Indy

De Ferran reitera “sentido em fazer” 500 Milhas de Indianápolis para McLaren: “O mercado é importante”

Gil de Ferran fez novos comentários sobre a participação da McLaren nas 500 Milhas de Indianápolis deste ano: e evitou falar em vitória como objetivo final, apenas que a equipe deseja ser competitiva

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
A participação da McLaren nas 500 Milhas de Indianápolis em 2019 tem outra razão de ser além da ajuda a Fernando Alonso em buscar a Tríplice Coroa - a prova, aliás, é a única que falta na conta do espanhol.

Para Gil de Ferran, há também um ponto mercadológico - e, por causa dele, vale a 'aventura' de se arriscar em apenas uma prova nos Estados Unidos.

"Para nós faz sentido fazer (a corrida). O mercado americano é importante para nós. A Indy é um bom caminho. Encaixa com os conhecimentos da McLaren. Estou encantado com a chance das pessoas em aproveitarem o que faremos", analisou ao site oficial da prova.

"Mas não é fácil. É difícil acertar uma operação para uma corrida só. Tentar estruturar tudo e fazer as coisas bem em duas categorias (junto a F1) não é simples", seguiu,
Gil de Ferran (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
O brasileiro evitou falaer em chances de vitória e preferiu ver a "competitividade" como objetivo principal da equipe na pista.

"Acredito que juntamos um bom grupo de pessoas, recursos e conhecimento em pouco tempo. Tento ajudar Bob Fernley (chefe da operação na Indy) de toda maneira possível, não só pelo que conheço da Indy mas também como coordenador da McLaren, para nos ajudar a sermos o mais competitivos o possível na corrida deste ano."

Por fim, ele comentou que espera ver uma multidão atrás de seu piloto, Alonso: "Deixa eu pensar", afirmou, quando questionado sobre a loucura que deve ser, para o público, ver o espanhol de perto.

"Acho que teria que voltar à década de 1960, quando ou não havia nascido, ou era muito jovem, para entender o impacto dele na mídia e entre os fãs", completou.