Indy

Campeão da Lights, Chaves é confirmado como piloto da Bryan Herta para temporada 2015 da Indy

Gabby Chaves é o mais novo colombiano no grid da Indy. Aos 21 anos, o atual campeão da Indy Lights foi confirmado nesta terça-feira (3) como piloto da equipe de Bryan Herta para a temporada 2015. No ano passado, time também contou com então campeão da Indy Lights, Jack Hawksworth
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Gabby Chaves, pole para a etapa de St. Pete (Foto: Indy Lights)
O grupo colombiano na Indy está um pouco maior: Gabby Chaves, atual campeão da Indy Lights, foi confirmado nesta terça-feira (3) como o piloto de Bryan Herta para a temporada 2015 da Indy.
 
Será o segundo ano seguido que a Herta terá como único piloto o atual campeão da categoria de jovens. Ano passado foi Jack Hawksworth quem estreou na Indy - vai guiar pela Foyt em 2015.
 
Animado, Chaves lembrou dos muitos colombianos no grid - são três já confirmados e mais Carlos Huertas e Sebástian Saavedra, que disputaram a temporada de 2014, ainda podendo ter seu lugar garantido. Mas como bom novato, ainda falou em "construir sua história".
Gabby Chaves está subindo de divisão (Foto: Indy Lights)
"Estou animado e honrado por ser o mais novo colombiano na Indy. Nosso país tem grande história no esporte, especialmente na Indy 500 com pilotos como Roberto Guerrero, Juan Pablo Montoya e Carlos Muñoz. Não posso esperar para construir minha própria história", falou.
 
Já o chefe, Herta, citou o feedback que Chaves deu no teste que fez em Sebring ainda em dezembro como fator importante. E imediatamente colocou o estreante na briga para ser Novato do Ano, prêmio vencido por Muñoz em 2014.
 
"Sua resposta foi impressionante. Gabby tem a habilidade e a mentalidade para ter um impacto real na Indy. Não vejo razão pela qual Gabby não pode ser um competidor top pela honra de ser Novato de Ano", disse Herta.
 
"Experiência recente mostrou que pilotos de ponta da Indy Lights fazem transição para a Indy com sucesso. Tivemos a oportunidade de trabalhar com alguns novatos nos últimos anos e acreditamos possuir ótimo ambiente para ajudar no desenvolvimento e atingir grandes resultados", seguiu.
 
Após o imbróglio que fez a Indy cancelar a etapa inicial da temporada, que seria em Brasília, o ano inicia em 30 de março, em São Petersburgo.
 
DE NOVO NA FRENTE

Sebastian Vettel, pelo segundo dia seguido, foi o mais rápido dos testes de pré-temporada da F1 em Jerez de la Frontera. O alemão, que agora defende a Ferrari, anotou uma volta em 1min20s984 ainda pela manhã na Andaluzia e não foi mais superado. Um excelente início para seu relacionamento com a Scuderia.
 
E como se repetir o líder já não fosse o bastante, a F1 também viu a Sauber outra vez na segunda posição. Desta vez, com o estreante brasileiro Felipe Nasr. Fazendo seu primeiro treino com a equipe suíça, o campeão da F3 Inglesa de 2011 colocou pneus macios na parte da tarde para saltar de quarto a segundo, com um tempo na casa de 1min21s867 — exatos 0s833 mais lento.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
AINDA NÃO DÁ

A Williams não está andando com o combustível da Petrobras em seus carros e não tem uma previsão de quando vai começar a fazê-lo.
 
Quando a parceria da estatal brasileira com a equipe inglesa foi anunciada, no início da temporada 2014 da F1, disseram que o combustível da Petrobras deveria retornar à categoria com a Williams em 2015. Desde então, a marca da companhia aparece nos carros devido a um acordo promocional.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO. 
VETTEL NA CABEÇA

A Red Bull surpreendeu a todos ao aparecer com o RB10 envolto numa pintura provisória camuflada em preto e branco para o primeiro dia de testes coletivos de pré-temporada neste domingo (1), em Jerez de la Frontera. O chefe da equipe, Christian Horner, explicou de onde veio a ideia do camuflado, mas sem entregar quando e de que forma o carro ficará quando a pintura oficial chegar.
 
Segundo Horner, a pintura foi inspirada num dos muitos capacetes utilizados por Sebastian Vettel enquanto na equipe: o vestido pelo tetracampeão no GP da Itália de 2014. E completou dizendo que é impactante e dificulta na hora de gente de fora da equipe tentar recolher informações detalhadas.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO. 
SIMPLESMENTE DIFERENTE

Fernando Alonso entende que a McLaren de 2015 é bem diferente daquela de 2007, quando o espanhol integrou pela primeira vez o time de Woking. Agora, o bicampeão vê uma equipe mais aberta e credita essa impressão aos novos nomes da esquadra inglesa, especialmente o do diretor de corridas, o francês Éric Boullier, e do projetista Peter Prodromou, ex-braço direito de Adrian Newey na Red Bull.
 
A primeira passagem do asturiano pela esquadra britânica foi bastante tumultuada e acabou antes do término do contrato. A briga pelo título com o então colega Lewis Hamilton e os constantes desentendimentos com Ron Dennis levaram Alonso a sair mais cedo, apenas um ano depois da estreia.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.