Indy

Após treinos livres equilibrados, Carpenter surge como favorita para pole da Indy 500 ao lado de trio de gigantes

Os treinos livres para as 500 Milhas de Indianápolis sequer deixaram claro qual montadora está na frente. Em um cenário bem equilibrado, as três principais equipes do grid parecem bem próximas, com a Carpenter prometendo se meter na briga pela pole com seu trio de pilotos

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
A semana de treinos livres para as 500 Milhas de Indianápolis foi marcada por muito equilíbrio. Chevrolet e Honda tiveram seus momentos na ponta, mas nenhuma das duas deu qualquer mostra de superioridade. Assim sendo, as diferenças foram criadas por cada uma das equipes, com quatro delas surgindo como as principais favoritas à pole deste domingo.
 
Sem maiores surpresas, as três gigantes do grid estão novamente pintando como fortes candidatas à posição de honra, mas têm uma velha conhecida aparecendo como grande concorrente: a Carpenter, cujo dono da equipe foi o pole da edição de 2018.
 
Os primeiros dias de treinos livres tiveram mais trabalho de simulação de corrida do que propriamente de classificação, Foi na Fast Friday que os times cuidaram mais dos acertos para a definição do grid, andando bastante sem vácuo. E, novamente, as quatro surgiram na frente das demais, ganhando ainda a companhia de Graham Rahal, de uma RLL que pode ser considerada a quinta na lista de favoritismo para a pole.
Alexander Rossi tem andado muito a semana toda (Foto: IndyCar)
Analisando cada um dos quatro times com melhores chances de começar a Indy 500 na frente, aparece uma Ganassi extremamente dependente de Scott Dixon. Não é só porque o neozelandês é o atual campeão, mas Felix Rosenqvist deu uma bela paulada na quarta-feira e não parece estar com a confiança muito elevada.
 
Na Andretti, Conor Daly e Marco lideraram a Fast Friday, mas foi Alexander Rossi quem andou todos os últimos dias no topo - ou perto dele - da tabela das marcas registradas sem auxílio do vácuo. Ryan Hunter-Reay nunca pode ser descartado, enquanto Zach Veach não deve sequer chegar ao Fast Nine.
Ed Jones foi o mais rápido sem vácuo na Fast Friday (Foto: Indycar)
Passando para a Penske, é possível dizer que os quatro pilotos são fortíssimos candidatos tanto à pole quanto ao Fast Nine. Pelo histórico, Helio Castroneves e Will Power estão na frente, mas Simon Pagenaud e Josef Newgarden podem muito bem superá-los.
 
Enquanto isso, na Carpenter, Ed e Spencer Pigot tentam repetir 2018 indo para a fase decisiva da classificação. Na oportunidade, o terceiro carro do time também chegou lá, com ninguém menos que Danica Patrick. Em 2019, é o pouco experiente Ed Jones quem faz a função em parceria com a Scuderia Corsa, mas foi justamente ele que liderou sem vácuo na Fast Friday com 230.106 mph, na frente de Carpenter, Rossi, Power e Pagenaud.
 
Então, se a briga para fugir da eliminação no Bump Day promete ser das melhores, a disputa por vagas no Fast Nine e, consequentemente, pela pole não fica atrás. E é bom que ninguém se espante se tivermos três ou quatro equipes dominando as três primeiras filas do grid do último domingo de maio.
 

 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.