Indy

Castroneves atrás do quarto anel e Dixon pela regularidade: como chegam os pilotos das filas 4, 5 e 6 da Indy 500

O pelotão intermediário do grid de largada da Indy 500 2019 tem alguns bons nomes. Dentre eles se destacam: Helio Castroneves, que busca ser recordista de vitórias no prova, Tony Kanaan, tentando o melhor resultado pela Foyt, e Scott Dixon, que fatalmente fará uma prova de recuperação e manterá a regularidade

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
Dando continuidade à análise das expectativas de cada um dos pilotos para as 500 Milhas de Indianápolis deste domingo (26), o GRANDE PRÊMIO chega ao pelotão intermediário, passando pelas filas quatro, cinco e seis do grid.
 
E começamos justamente pelo grande nome do momento na categoria. Partindo da modestíssima 18ª colocação, Scott Dixon é, sim, um candidato a vencer a Indy 500
A forte fila 6 da Indy 500 (Arte: Rodrigo Berton)
Mesmo sem um retrospecto excelente na maior corrida do calendário, o neozelandês é o rei da regularidade e, ainda que não consiga triunfar mais uma vez, dificilmente sairá com poucos pontos da sexta etapa do campeonato, seguindo firme para brigar pelo hexacampeonato. Vale acompanhar de perto o que a Ganassi vai aprontar em estratégia e nos pit-stops.
 
Aliás, a sexta fila é das mais fortes em termos de resultados e qualidade dos pilotos. Graham Rahal parte de 17º e, mesmo ainda sem ter um grande dia na Indy 500 2019, é daquele tipo de competidor que cresce na hora da corrida. Caso fique longe dos problemas, é nome quase certo no top-10.
 
Abrindo a fila está Tony Kanaan, que busca a segunda vitória na Indy 500 pela modesta Foyt. A vitória pela também mediana KV anos atrás impulsiona o veterano, que ainda está em um time que trabalha basicamente única e exclusivamente por Indianápolis. A liderança no Carb Day não dá certeza de nada, mas a competitividade está ali. É bom ficar de olho em Tony, o top-10 parece bem plausível, por exemplo.
A fila 5 da Indy 500 (Arte: Rodrigo Berton)
James Davison parte da 15ª colocação, em um dos resultados mais surpreendentes da classificação. O australiano não é um novato em Indianápolis, mas sempre está naquela lista de potenciais acidentes. É muito rápido, deve ter um carro bem competitivo, mas precisa tomar cuidado. Se tomar, tem tudo para obter seu melhor resultado na Indy 500.
 
Largando em 14º, Takuma Sato era tratado de um jeito antes de vencer a Indy 500 de 2017 e, agora, merece ser tratado de outro. Muito rápido em ovais, o japonês pode ser uma das surpresas da prova, ainda que não pareça ter tantas chances quanto o companheiro Rahal, que larga pouco atrás.
 
Marcus Ericsson é o segundo rookie em melhor posição de largada em 2019. O sueco deu um verdadeiro baile em Hinchcliffe e mostrou adaptação bem rápida aos ovais. O desafio aqui vai ser entender todos os procedimentos de uma prova no tipo tão diferente de pista. Relargadas, disputas acirradas, tudo isso deve pesar para Marcus, mas já será uma estreia positiva se fugir de acidentes e passar perto do 13º lugar.
A fila 4 da Indy 500 2019 (Arte: Rodrigo Berton)
Ninguém no grid das 500 Milhas de Indianápolis de 2019 tem um peso na prova igual ao de Helio Castroneves. Em busca do quarto anel e, consequentemente, do recorde de vitórias na corrida, o brasileiro tem a poderosa Penske como grande arma para o sucesso. Mesmo largando atrás dos companheiros, está em boa posição para atacar, é, certamente, um candidato ao triunfo.
 
No quarto carro da Andretti, Conor Daly é mais um da série: vai para o muro ou para o pelotão da frente? Largando em 11º, tem totais condições de incomodar o pelotão da frente, mas também é candidato a causar bandeira amarela. Certamente tem, com um time tão poderoso, sua melhor chance na Indy 500.
 
Marco Andretti tem uma das mais famosas maldições do automobilismo para tentar, mais uma vez, derrubar. Membro de uma das famílias mais vitoriosas de todos os tempos, Marco quer levar o clã a um triunfo no IMS 50 anos depois de seu avô, Mario, conquistar o seu único anel. Com um lindo carro em homenagem ao de Mario, Marco também terá material para tal e, mesmo devendo bastante há anos, pode ser considerado um postulante a vencer.


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.