Ilott diz que primeira impressão da Indy foi de fim de semana “sobrecarregado”

Callum Ilott está animado com a chegada para valer na Indy. O piloto inglês avaliou o que percebeu da categoria em 2021

PORSCHE E AUDI: EM VEZ DE SOLUÇÃO, PROBLEMA PARA A F1?

É verdade que Callum Ilott virá algo como um novo começo em 2022, como piloto titular ao longo de toda a temporada da Indy, na qual defenderá a Juncos. Mas o inglês teve o gostinho de estrear na categoria por três provas no ano passado e tirou algumas impressões. Uma delas é que os fins de semana são bastante lotados na categoria dos Estados Unidos, segundo falou em entrevista exclusiva ao GRANDE PRÊMIO.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Além de todas as complicações de um calendário de fim de semana recheado, Ilott elogiou a qualidade do grid e fez um apanhado geral do que aprendeu.

“Não foi fácil, certamente. É uma categoria muito competitiva, mas o que eu pude perceber é que são fins de semana muito tomados. Foram alguns dos fins de semana mais ocupados da minha carreira. No primeiro dia em Portland, tivemos um treino livre, a classificação e, então, outro treino livre. Você tem que entrar no ritmo muito rapidamente. Para mim, com um novo time e um novo carro, não foi fácil”, disse ao GP.

Callum Ilott vai correr pela Juncos em 2022 (Foto: Indycar)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram
Ilott mira em “nova história” na Indy e coloca F1 de lado: “Não vou caçar”

“Mas para levar o que aprendi para o ano que vem é uma categoria muito boa. O carro da Dallara é bom, fácil de controlar da perspectiva de engenharia. Mas, claro, com o trabalho dos motores de Chevrolet e Honda, fiquei muito impressionado. Muito competitiva, excelentes pilotos e o comportamento dos pneus facilita disputas impressionantes, escorregar e tal. Do ponto de vista do piloto, não é fácil”, seguiu.

Ilott também avaliou o carro da Indy. “Eu descreveria assim: é muito próximo da Fórmula 2. A única questão é que, com o pneu da Pirelli na F2, você não escorrega com o carro; na Indy, com os pneus dela, escorrega e está sempre brigando com o carro”, disse.

“Entendo quando dizem que é uma categoria complicada. Em Portland, para mim, fazia um ano desde que eu guiara um monoposto que não fosse o da F1. Foi um pouco chocante, mas bom”, finalizou.

A temporada da Indy começa no último fim de semana de fevereiro, na Flórida, com o GP de São Petersburgo.

PROST É DEMITIDO DA ALPINE. E AGORA, ELE TEM LUGAR NA F1?
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar