Indy

Clauson-Marshall assina com Mann e participa pela primeira vez das 500 Milhas de Indianápolis

Fundada para homenagear Bryan Clauson, que morreu em um violento acidente em um oval de terra em 2016, a Clauson-Marshall vai fazer sua primeira aparição na Indy 500 em 2019 e, para tal, fechou com Pippa Mann no comando do #39
Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
A Indy 500 teve mais uma inscrição confirmada nesta quarta-feira (27). A equipe novata Clauson-Marshall confirmou presença na principal prova do calendário e anunciou que Pippa Mann é a pilota escolhida para guiar o carro de número #39.

A Clauson-Marshall foi fundada em 2016, em homenagem a Bryan Clauson, lenda dos ovais de terra e ex-participante da Indy 500, que morreu naquele mesmo ano. Bryan tinha apenas 27 anos e se acidentou violentamente em um oval de terra no Kansas. 
 
Então, pela memória do filho, seu pai Tim Clauson juntou esforços com Richard Marshall e criou o time, focado para corridas em ovais de terra e, agora, expandindo horizontes para a maior prova do automobilismo norte-americano.
A Clauson-Marshall fará sua estreia na Indy 500 2019 com Pippa Mann (Foto: Reprodução/Twitter)
"Em 2012, tive o privilégio de ver o meu filho correr a Indy 500 pela primeira vez. Agora, temos a honra de ter um carro no maior espetáculo do automobilismo mundial. Estamos ainda mais honrados por ter uma parceria com a Driven2SaveLives. É muito bom ter a Pippa conosco e queremos ajudá-la a disputar a prova depois do que aconteceu em 2018", comentou Tim.
 
A britânica Pippa tem 35 anos e já participou de sete edições da Indy 500. Na última, porém, não se classificou, sendo excluída no Bump Day ao lado de James Hinchcliffe na formação do grid com o limite de 33 carros. O melhor resultado da pilota no IMS foi um 17º lugar com a Dale Coyne em 2017.
 
"Estou muito agradecida por essa oportunidade de ir para a Clauson-Marshall na primeira Indy 500 deles. É bem mais do que apenas uma inscrição, é uma participação emocionante para mim. O número #39, o patrocínio e ver que Tim, Richard e Stanley Ross acreditam em mim", falou a pilota.