Barrichello afirma que KV enfrenta dificuldades de adaptação ao novo carro da Indy em 2012

Rubens Barrichello afirmou que as dificuldades de adaptação com o carro da Indy são um dos motivos para a temporada decepcionante que vive em sua estreia na categoria em 2012

Em uma temporada bastante irregular em 2012, Rubens Barrichello acredita que a briga que a KV enfrenta para se adaptar ao chassi DW12 da Dallara, implantado neste ano na Indy, é um dos principais motivos para a falta de resultados expressivos na estreia na categoria norte-americana. O piloto de 40 anos já manifestou a vontade de deixar a KV, equipe que divide com o amigo Tony Kanaan, depois de um ano decepcionante.

O ex-piloto da F1 admitiu que esperava uma temporada mais competitiva e deixou claro que gostaria de defender um time com impulsionado com motor Honda. "Não tem sido uma temporada dos sonhos", disse Barrichello. "Eu sinto quase como se eles tivessem mantido o carro do ano passado. Eles possuem o conhecimento sobre o carro e muitas outras coisas e, embora eu tenha testado muitas coisas, eu não sei se a equipe tem uma boa base de acerto para conseguir uma melhor posição de largada", disse.

Barrichello apontou dificuldades no trato com o novo carro da Indy (Foto: INDYCAR/USA)

"Então, nós estamos sempre tentando buscar isso e a única razão pela qual o Tony tem tantos resultados excelentes é que ele tem sido fantástico nas relargadas, além de conseguir se manter longe das confusões. Quando você está na frente, é muito mais fácil segurar as pessoas, poupar combustível e tudo mais", explicou.

Regularmente, Barrichello inicia os finais de semana muito forte, especialmente durante os treinos livres, mas a performance não se confirma durante as corridas. O brasileiro, cujo melhor resultado até agora foi um sétimo lugar no oval de Iowa, reconheceu que tem enfrentado dificuldades com relação à configuração do carro diante das mudanças nas condições da pista. "Quando a pista não está tão emborrachada, nós somos melhores", declarou.

"Mas assim que o asfalto fica mais emborrachado, nós temos mais dificuldades. Além disso, brigamos um pouco mais com as ondulações. E essa provavelmente é a razão pela qual não estamos sendo tão competitivos quanto gostaríamos. Se o campeonato fosse realizado na Europa, tudo bem que o carro é diferente, mas eu conheço as pistas. Agora, eu vou para uma pista em que não sei direito como é contra pessoas que correm ali 11 anos. É um campeonato muito competitivo", completou.

"Os circuitos são seletivos, têm ondulações. E isso significa que você precisa estar 100% familiar com o carro. Você não tem os aquecedores de pneus, direção hidráulica. Mas eu já me acostumei com isso. Por isso, continuo dizendo que, se eu tivesse oito corridas e voltasse aos mesmos lugares, então teria um desempenho melhor", finalizou.

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube