No monótono GP de Abu Dhabi que marcou a despedida da temporada 2017 da F1 e de Felipe Massa, quase nada aconteceu e Valtteri Bottas venceu. Também ficou com uma das maiores notas, ao lado de Nico Hülkenberg

FacebookTwitterLinkedInWhatsAppTelegramPinterestEmail

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

O GP de Abu Dhabi como última etapa da temporada do Mundial de F1 só pode ser daquelas coisas que funciona como truque: em vez de deixar o fã querendo mais, deixa querendo menos. Assim as equipes podem trabalhar tranquilas no fim do ano até que a pré-temporada chegue. A versão 2017 da prova noturna foi de um marasmo singular. Quase nada aconteceu, então sobrou para quem largou na pole, no caso Valtteri Bottas, cruzar a bandeira quadriculada como o último vencedor do ano.

Com uma corrida que deixou muito a desejar, as notas só puderamo acompanhar. Foram baixas, nenhuma chegou ao 8.0. Bottas e Nico Hülkenberg, que pagou de esperto para ultrapassar Sergio Pérez por fora da pista, mas garantiu o sexto lugar do Mundial de Construtores para a Renault, receberam uma média de 7.5.

As piores notas, no entanto, ficaram com Lance Stroll – 2.0 – e Kevin Magnussen – 2.5. Marcus Ericsson, Pierre Gasly e Brendon Hartley também não chegaram sequer à nota 4.0.

Na média anual, Lewis Hamilton foi também o campeão: 8.1; a médias das etapas do ano ficou num aceitável 6.4.

As notas do Ranking GP são calculadas através de avaliações de Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio, do GRANDE PREMIUM.

O pódio em Abu Dhabi (O pódio em Abu Dhabi (Foto: AFP))

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

1º) Valtteri Bottas – 7.5 – Fez uma bela apresentação em Abu Dhabi. Apesar de não ter feito nada particularmente brilhante, merece destaque por não ter cometido nenhum erro – nem mesmo quando era pressionado por Hamilton nas últimas voltas. Vai para 2018 mostrando que ainda pode ser o piloto que vimos no primeiro semestre.

2º) Lewis Hamilton – 6.5 – Não conseguiu repetir aquelas performances encantadoras que o levaram ao tetracampeonato com antecedência. A performance dominante nos treinos livres não o levou a lugar na classificação ou na corrida. Pouco para alguém que viveu uma temporada de 2017 quase perfeita.

3º) Sebastian Vettel – 6.5 – Com uma Ferrari que estava devendo muito para a Mercedes, conseguiu o melhor resultado possível e voltou a ser muito melhor do que Räikkönen. Vettel deixa Abu Dhabi sem motivos para ficar triste com o terceiro lugar, mas devendo ficar preocupado com um possível domínio da Mercedes no 2018 que vem por aí.

Felipe Massa deixou a F1 (Felipe Massa (Foto: Williams))

4º) Kimi Räikkönen – 5.5 – Ele esteve correndo? A sequência de pódios seguidos chegou ao fim com uma atuação típica de Räikkönen em 2017 – sem acompanhar Vettel e levando sufoco de piloto com carro mais lento, como Verstappen. Ainda há esperança de uma volta por cima?

5º) Max Verstappen – 6.0 – Quem esperava Verstappen brigando com força por pódio nos GPs do Brasil e de Abu Dhabi estava muito enganado. A Red Bull voltou ao normal no fim do ano, deixando o holandês de mãos atadas em Abu Dhabi. Mas é importante destacar que Max ficou devendo na disputa direta com Ricciardo, onde foi superado.

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

6º) Nico Hülkenberg – 7.5 – O motor Renault se comportou e permitiu um belo resultado do alemão. Hülk foi, com sobras, o melhor piloto do meio do pelotão e parecia destinado ao sexto lugar de um jeito ou de outro – mas não precisava cortar curva para superar o Pérez, né?

7º) Sergio Pérez – 6.0 – Fez o feijão com arroz, ou talvez nem isso. Mesmo sem nada em jogo, a Force India decepcionou por ficar atrás de uma Renault. Já serve como alerta para uma equipe que vai ter dificuldades para seguir como melhor do resto em 2018.

8º) Esteban Ocon – 5.5 – Em uma pista que conhece bem, não fez grande coisa. Ao contrário do que se viu no resto de 2017, Ocon fez uma corrida opaca e não foi uma ameaça ao companheiro Pérez. Pelo menos não cometeu erros notáveis.

9º) Fernando Alonso – 6.5 – Uma atuação bastante convincente. Não só voltou a mostrar bom ritmo como também teve velocidade para passar um carro com motor Mercedes – a Williams de Massa, algo que não foi possível em Interlagos. A parceria infernal entre McLaren e Honda se encerra de forma relativamente positiva, embora o saldo seja péssimo.

10º) Felipe Massa – 6.0 – Foi ao Q3 de forma inesperada, e esse provavelmente foi o ponto alto do fim de semana. Na corrida, Massa fez sua atuação padrão de 2017 – pontuou, mas pontuou pouco. Se despede da F1 com dignidade, mas sem brilho.

O crepúsculo da temporada foi em Abu Dhabi (Esteban Ocon no crepúsculo no Oriente Médio (Foto: Force India))

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

11º) Romain Grosjean – 6.5 – Terminou o sábado se queixando da dirigibilidade do carro, mas teve um domingo acima das expectativas. Aproveitou os problemas alheios e pilotou bem, fazendo uma bela ultrapassagem sobre Stroll e escalando o pelotão. Merecia um pontinho.

12º) Stoffel Vandoorne – 5.0 – Voltou a ficar muito distante de Alonso. Vandoorne fez um bom ano, mas não foi capaz de aproveitar a evolução recente da McLaren e completou cinco corridas sem pontos.

13º) Kevin Magnussen – 2.5 – A corrida em si não foi tão terrível, mas é bem chato rodar sozinho na largada e só superar pilotos de Sauber e Toro Rosso. Magnussen jogou fora suas chances de ponto e reforçou a imagem de piloto inconstante e propenso a incidentes.

14º) Pascal Wehrlein – 4.5 – Fez um trabalho digno naquela de aparenta ser sua última corrida na F1. Wehrlein superou o companheiro Ericsson e os pilotos da Toro Rosso, tudo dentro das condições da Sauber.

15º) Brendon Hartley – 3.5 – Nas outras corridas dava para culpar o motor, mas não é o caso de Abu Dhabi. O neozelandês fez uma classificação ruim e também não encantou na corrida, apesar de não fazer nada escandaloso. Vai para 2018 precisando melhorar bastante.

Lance Stroll e Romain Grosjean

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;
//pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js

16º) Pierre Gasly – 3.0 – A classificação minimamente decente não serve para nada quando se roda sozinho no meio da corrida. Gasly ficou devendo ainda mais do que Hartley no domingo e é outro que abre a próxima temporada ainda precisando mostrar a que veio.

17º) Marcus Ericsson – 3.0 – Disputou a 20ª corrida sendo tão irrelevante quanto nas primeira 19. Ericsson não foi rápido, mas pelo menos pode dizer que foi constante.

18º) Lance Stroll – 2.0 – Tudo bem que estava correndo com um motor mais acabado que a carreira do Kvyat, mas Stroll foi fraco demais. Seja na classificação ou na corrida, o canadense nunca chegou perto de Massa – que não chegou a ter um fim de semana mágico. Foi aquela incógnita que não víamos desde o primeiro semestre.

NC – Carlos Sainz Jr. – 5.0 – É bem verdade que ficou o tempo inteiro atrás de Hülkenberg, mas podia muito bem ter pontuado ou ao menos brigado com Massa. Foi eliminado da corrida por uma bobeira gigantesca da Renault.

NC – Daniel Ricciardo – 5.5 – A urucubaca saiu do Verstappen e foi para o Ricciardo, claramente. Mesmo sem fazer uma corrida genial, tinha tudo para terminar em quarto e superar o companheiro. Não conseguiu nenhuma das duas coisas por conta da falta de confiabilidade.

A chata corrida num lugar artificialmente bonito (Fernando Alonso (Foto: McLaren))
GP do Abu Dhabi – 1.5

Pouca coisa realmente digna de nota aconteceu durante o GP de Abu Dhabi. Teve Hülkenberg 'dando o golpe' e passando Pérez por fora da pista. Depois, uma briga entre Grosjean e Stroll por uma posição longe dos pontos e um par de abandonos importantes. Fora isso, a atenção pela despedida de Felipe Massa, novamente homenageado. Pouco para uma corrida longa num circuito que pode até ser bonita mas não faria falta alguma se sumisse amanhã.

Média: 6.4
 

Melhor: GP do Azerbaijão (10.0)

Pior: GP de Abu Dhabi (1.5)

 
(Valtteri Bottas (Foto: AFP))

Média da temporada 2017

1º) Lewis Hamilton – 8.1
2º) Sebastian Vettel – 7.9
3º) Daniel Ricciardo – 7.3
4º) Max Verstappen – 7.0
4º) Valtteri Bottas – 7.0
6º) Esteban Ocon – 6.7
7º) Sergio Pérez – 6.4
8º) Kimi Räikkönen – 6.3
8º) Nico Hülkenberg – 6.3
8º) Fernando Alonso – 6.3
11º) Paul Di Resta – 6.0
12º) Carlos Sainz Jr. – 5.9
12º) Felipe Massa – 5.9
14º) Stoffel Vandoorne – 5.5
15º) Romain Grosjean – 5.4
16º) Brendon Hartley – 5.3
17º) Pierre Gasly – 5.1
18º) Kevin Magnussen – 4.9
18º) Lance Stroll – 4.9
20º) Daniil Kvyat – 4.8
21º) Pascal Wehrlein – 4.5
22º) Marcus Ericsson – 4.2
23º) Antonio Giovinazzi – 4.0
23º) Jolyon Palmer – 4.0
25º) Jenson Button – 2.5

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”) (A largada em Yas Marina (Foto: AFP))

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar