Conway toma carro de Bia, deixa Hunter-Reay para trás e vence corrida 1 em Detroit. Helio é quinto

O britânico conquistou a segunda vitória na categoria ao fazer uma estratégia em usar o pneu duro durante boa parte da prova e deixando para usar o macio, no final, quando tinha a vantagem do ar limpo

Se você tivesse dinheiro para participar de apenas algumas corridas da Indy, o melhor seria escolher as provas em que você tem alguma chance de vencer, certo? E foi justamente isso que Mike Conway fez. Fora da categoria desde se recusar a participar das corridas de ovais no fim do ano passado, o britânico entrou na vaga de Bia Figueiredo neste fim de semana e mostrou que nos mistos não tem para ninguém. Com uma atuação dominante, o piloto da Dale Coyne conquistou, neste domingo (1º), a vitória na etapa de Detroit.

Essa é a segunda vitória do britânico na categoria, que já havia triunfado também em Long Beach, há dois anos. Para receber a bandeira quadriculada na frente, Conway apostou em uma estratégia de usar os pneus duros durante a maior parte da prova, tendo aberto uma vantagem de cerca de 20s, para o atual campeão, Ryan Hunter-Reay.

Mike Conway recebe a bandeirada em Detroit (Foto: John Cote/IndyCar)

Depois, quando colocou os pneus macios, o britânico permitiu a aproximação do americano, mas a vantagem era tão grande, que ele conseguiu receber a bandeira quadriculada na frente. Justin Wilson, que também conseguiu ganhar posições com a mesma estratégia do compatriota, terminou em terceiro, colocando os dois carros da Dale Coyne no pódio.

Scott Dixon fechou em quarto, seguido por Helio Castroneves, que precisou se defender dos ataques de Dario Franchitti nos giros finais. Josef Newgarden surpreendeu e foi o sétimo colocado. Will Power, Graham Rahal e James Jakes fecharam o top-10.

Confira como foi a primeira corrida da Indy em Detroit:

Logo na largada, Conway assumiu a primeira colocação ao tracionar melhor que Ernesto Viso, que havia saído na pole-position. Ryan Hunter-Reay também ganhou uma posição, seguido por Alex Tagliani e James Jakes. Um pouco mais atrás, A.J. Allmendinger acabou ensanduichado por Scott Dixon e Justin Wilson, voando em direção ao muro de proteção e acionando o safety-car. Com o carro avariado, o neozelandês da Ganassi se dirigiu aos boxes para fazer a troca da asa traseira.

Com a pista liberada, Conway manteve a ponta, com RHR vindo logo atrás. Tagliani era o terceiro e Will Power, o quarto, após também ultrapassar Viso. O venezuelano, aliás, começou a perder posições rapidamente por causa de um problema na pressão do turbo do motor. Outro que também despencava na classificação era Tristan Vautier.

Enquanto isso, pouco a pouco Conway foi chegando nos retardatários, que já haviam feito a parada nos boxes. Hunter-Reay seguia em segundo, com Tagliani se aproximando, mas sempre preocupado com Dario Franchitti, na alça de mira. Helio era o sétimo, enquanto Tony Kanaan conseguiu alcançar o top-10.

Mike Conway (Foto: John Cote/IndyCar)

Na volta 25, as primeiras posições foram bem modificadas. Enquanto Conway foi para os boxes, Alex Tagliani errou a tangência de uma curva e ficou preso atrás das proteções. Entretanto, a situação ficou ruim mesmo para Takuma Sato. Vencedor em Long Beach, o nipônico chegou a andar entre os três primeiros, mas acabou parado na pista por causa de uma pane seca.

Com isso, o safety-car foi acionado mais uma vez. Para não perder tempo, quem ainda não havia aparado foi aos boxes para fazer o primeiro pit-stop da prova. Na relargada, a ordem era Ryan Hunter-Reay, Conway, Power, Franchitti e Helio. Kanaan aparecia em nono.

O problema é que a bandeira verde demorou a voltar a se acionada. Lembra o problema de Tagliani mais cedo?  Então, a situação piorou para o canadense. Mesmo com o carro de segurança na pista, ele acertou a barreira de pneus e foi obrigado a abandonar por ter destruído a parte da frente do equipamento.

Com a corrida restabelecida, Hunter-Reay manteve a ponta, enquanto Franchitti espremeu Power para tomar o terceiro posto. Os dois chegaram a se tocar, mas o escocês seguiu firme. Helio Castroneves também tentou passar o companheiro de equipe, mas teve a porta fechada. Assim, o brasileiro passou a ser ameaçado por Justin Wilson, mas conseguindo manter a quinta posição. Tony Kanaan, por sua vez, já era o sétimo.

Mais uma vez a corrida não teve muito tempo em bandeira verde, já que Sebastián Saavedra acabou acionando o safety-car novamente. O colombiano acabou tocado por Marco Andretti e foi parar na barreira de pneus. Irritado com o adversário, o piloto da Dragon mostrou-lhe o dedo do meio antes de deixar a prova.

Com a pista liberada, Power retomou a posição em cima de Franchitti e mais uma vez Helio tentou se aproveitar, mas dessa vez o brasileiro escolheu a tangência errada da curva e perdeu diversas posições. Além de ganhar o posto do piloto da Penske, Wilson também deixou Franchitti para trás e começava a abrir caminho para uma possível dobradinha da Dale Coyne.

Justin Wilson comemora com Mike Conway (Foto: John Cote/IndyCar)

Enquanto a briga no meio do pelotão ainda estava acontecendo, Conway não só colou em Hunter-Reay, que sofria com os pneus macios, como também conseguiu a passagem na volta 44. A diferença de rendimento entre os dois era tamanha, que o britânico abriu 13s de diferença em apenas quatro voltas. Outro que começara a se arrastar era Will Power.

Por causa da queda de rendimento de alguns carros devido aos compostos, os pilotos começaram a última janela de paradas. Tony foi aos boxes na volta 48, assim como Marco Andretti. Power e Franchitti vieram no giro seguinte, enquanto Hunter-Reay parou na 50. O pit-stop de Conway, Dixon e Helio aconteceu na 53 e o Justin Wilson, três voltas mais tarde. Depois, só faltou Tristan Vautier e James Hinchcliffe para a ordem se restabelecer.

Com todo mundo pronto para seguir até o final, Mike Conway retomou a ponta, detendo uma vantagem de cerca de 20s para Hunter-Reay. Wilson, que perdeu tempo nos boxes, aparecia em terceiro, com Dixon e Castroneves completando o top-5.

Já calçado com os pneus vermelhos, Conway começou a sofrer a degradação. Entretanto, o piloto tinha uma vantagem tranquila para RHR e pôde receber a bandeira quadriculada na frente. No final, Ryan Briscoe bateu no muro de pneus faltando apenas três voltas, mas a bandeira amarela foi apenas local, e a corrida seguiu até o final.

Indy, Detroit, corrida 1:

1 Mike CONWAY ING Dale Coyne Honda  1:48:45.430 70 voltas
2 Ryan HUNTER-REAY EUA Andretti Chevrolet    
3 Justin WILSON ING Dale Coyne Honda    
4 Scott DIXON NZL Ganassi Honda    
5 Helio CASTRONEVES BRA Penske Chevrolet    
6 Dario FRANCHITTI ESC Ganassi Honda    
7 Josef NEWGARDEN EUA Fisher Hartman Honda    
8 Will POWER AUS Penske Chevrolet    
9 Graham RAHAL EUA RLL Honda    
10 James JAKES ING RLL Honda +1 volta  
11 Tristan VAUTIER FRA Schmidt Peterson Honda +1 volta  
12 Simon PAGENAUD FRA Schmidt Peterson Honda +1 volta  
13 Tony KANAAN BRA KV Chevrolet +1 volta  
14 Charlie KIMBALL EUA Ganassi Honda +1 volta  
15 James HINCHCLIFFE CAN Andretti Chevrolet +1 volta  
16 Simona DE SILVESTRO SUI KV Chevrolet +1 volta  
17 Ernesto VISO VEM Andretti Chevrolet +1 volta  
18 Ed CARPENTER EUA Carpenter Chevrolet +1 volta  
19 Takuma SATO JAP Foyt Honda +3 voltas  
20 Ryan BRISCOE AUS Panther Chevrolet +4 voltas NT
21 Marco ANDRETTI EUA Andretti Chevrolet +4 voltas NT
22 Sebastián SAAVEDRA COL Dragon Chevrolet +38 voltas NT
23 Alex TAGLIANI CAN Bryan Herta Honda +52 voltas NT
24 Sébastien BOURDAIS FRA Dragon Chevrolet +61 voltas NT
25 AJ ALLMENDINGER EUA Penske Chevrolet +80 voltas NT

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube