Com pista seca no final, Briscoe crava melhor tempo em último treino livre. Castroneves fica em terceiro

O último treino livre para o GP de Baltimore começou com pista molhada e com muitas dificuldades para os pilotos, mas o asfalto foi secando com o passar da sessão e Ryan Briscoe acabou com o melhor tempo

O início do último treino livre em Baltimore foi complicado para os pilotos, que enfrentaram a pista molhada, muitas dificuldades para manter o carro na pista e quatro bandeiras vermelhas neste sábado (01). Mas as condições foram melhorando aos poucos e, nos dez minutos finais, o asfalto estava completamente seco e Ryan Briscoe conseguiu a marca de 1min19s763, e ficou com a primeira colocação na atividade.

A sessão foi tão equilibrada, que Mike Conway foi superado por Briscoe por apenas 0s001 e acabou na segunda colocação. O brasileiro Hélio Castroneves ficou com a terceira colocação, com Takuma Sato, Sébastien Bourdais, Simon Pagenaud, Ryan Hunter-Reay, Scott Dixon e Justin Wilson completando dos dez melhores.

Ryan Briscoe foi o melhor no último treino livre (Foto: IndyCar/LAT USA)

Rubens Barrichello foi apenas o 13º e não repetiu o bom resultado de ontem, quando ficou na quarta colocação. Substituindo Josef Newgarden na Sarah Fisher, Bruno Junqueira ficou na 23ª colocação, à frente apenas de Ed Carpenter e EJ Viso.

O treino classificatório do GP de Baltimore acontece ainda na tarde de hoje.

Confira como foi o terceiro treino livre

Logo com dois minutos de sessão e com a pista muito molhada, Takuma Sato entrou bem devagar e, por incrível que pareça, não bateu. Quem acabou se acidentando com poucos minutos de atividade foi Simona de Silvestro, o que causou a bandeira vermelha.

Mas não demorou muito para que a pista fosse liberada e mais pilotos se arriscassem a tentar uma volta rápida. E, claro, Will Power deu o ar da graça, marcou 1min36s161 e assumiu a liderança da sessão pouco depois dos dez minutos de atividade. Simon Paganaud vem mostrando que pode atrapalhar Power neste final de semana e vem fazendo um bom final de semana.

Porém os pilotos tiveram outra paralisação: EJ Viso bateu no muro próximo da curva 1 e a bandeira vermelha foi acionada mais uma vez pela organização da etapa. Outro carro que ficou parado na pista foi a Penske de Hélio Castroneves. Único brasileiro a entrar na pista nos primeiros minutos de treino, Tony Kanaan ocupava a sétima colocação antes da paralisação da atividade.

Com pouco mais de meia hora para o final, a direção de prova autorizou o reinício do treino. E Bruno Junqueira saiu das últimas colocações e subiu para 14ª posição. Os pilotos estavam tomando muito cuidado ao guiar o carro na pista, já que as condições não estavam lá muito boas.

Kanaan conseguiu superar a marca de Power, fez 1min36s028 e pulou para primeiro. E mais pilotos deixaram o australiano para trás, como Pagenaud, que tirou o brasileiro da primeira colocação, e Mike Conway. Mas antes que Viso batesse mais uma vez e a sessão fosse interrompida de novo, Ryan Hunter-Reay assumiu a ponta ao ser 1s069 mais rápido que a marca anterior.

James Hinchcliffe e Conway foram os primeiros a voltar à pista assim que a atividade recomeçou. E os dois pilotos assumiram às duas primeiras posições, com o piloto da Andretti na primeira posição. Os tempos estavam melhorando e Barrichello fez a melhor volta faltando 19 minutos para o final.

Mas o brasileiro estreante na categoria viu nada menos que quatro pilotos superá-lo, incluindo Conway, que subiu para a primeira colocação. Quem apareceu na parte final da sessão foi James Jakes. Ao cravar 1min32s612, ele assumiu a ponta da sessão faltando 15 minutos para o final.

Terceiro, Castroneves ficou atrás apenas de Briscoe e Conway (Foto: IndyCar/LAT USA)

A pista estava melhorando cada vez mais e Kanaan foi o primeiro piloto a ultrapassar a casa do 1min31s e ser 0s645 mais rápido que Power, o segundo colocado até então. E com o circuito praticamente seco, Hinchcliffe voltou a ocupar a primeira colocação, com marca de 1min28s173. E ele baixou ainda mais, para 1min26s291.

Faltando nove minutos para o final, o circuito já apresentava as condições de treino para pista seca. E o primeiro a se aproveitar disso foi Hunter-Reay, que marcou 1min22s435. E o vice-líder do campeonato diminuiu seu tempo para min21s594, e trouxe Barrichello, que assumiu a segunda colocação.

O equilíbrio foi a marca dos cinco minutos finais de atividade em Baltimore, com vários pilotos se revezando na primeira colocação. Se a melhor marca da sexta-feira (31) foi na casa de 1min21s, Ryan Briscoe cravou nada menos que 1min19s763 nos segundos finais e ficou com o melhor tempo. No fim, JR Hildebrand ainda bateu e o treino acabou com a quarta bandeira vermelha na pista.

Indy, GP de Baltimore, Treino livre 3:

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube