ainda deve para Verstappen.

5º) Fernando Alonso – 8.0 – Depois de muito tempo, o bicampeão voltou a ter sorte. Além de contar com um carro decente, Alonso foi beneficiado pelo safety-car virtual, que o colocou em um inesperado top-5. Nas últimas voltas, se defendeu bem de Verstappen. Mas uma coisa precisa ser dita: Fernando ainda não tem carro para conseguir esse tipo de resultado em condições normais.

6º) Max Verstappen – 5.5 – Apontado por muitos como candidato ao título, Max começou decepcionante. O primeiro pecado foi ser passivo na briga com Magnussen, nunca tentando uma ultrapassagem sobre um carro teoricamente pior. O segundo, e mais grosseiro, foi rodar sozinho na curva 1. Seria aceitável para um estreante como Sirotkin, não para Verstappen. Andando assim, fazendo pouco de positivo, fica difícil só criticar o motor Renault.

7º) Nico Hülkenberg – 7.0 – Quase não apareceu na transmissão da corrida, o que é positivo. Significa que, depois de ir ao Q3, Hülkenberg só fez o dever de casa e encaminhou um resultado promissor para a Renault. Daria até para conseguir um top-5, não fosse a ultrapassagem evitável de Ricciardo e a sorte de Alonso. Mas não dá para reclamar de um sétimo lugar.

8º) Valtteri Bottas – 4.0 – Abriu o ano da pior forma possível. Levando tempo de Hamilton, batendo na classificação e não empolgando na corrida, Bottas fez o hat-trick das decepções. Desse jeito, como esperar que a Mercedes tope renovar o contrato?

9º) Stoffel Vandoorne – 7.0 – Voltou a ficar atrás de Alonso, voltou a fazer um trabalho digno. Assim como Hülkenberg, fez uso de uma prova discreta para trazer um resultado bastante valioso para a equipe.

10º) Carlos Sainz Jr. – 6.0 – Correu com dor de barriga, o que não deve ser muito bom. Talvez seja essa a explicação para um fim de semana sem qualquer destaque e pouca ameaça ao companheiro Nico Hülkenberg. Não foi o fim do mundo, mas dá para fazer bem mais do que isso.

Sergio Pérez (Sergio Pérez (Force India))

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

11º) Sergio Pérez – 5.5 – Assim como a Force India, afundou. Ao contrário de anos anteriores, Pérez não teve carro – ou mesmo braço – para chamar atenção na zona de pontos. Nem mesmo o lado positivo da corrida – superar Ocon – é capaz de apagar a decepção que foi o primeiro GP do ano.

12º) Esteban Ocon – 4.5 – Além de sofrer com um carro fraco, não estava em um fim de semana dos melhores. Ocon foi dominado por Pérez em Melbourne e chegou ao ponto de ser superado por Stroll na classificação. A fase ruim da Force India é desculpa para algumas coisas, mas não todas.

13º) Charles Leclerc – 6.0 – Ninguém deu muita bola, mas foi uma grata surpresa. Fez um trabalho honesto com o pior carro do grid e não cometeu nenhum erro que poderíamos esperar de um novato. Continuando assim, dá para sonhar com um ou outro ponto ao longo do ano.

14º) Lance Stroll – 4.0 – Desafio o leitor a encontrar algo de positivo na corrida do canadense. Depois de fazer um trabalho razoável no sábado, o domingo foi um pesadelo. Além da lentidão do FW41, Lance não fez nada digno de nota. Importante lembrar que este é o piloto de quem esperamos resultados na Williams.

15º) Brendon Hartley – 4.0 – Precisamos de evidências fotográficas de que Hartley realmente esteve presente em Albert Park no domingo. Hartley foi absolutamente ignorado em um GP em que tudo deu errado. O campeão do WEC fritou um pneu após errar na largada e furou outro depois do safety-car. Quando tudo estava ok, o motor ainda era Honda. Aí fica difícil.

Charles Leclerc (Charles Leclerc (Foto: Sauber))

NC – Romain Grosjean" target="_blank">Romain Grosjean – 8.0 – Que pecado. Mesmo atrás de Magnussen, fazia uma corrida muito boa ao se defender dos ataques de Ricciardo. Como sabemos, o esforço foi inutilizado pelo problema no pit-stop da Haas. Os pontos perdidos em Melbourne vão fazer falta.

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

NC – Kevin Magnussen – 8.5 – Um pecado ainda maior. O dinamarquês fazia talvez sua melhor corrida na F1, se defendendo bem de ninguém menos que Verstappen. Destaque também para o ritmo superior ao de Grosjean tanto no sábado quanto no domingo. Por conta do desastre nos boxes, também deixa a Austrália zerado e injustiçado.

NC – Pierre Gasly – 4.0 – Foi traído pelo motor Honda, mas não deu indicativo nenhum de que faria coisa melhor com um Mercedes. Assim como Hartley, teve um fim de semana sem sal, mas com o agravante de fazer o pior tempo do treino classificatório. É outro piloto que precisa melhorar com alguma urgência.

NC – Marcus Ericsson – 4.5 – Fez um bom trabalho ao superar Leclerc ao longo do fim de semana. O problema é que as margens sempre foram pequenas, considerando que um está na F1 desde 2014 e o outro chegou agora. Na corrida, foi traído por uma quebra mecânica e não pôde mostrar serviço.

NC – Sergey Sirotkin – 2.5 – Não criou expectativas e, ainda assim, decepcionou. Mesmo em um fim de semana ruim, Stroll superou Sirotkin com certa facilidade. Na corrida, abandonou por azar – a embalagem de um sanduíche voou e entrou no duto do freio. Que fase.

O pódio do GP da Austrália
GP da Austrália – 5.5

Uma corrida mais empolgante que a de 2017, mas isso não quer dizer muito. Em um circuito de raras ultrapassagens, só a estratégia e o safety-car foram capazes de mudar algo. Não fosse o abandono duplo da Haas, que viria a colocar Vettel na liderança, seria uma procissão de raras emoções.

Média da temporada 2018

1º) Sebastian Vettel – 8.5
1º) Lewis Hamilton – 8.5
1º) Kevin Magnussen – 8.5
4º) Kimi Räikkönen – 8.0
4º) Fernando Alonso – 8.0
4º) Romain Grosjean – 8.0
7º) Daniel Ricciardo – 7.5
8º) Nico Hülkenberg – 7.0
8º) Stoffel Vandoorne – 7.0
10º) Carlos Sainz Jr. – 6.0
10º) Charles Leclerc – 6.0
12º) Max Verstappen – 5.5
12º) Sergio Pérez – 5.5
14º) Esteban Ocon – 4.5
14º) Marcus Ericsson – 4.5
16º) Valtteri Bottas – 4.0
16º) Lance Stroll – 4.0
16º) Brendon Hartley – 4.0
16º) Pierre Gasly – 4.0
20º) Sergey Sirotkin – 2.5

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”) (AFP)

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

SÃO PAULO E-PRIX 2023:
SINTA A ENERGIA DA FÓRMULA E

25 de março de 2023 CLIQUE NO LINK ABAIXO PARA ACESSAR O SITE OFICIAL DE VENDAS E ATIVAR O SEU BENEFÍCIO EXCLUSIVO COM O CÓDIGO SAOPAULOVIP. Comprar Ingresso com desconto

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar