Indy

Bandeira amarela ajuda e faz Herta vencer pela primeira vez em excelente estreia do GP de Austin

Em uma estreia espetacular do GP de Austin no calendário da Indy, Colton Herta saiu vitorioso. O novato da Harding teve grande ritmo e ainda viu uma bandeira amarela surgir na hora certa para deixar Will Power e Alexander Rossi para trás

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
O GP de Austin provou ser uma grande adição ao calendário da Indy logo em sua estreia. Neste domingo (24), a prova teve de tudo, com ótimas disputas, ultrapassagens em diversos pontos da pista e até vitória de um piloto novato. Com uma bandeira amarela surgindo na hora certa, Colton Herta foi de terceiro para primeiro e se tornou o mais jovem a triunfar em uma corrida da categoria aos 18 anos.

Herta foi destaque na pista desde a pré-temporada e também foi muito bem na classificação. Na corrida, largou bem e tinha tudo para fechar o pódio, mas um incidente entre Felix Rosenqvist e James Hinchcliffe fez o americano, que já havia feito a última parada, superar os então líderes Will Power e Alexander Rossi.

Josef Newgarden teve uma exibição bastante discreta, mas com mais uma boa estratégia e desempenho na preservação do equipamento. Com ritmo interessante, o campeão de 2017 chegou em segundo, sem ter como acompanhar Herta, mas segurando bem os ataques finais de Ryan Hunter-Reay, que fechou o pódio.

Graham Rahal, que era o detentor do recorde de mais jovem vencedor da Indy, teve uma corrida bem ao seu estilo, com bastante briga e ultrapassagens, chegando na quarta colocação. Sébastien Bourdais, que passou o final de semana todo se queixando da falta de ritmo, foi um dos maiores sortudos com a amarela e ainda foi quinto.

Marco Andretti e Takuma Sato tiveram tardes bem parecidas com o que viveu Bourdais e chegaram logo atrás do francês, com um excelente novato Pato O'Ward levando a capenga Carlin ao oitavo lugar. Rossi, depois do tremendo azar, ainda chegou em nono, com Jack Harvey obtendo o segundo top-10 em duas provas em 2019.

Scott Dixon, outro que foi pego pela bandeira amarela, chegou em 13º, logo atrás de Tony Kanaan, que brigou muito e conseguiu passar metade do pelotão após largar em último. Punido por um pit-stop fora de hora já na reta final, Matheus Leist foi 17º.
Colton Herta venceu o GP de Austin (Foto: Indycar)
Confira como foi o GP de Austin

A largada para o GP de Austin aconteceu às 14h43 (em Brasília). Will Power saiu muito bem e se defendeu da ponta, com o pelotão da frente se encrencando bastante na curva 1. Scott Dixon parecia pronto para pular para segundo, mas tomou uma fechada de porta de Alexander Rossi e, assim, despencou para sexto.
 
Assim, Colton Herta pulou para terceiro, na frente de Ryan Hunter-Reay, enquanto Felix Rosenqvist também tomou uma trancada de porta e desceu para oitavo, logo atrás de Pato O'Ward e Josef Newgarden, que não largou exatamente bem.
 
Na frente de Matheus Leist, que fez sua parte bem comportado na largada, Zach Veach tentou partir para cima de Graham Rahal, forçou o toque e foi parar na brita, basicamente dando adeus a qualquer tipo de possibilidade na prova. Tony Kanaan passou Jack Harvey e aparecia em 22º.
 

Depois do fervo que foi a largada, a prova seguiu correspondendo ao que todos esperavam e as brigas por posições seguiam no pelotão inteiro. Na volta 3, Rossi botou de lado logo no primeiro setor e quase conseguiu superar Power, sempre com defesas eficientes.

Com ritmo impressionante, Herta conseguia cercar muito de perto os dois primeiros colocados e já começava a abrir uma certa folga para Hunter-Reay. Dixon era outro que ia ficando, enquanto O'Ward já recebia ataques de Newgarden e Rosenqvist.

Apesar da expectativa de alta degradação em Austin, os pit-stops começavam bem antes do esperado. Na volta 7, Marcus Ericsson abriu os trabalhos, sendo seguido pelo companheiro James Hinchcliffe, Takuma Sato, Spencer Pigot, Sébastien Bourdais e Simon Pagenaud.
 
O primeiro dos líderes a parar foi Newgarden, na volta 9. O fato de ter ido aos boxes uma volta antes dos rivais diretos O'Ward, Rosenqvist e Ferrucci foi o suficiente para que o americano ganhasse terreno. Aliás, a Carlin foi extremamente lenta com o mexicano novato.
 
Muito rápido no retorno para a pista, Josef ainda conseguiu ganhar a posição de Hunter-Reay e ficar próximo de Herta, sendo claramente o vencedor da primeira janela de paradas. No segundo stint, Herta iria de pneus duros, ficando mais exposto aos ataques rivais.
 
Power, Rossi e Dixon foram juntos aos boxes e largaram a liderança provisória para Rahal. Dos três, apenas Rossi colocou os pneus macios, mas, na volta à pista, foi atacado por Herta e perdeu a posição.
 

O que se viu foi que a estratégia de esticar o stint não foi uma boa e os pilotos foram voltando no meio do pelotão em brigas que não eram deles. No reposicionamento, Power, Herta, Rossi, Newgarden, Hunter-Reay, Rosenqvist, Ericsson, Hinch, Ferrucci e O'Ward - depois de manobra maravilhosa em Rahal - ocupavam o top-10.

As ultrapassagens e disputas seguiam acontecendo, O'Ward superava Ferrucci para pular para nono e, lá na frente, os três primeiros desenhavam uma grande briga. Herta já aparecia menos de 1s atrás de Power e Rossi conseguia a mesma coisa com Herta. Dixon, em 13º, tentava reagir e se tocava com Sato e Jack Harvey.
 
Chamava a atenção o ritmo bem pouco animador da Ganassi. Além de Dixon ter ficado empacado em 13º atrás de Pigot, Rosenqvist perdia contato com Hunter-Reay e, de quebra, era superado pelo compatriota Ericsson, que fazia excelente corrida. Hinch e O'Ward também não perderam tempo atrás de Rosenqvist.


A estratégia de Rossi de ter um pneu mais macio que o dos rivais não vinha dando resultado até a volta 22, quando Herta fritou e abriu a brecha para Alexander partir para cima. Com calma na aproximação e ousadia na manobra, Rossi foi por fora do traçado para ganhar a segunda colocação.

A segunda rodada de paradas começava, para a galera da primeira metade do pelotão, na volta 25. As duas Schmidt Peterson, Rosenqvist e O'Ward faziam as honras, com o mexicano sendo prejudicado pela falta de velocidade da Carlin, mais uma vez. 
 
Os líderes esticavam um pouco mais e, desta vez, Newgarden conseguia cortar a distância para Herta, que não voltava tão próximo assim de Rossi, também perdendo terreno para o líder Power. Para Hunter-Reay, pior ainda, ficando entre os dois carros da Schmidt Peterson, vendo Ericsson entrar no top-5.
 
Enquanto Jones e Ferrucci se enroscavam e quase acabavam com suas corridas, O'Ward voltava a brilhar e tirava Hinch do sétimo lugar sem tomar o menor conhecimento. Na metade das 60 voltas, o top-10 tinha Power com 3s2 para Rossi, 4s1 para Herta, 8s6 para Newgarden, 12s4 para Ericsson, 14s9 para Hunter-Reay, 19s5 para O'Ward, 20s3 para Hinchcliffe, 21s1 para Rosenqvist e 25s3 para Rahal.

Dixon tentava retomar a posição em cima de Rahal, mas esbarrava em uma falta de ritmo de momento da Ganassi. Mais para frente, quem não sofria com isso era a Andretti, com Hunter-Reay passando Ericsson após boa briga.

Uma amarela localizada apareceu no 33º giro, com Rosenqvist rodando logo após passar Hinchcliffe. Melhor para Dixon e Rahal, que subiam para oitavo e nono, respectivamente.

Ao seu melhor estilo, como se nada tivesse acontecendo, Dixon começava a escalar o pelotão e já superava O'Ward, ocupando a sétima colocação e partindo para cima de Ericsson. Na volta 37, Scott já aparecia na frente do sueco e parecia ter margem para mais.

Os dois garotos que mais chamavam a atenção na corrida começavam a perder um pouco de ritmo no terço final de prova. Pato perdeu também a posição para Rahal e caiu para nono, enquanto Herta perdeu totalmente contato com Power e Rossi.

A última rodada de paradas nos boxes começava na volta 42 e a movimentação era intensa, com direito a um enrosco entre Ericsson e Pigot, que saía e entrava dos boxes, respectivamente. Herta, Newgarden e Hunter-Reay foram juntos para suas paradas e tudo mudaria no giro seguinte.
 

Numa briga louca por posição dentro e fora do traçado normal, Rosenqvist e Hinchcliffe se encontraram. O canadense tocou o sueco e o #10 foi com tudo no muro perto da entrada dos boxes. Bandeira amarela na pista e vibração na Harding, com a chance real de Herta virar líder com os ponteiros tendo de parar.

Rosenqvist abandonou na hora, estatelado no muro, mas Hinch não teve uma sorte tão melhor, com a roda bem comprometida no local do toque.
 

Quando Power, Rossi e Dixon foram para os boxes, as coisas ainda podiam ficar piores para o australiano, que parecia ter a corrida nas mãos antes do acidente de Hinch e Rosenqvist. O carro #12 morreu e não ligava mais, em mais um golpe de azar danado recente de Power. 

O safety-car ficava bastante tempo na pista e o pelotão se alinhava para relargar na volta 51 com o top-10 formado por Herta, Newgarden, Hunter-Reay, Rahal, O'Ward, Bourdais, Andretti, Jones, Sato e Harvey. Rossi era 13º e Dixon vinha em 14º.

Veio a relargada e Herta fez uma ótima defesa dos ataques de Newgarden, enquanto Hunter-Reay também conseguiu trancar as investidas de O'Ward. O mexicano ainda perdeu a posição para Bourdais, enquanto Andretti se defendeu com classe de Sato.

Herta foi abrindo vantagem na frente e dando passos cruciais para sua primeira vitória na Indy. Tentando desesperadamente a reação. Dixon e Rossi se envolveram em incidentes com Veach e Pagenaud e não conseguiam sair da zona do 13º lugar.

Com Herta conseguindo abrir boa margem na frente e os líderes pouco brigando, as voltas finais ficavam interessantes pela reação de um Rossi tomado pelo ódio. O americano foi remando e arrancando todo mundo da frente até voltar ao top-10, mas queria mais. 

Herta só fez confirmar a vantagem e venceu a prova com maestria, sem nem tomar muitos sustos. Newgarden segurou um Hunter-Reay que vinha quente e Rossi, espetacular, ainda conseguiu chegar em nono. Kanaan, com ótimo trabalho, segurou Dixon e foi 12º.

Indy, GP de Austin, Classificação final

1 C HERTA Harding Honda 2:00:00.000 60 voltas
2 J NEWGARDEN Penske Chevrolet +2.718  
3 R HUNTER-REAY Andretti Honda +3.231  
4 G RAHAL RLL Honda +8.061  
5 S BOURDAIS Dale Coyne Honda +15.402  
6 M ANDRETTI Andretti Honda +19.849  
7 T SATO RLL Honda +22.147  
8 P O'WARD Carlin Chevrolet +23.263  
9 A ROSSI Andretti Honda +23.528  
10 J HARVEY Meyer Shank Honda +23.953  
11 S PIGOT Carpenter Chevrolet +24.384  
12 T KANAAN Foyt Chevrolet +27.057  
13 S DIXON Ganassi Honda +31.068  
14 E JONES Carpenter Chevrolet +35.660  
15 M ERICSSON SPM Honda +36.231  
16 J HINCHCLIFFE SPM Honda +36.770  
17 M LEIST Foyt Chevrolet +39.262  
18 K KAISER Juncos Chevrolet +46.236  
19 S PAGENAUD Penske Chevrolet +55.038  
20 S FERRUCCI Dale Coyne Honda +1:53.688  
21 M CHILTON Carlin Chevrolet +1 volta  
22 Z VEACH Andretti Honda +2 voltas  
23 F ROSENQVIST Ganassi Honda +5 voltas  
24 W POWER Penske Chevrolet +14 voltas NC