Após “rali” em treino, diretor decide por mudanças em Baltimore. Pagenaud relata dores nas costas

Enfrentando os mesmos problemas do último ano, a direção de prova em Baltimore decidiu por mudanças na pista após a reclamação dos pilotos sobre solavancos durante as voltas rápidas. Simon Pagenaud, que quase voou na reta, afirmou que está com dores nas costas

O primeiro treino livre da Indy em Baltimore não foi dos melhores e, por problemas na pista, acabou sendo interrompido para evitar acidentes graves durante a atividade. Após a reunião entre direção de prova, pilotos e os responsáveis pela Indy, uma chicane será colocada depois da curva 12 para evitar que os carros tenham picos de alta velocidade no setor.

Além disso, mudanças na reta serão feitas durante a noite para evitar os solavancos que os pilotos enfrentaram durante a primeira sessão de treinos livres. O mesmo procedimento foi adotado na última temporada, quando os pilotos passaram por problemas semelhantes durante as atividades na pista que, à época, retornava ao calendário da Indy.

Diretor de prova, Beaux Barfield afirmou que testes foram feitos no último ano, mas que a decisão pela volta da chicane acabou sendo tomada logo após o início do treino livre, quando aconteceu o acidente de Charlie Kimball, da Ganassi.

Trabalho segue em Baltimore para deixar pista em condições para o segundo treino livre (Foto: Americo Teixeira Jr/Twitter)

"No ano passado, eu sei que aconteceram testes não oficiais realizados quando os pilotos tiveram algumas voltas claras e eles passavam reto na chicane, e os comentários de que era que poucos pilotos que tentavam contorná-la, entamos pensamos que seria apropriado voltar sem a chicane", disse Barfield.

"Então foi o que aconteceu e, imediatamente após a saída dos carros, o feedback que voltou para mim que não era factível [ficar sem a chicane]. Com base nas opiniões dos pilotos e do que vi no vídeo, terminei a sessão mais cedo para falar com alguns pilotos diretamente para ter uma opinião e chegar a um plano”, explicou.

Um dos pilotos mais afetados pelo problema, Simon Pagenaud confirmou que a pista está em um estado muito pior do que ele imaginou. "Foi pior do que eu pensava", disse o piloto ao site da revista ‘Autosport’. "Eu vi estrelas. Então, eu subi e caí, e toda a força bateu nas minhas costas. Estou em um pouco de dor”, confirmou o francês ao site ‘Speed’. "Na primeira volta, eu voei um pouco, mas segunda foi ainda pior. O perigo de lesões na coluna vertebral é grande”, explicou.

Já Ryan Briscoe elogiou o trabalho feito em alguns pontos da pista, mas condenou a organização da corrida por não fazer as mudanças pedidas na reta principal. "Eles fizeram um bom trabalho em outros lugares, mas, infelizmente, a mudança que nós pedimos (na reta) não foi feito. É uma vergonha", disse ele. "A maneira como as condições estão, algo ruim vai acontecer”, apontou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube