Indy

Após troca de carro com Alonso, Johnson admite interesse na Indy. Só que em circuitos mistos

Jimmie Johnson gostou do teste que fez com a McLaren de Fernando Alonso no Bahrein e mostrou-se interessado na Indy para daqui alguns anos. No entanto, o americano deixou claro que quer disputar provas em circuitos mistos
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Jimmie Johnson trocou de carro com Fernando Alonso (Foto: Reprodução/Twitter)
Jimmie Johnson tem interesse em estar na Indy em poucos anos. Heptacampeão da Nascar, o americano trocou de carro com Fernando Alonso em um teste no Bahrein e gostou da experiência de guiar um monoposto, a ponto de se imaginar na Indy. Só que em circuitos mistos, não nos ovais que tanto está acostumado.
 
Johnson tem contrato com a Hendrick na Nascar até 2020 e já ficou perto de participar das 500 Milhas de Indianápolis, mas não é esse seu objetivo. O #48 quer mesmo algo diferente e, para isso, pretende correr nos mistos em algumas provas.
 
"Sem dúvida tenho interesse. 2020 é meu último ano de contrato com a Hendrick e eu já estive próximo da Indy 500 várias vezes. Só que não fico tão animado assim para correr nesses ovais, mas acho que meu nome e meus relacionamentos podem me colocar em algumas corridas em mistos na Indy", disse.
 
 
Jimmie acredita que a experiência que teve nas 24 Horas de Daytona também pode ajudar, já que os protótipos têm suas semelhanças com os monopostos.
 
"Já tive uma experiência próxima anos atrás, terminando em segundo as 24 Horas de Daytona duas vezes guiando protótipos e eu adoraria voltar a fazer algo próximo disso. Está tudo em aberto. Estou longe de estar acabado, quero seguir guiando e espero que eu tenha boas oportunidades", seguiu.
Jimmie Johnson e Fernando Alonso no Bahrein (Foto: Reprodução/Twitter)
O norte-americano de 43 anos ainda aproveitou para criticar a maneira como os pilotos têm sido encaminhados para apenas uma especialidade, algo que, segundo ele, não acontecia no passado.
 
"Sinto que os pilotos precisam resolver muito jovens se querem correr de monopostos ou turismo e isso não parece justo. Vejo meus heróis do passado, Parnelli Jones, Mario Andretti, Dan Gurney, Emerson Fittipaldi, esses caras corriam de tudo e não acho que estavam perdidos. Depois deles, ou você é monopostos ou você é turismo. Acho que um cara com a mente aberta pode tentar mudar de direção. Vimos alguns pilotos de monopostos sendo competitivos ao tentarem a Nascar. Não com os nossos resultados, mas competitivos. E o contrário ainda não aconteceu e acho que precisa", completou.