Castroneves diz que queria ver "osso duro de roer" Power na F1 e aprova mudanças na Penske: "Precisava"

Em São Petersburgo, onde já venceu três vezes, Helio Castroneves se prepara para o início da nova temporada da Indy. O brasileiro chega animado, diz que está “na balada” para brigar pelo título e elogia seu companheiro de equipe, Will Power: “O cara é um osso duro de roer”

Foi de carona com o piloto da Penske Helio Castroneves que a reportagem do Grande Prêmio chegou até o circuito montado nos arredores da Marina de São Petersburgo e no Aeroporto Albert Whitted para iniciar a cobertura da primeira etapa da temporada 2013 da Indy. Durante o percurso do hotel para a pista, que durou pouco mais de dez minutos, Castroneves, o motorista da vez, falou sobre suas expectativas para este novo campeonato, para o qual chega “animado” com suas chances de título e com a reestruturação interna de sua equipe. “Só vai ajudar”, disse.

Ao contrário do que vinha acontecendo desde 2009, a Penske terá somente dois carros em 2013. A equipe dispensou Ryan Briscoe e manteve Castroneves e o australiano Will Power, que conquistaram os melhores resultados recentes do time. Além disso, o comando técnico também mudou, com o antigo engenheiro do brasileiro, Ron Ruzewski, sendo promovido ao posto de engenheiro-chefe. O novo responsável pelo carro de Helio é Jonathan Diuguid, que trabalhava com Briscoe até o ano passado.

O GP pegou carona com Helio Castroneves nesta manhã (Foto: Américo Teixeira Jr.)

“Estou chegando animado [para a nova temporada]! Temos algumas mudanças internas na equipe, estou com um engenheiro novo depois de seis anos, e a equipe diminuiu de dois para três carros, então tem alguns mecânicos diferentes. Mas isso não vai mudar na performance, só vai ajudar”, elogiou o paulista. “Acho que precisava ter uma mudança. Essa mudança foi feita agora, o pessoal entendeu, e agora as chances são ainda maiores”.

A reestruturação, porém, não vai influir diretamente no desempenho dos carros na pista, afirmou Helio. O que aumentam são as chances de vitória e título. “Por quê? Porque quando você tinha três carros, três pilotos bons, um piloto acabava tirando a chance de outro, porque o equipamento é bom. Um ganha uma corrida, outro acaba chegando em segundo, e são pontos que acabam fazendo falta”, argumentou.

Em 2012, Castroneves terminou a temporada na quarta posição, com 431 pontos e duas vitórias. Power foi vice pelo terceiro ano seguido ao ser batido por Ryan Hunter-Reay por apenas três pontos na última corrida, as 500 Milhas de Fontana, em setembro. No campeonato que começa neste domingo (24), o brasileiro se vê na briga junto desses dois pilotos e da dupla da Ganassi, Scott Dixon e Dario Franchitti. “Eu estou na balada”, avisou. “O que a gente quer nesse ano não é só ser constante, é ser constante mais na frente, terminar mais entre os três primeiros, entre os cinco primeiros para ter mais oportunidades de vencer corridas."
 

As informações em tempo real direto de São Petersburgo
A volta virtual em São Petersburgo
Especial Indy 2013

Mas, como diz o velho ditado, o primeiro adversário a ser batido é o companheiro de equipe, e “o cara é um osso duro de roer”, admitiu. “[O Power] realmente é um talento excepcional no circuito misto e no circuito de rua. Engraçado que ele é um cara até que meio desajeitado, parece meio descoordenado, mas quando coloca o capacete, se torna excepcional. Vai ser uma briga muito acirrada”, disse Castroneves. “Eu juro que até gostaria de vê-lo na F1 porque ele é um grande piloto e ia dar muito trabalho para o pessoal lá”, completou.

Para este fim de semana, a meta não poderia ser outra: vencer novamente em São Petersburgo. O desempenho de Castroneves nas oito edições anteriores da corrida disputada na região da Marina Municipal o credencia como favorito: vencedor em 2006, 2007 e 2012, ele é o único que subiu ao alto do pódio mais de uma vez por aqui. “Essa é uma prova muito interessante porque é uma pista que tem uma reta muito longa, mas um miolo apertado. Não tem muitos segredos em relação à parte técnica, mas é relativamente rápida. Estou empolgado para defender essa vitória do ano passado”, falou.

O ambiente também agrada. “No hotel, você vê que o pessoal já está falando de corrida, as pessoas ficam te olhando. Quando a cidade dá esse suporte, abraça o evento com as duas mãos, fica mais legal. É gostoso vir para um lugar assim”, arrematou Castroneves.

Ele é um dos três brasileiros inscritos para a abertura da temporada 2013 da Indy. Além dele, estarão na pista também Tony Kanaan, da KV, e Bia Figueiredo, que fará sua primeira corrida pela Dale Coyne.

O Grande Prêmio acompanha ‘in loco’ a abertura da temporada 2013 da Indy, em São Petersburgo, com o repórter Renan do Couto

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube