Indy

De Ferran fala em experiência “dolorosa” e se desculpa com Alonso: “Não poderíamos ter pedido mais de você”

Diretor-esportivo da McLaren, Gil de Ferran se desculpou com Fernando Alonso por não ter dado a ele um carro rápido o bastante para assegurar vaga nas 500 Milhas de Indianápolis. Bicampeão da Indy, o brasileiro classificou a eliminação no Bump Day com a experiência “mais dolorosa” de sua carreira

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
 
Gil de Ferran se desculpou com fãs, parceiros e com Fernando Alonso pela eliminação no Bump Day das 500 Milhas de Indianápolis. O diretor-esportivo classificou a experiência de domingo (19) como a “mais dolorosa que já tive”.
 
Depois de uma parceria de bastante sucesso com a Andretti na estreia de Alonso na lendária corrida em 2017, a McLaren fez uma opção econômica e escolheu a Carlin como parceira para a segunda tentativa de chegar à Tríplice Coroa. 
 
Aliado a uma equipe de experiência reduzida em Indianápolis, Fernando não conseguiu superar Sage Karam, James Hinchcliffe e Kyle Kaiser e está fora da edição 2019 das 500 Milhas. Dos quatro carros da Carlin, aliás, o único que se classificou para a prova foi Charlie Kimball, especialista em ovais. Pato O’Ward e Max Chilton foram eliminados com Alonso.
 
Falando à imprensa após a eliminação, o diretor-esportivo da McLaren não escondeu a tristeza com o desfecho do Bump Day.
Gil de Ferran se desculpou com Fernando Alonso (Foto: Indycar)
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #18: Fake News! As mentirinhas nada inocentes do esporte a motor



  Ouça no Spotify
  Ouça no iTunes
  Ouça no Android
  Ouça no playerFM

“Esta foi uma experiência muito emocional e difícil, acho que não só para mim, mas para todo o time”, disse De Ferran. “Quero aproveitar essa oportunidade para me desculpar e agradecer os fãs, não só aqui nos EUA, mas globalmente, que acompanharam o nosso progresso. Li muitas coisas boas e algumas ótimas mensagens de todos os lugares. Então obrigado. E me desculpem por não estarmos na Indy 500”, seguiu.
 
O brasileiro exaltou o trabalho da equipe ao longo de toda a preparação para a prova e também se desculpou e agradeceu os parceiros da McLaren.
 
“Também quero me desculpar e agradecer o nosso time. Os rapazes trabalharam por vários meses e, particularmente, neste último mês foi um esforço tremendo para tentar vir aqui e fazer o melhor que podiam. Eles trabalharam todas as horas do dia”, exaltou. “E acho que essa é a principal mensagem que tenho para todo o time. Este é um esporte muito difícil. Nós, certamente, não subestimamos o desafio. Nós sabiamos que seria um desafio tremendamente duro. Já estive aqui antes. Já vi algumas pessoas incríveis não fazerem a corrida. Então nós com certeza estávamos muito cientes do quão difícil seria”, assegurou.
 
“Quero me desculpar e agradecer nossos parceiros, que foram fantásticos e nos deram um apoio incrível ao longo desta jornada. Também agradeço toda a comunidade da Indy, que, francamente, nos recebeu de braços abertos. Todos, desde os comissários, passando pelas equipes de segurança, todos os outros times, todas da e do entorno da Indy, não tivemos nada além de acolhida e muito apoio”, reconheceu.
 

Por último, De Ferran se desculpou com Alonso por ter oferecido um carro rápido o bastante. O brasileiro exaltou o bicampeão da F1 e reconheceu que a eliminação é a mais dolorosa experiência de sua carreira.
 
“Por ultimo, mas não menos importante, quero agradecer esse homem à minha esquerda [Alonso]. Quero me desculpar com você, porque não te demos um carro que era rápido o bastante”, falou. “Você sabe, você guiou como o campeão que sabemos que você é. Particularmente, esses últimos três dias foram incrivelmente tensos e muito difíceis, e não poderíamos ter pedido mais nada de você, Fernando. Então desculpa, cara. Você é um piloto incrível”, frisou. 
 
“Sabe, esta é, nos meus 35 anos nas corridas ― na verdade, alguns mais ― a experiência mais dolorosa que já tive”, resumiu. “Tem um misto de emoções dentro de mim, nós somos corredores. Nós respeitamos esse lugar, sabe. Este é um dos desafios mais duros no automobilismo. Quero voltar amanhã, sabe? Quero lutar. Quero voltar amanhã e lutar. Isso é incrivelmente doloroso”, insistiu.
 
Questionado se pretendia comprar uma vaga para a McLaren nas 500 Milhas, De Ferran seguiu a linha de Zak Brown e garantiu: “Não vamos fazer isso. Nós queremos merecer o nosso lugar no pelotão”.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.