Indy

Dixon segura trio da Andretti, confirma domínio da Honda e vence primeira corrida da rodada dupla de Detroit

A primeira prova do GP de Detroit teve um novo passeio da Honda. Melhor para Scott Dixon, que acertou também na estratégia e superou o trio da Andretti formado por Ryan Hunter-Reay, Alexander Rossi e Marco Andretti. Tony Kanaan chegou em 14º e Matheus Leist foi 15º
Warm Up / GABRIEL CURTY, de São Paulo
 Scott Dixon venceu a corrida 1 em Detroit (Foto: IndyCar)

Scott Dixon venceu mais uma corrida ao seu estilo. Neste sábado (2), o neozelandês aproveitou o domínio da Honda, não errou na estratégia e soube poupar bem o equipamento para, segurando o trio da Andretti, vencer pela primeira vez em 2018 e, consequentemente, voltar à briga pelo título.

Apesar de ser o primeiro triunfo no ano, o neozelandês chegou a 42 vitórias na Indy, o que representa a terceira colocação na lista de maiores vitoriosos empatado justamente com Michael Andretti.

O trio de força da Andretti chegou logo atrás de Dixon. Em tarde inspirada, Ryan Hunter-Reay acertou na tática também e chegou em segundo, com Alexander Rossi novamente tendo a manobra do dia e completando em terceiro, virando líder do campeonato. Pole, Marco Andretti chegou em quarto e não encerrou a seca de pódios.

O domínio completo da Honda continuou nas próximas duas colocações. Takuma Sato teve sua melhor atuação em 2018 e chegou em quinto, seguido por Ed Jones, no segundo melhor resultado com as cores da Ganassi.

Comprovando a ótima forma, Will Power foi o melhor da Chevrolet mais uma vez. O australiano chegou em sétimo, segurando Robert Wickens. Josef Newgarden e Spencer Pigot também colocaram a montadora americana no top-10. Não foi uma tarde de glórias para a Foyt e Tony Kanaan foi 14º, seguido por Matheus Leist.
Scott Dixon venceu a corrida 1 em Detroit (Foto: IndyCar)
Confira como foi a corrida 1 do GP de Detroit

A largada para a corrida 1 do GP de Detroit aconteceu às 16h48 (em Brasília). Apesar de uma forte pressão de Scott Dixon, Marco Andretti manteve a ponta, com Robert Wickens perdendo lugar e depois recuperando contra Alexander Rossi pelo top-3.
 
Pouco atrás, Takuma Sato e Graham Rahal passavam Will Power na briga pelo sexto lugar, enquanto Spencer Pigot entrava no top-10 e Josef Newgarden subia para 12º, seguido por Tony Kanaan. Matheus Leist seguia em 21º. 
 
Todo mundo optava por largar pelos pneus macios, a exceção era Rahal, que escolhia começar a corrida com os compostos mais duros, mas não sofria tanto assim nos giros iniciais para se manter no pelotão. Lá na frente, Marco recebia pressão de Dixon.
 
Pigot passava Hinch e virava nono colocado, enquanto Newgarden e Leist resolviam antecipar a primeira janela de paradas logo na volta 5. Hinch era mais um a antecipar a ida aos boxes e seu companheiro Wickens sofria na frente, perdendo lugar para Rossi e Sato e logo indo também para o pit-stop.
Ryan Hunter-Reay fez grande corrida e foi segundo (Foto: IndyCar)

A estratégia da Penske com Newgarden parecia ter dado certo. O americano rapidinho já estava junto com Hunter-Reay e, depois de uma linda manobra, na frente de Wickens, driblando o canadense por fora.
 
Bourdais, apagado na prova, cometeu um erro meio tosco e passou batido na curva, perdendo lugares para Charlie Kimball e Santino Ferrucci, logo depois sendo atacado por Hunter-Reay, que já havia parado e era o 'líder' nessa estratégia. Na frente, Andretti e Dixon tiravam bastante o pé e já tinham a pressão de Rossi e Rahal.
 
A volta 20 chegava com ainda 11 pilotos sem ter parado, um deles René Binder, lanterna da prova. Hunter-Reay já aparecia em 11º 22s atrás de Marco, indicando que poderia incomodar com a estratégia. Sato e Veach paravam na volta 21.

Sato retornava para a pista em 13º, enquanto Rossi, Andretti e Power iam para os boxes logo depois. Dixon conseguia alongar mais uma volta e isso já era o bastante para o neozelandês bater o americano. Rahal era o último dos ponteiros a ir aos boxes e também ganhava lugar em relação a Andretti e Rossi.

Newgarden, que já aparecia no bolo, parava pela segunda vez, deixando a briga. A nova ordem tinha Hunter-Reay - em estratégia diferente - na frente seguido por Dixon, Rahal, Andretti, Wickens, Rossi, Kanaan, Jones, Sato e Power.
Alexander Rossi voltou ao pódio em Detroit (Foto: IndyCar)
Quando Hunter-Reay finalmente ia para os boxes pela segunda vez na volta 32, Dixon e Rahal pulavam para a ponta. Mas o americano estava muito bem na parada e voltou em terceiro, conseguindo resistir aos ataques de Andretti e Rossi. Jones, Sato e Power apareciam atrás, com Newgarden já em nono na estratégia de Hunter-Reay.

A corrida passava da metade e Hunter-Reay encostava em Rahal, dando mostras fortíssimas de que seria o grande rival de Dixon nas voltas finais. Os dois americanos apareciam 13s9 atrás de Dixon e 9s na frente de Andretti e Rossi.
 
Binder rodou e ficou com o carro parado forçando uma bandeira amarela localizada. Aquilo era a chave para mudar a corrida. Os ponteiros foram todos aos boxes, com apenas Rahal ficando e, duas voltas mais tarde, batendo bem forte no muro e agora sim, forçando uma bandeira amarela.
 
Apenas Kimball, Kanaan, Chilton, Leist, King e Chaves não tinahm feito a última parada quando a amarela definitiva de Rahal apareceu e, assim, teriam de se reposicionar, muito provavelmente, no fundo do pelotão.
Takuma Sato teve seu melhor resultado de RLL (Foto: IndyCar)
Quando estes foram aos boxes, com 20 voltas para o fim e em amarela, a ordem ficou: Dixon, Hunter-Reay, Andretti, Rossi, Jones, Sato, Power, Newgarden, Pigot e Wickens, com Kanaan em 11º e Leist em 19º.

A bandeira verde veio com 17 voltas para o final com Hunter-Reay se defendendo de Marco e Marco se defendendo de Rossi. Logo atrás, Sato mergulhava para superar Jones e virar quinto. Pouco depois, o japonês evitou bem o troco, mas causou uma confusão que fez Pigot perder o nono lugar para Wickens.
 
E aí rolou um acidente bizarro com Ferrucci, que passou atravessado em altíssima velocidade ao lado do pelotão e deu na barreira de pneus. No fim, o estreante havia sido tocado por Kimball por trás e apenas ficou sem ter o que fazer. Mais uma amarela e nova promessa de relargada movimentada com poucos giros para o fim.

A relargada veio com dez voltas para o final e Andretti tentou passar Hunter-Reay, mas acabou ficando vulnerável para Rossi. Aí Alexander deu seu show e, por fora, fez linda manobra pisando no freio tarde para superar o companheiro de equipe.
 
Lá no fundo, Kimball caía para último ao receber um drive-through pela batida na traseira de Ferrucci, enquanto Leist pressionava Bourdais para tentar virar 14º. A Chevrolet e a Penske seguiam se arrastando e Newgarden era superado por Wickens.
 
Nas voltas finais, nada mudou no grupo da frente, com Dixon tendo boa margem para Hunter-Reay e Rossi e triunfando pela primeira vez em 2018. Logo atrás, Andretti segurou Sato e salvou a quarta colocação.

Indy, GP de Detroit, Corrida 1, Classificação final

1 9 Scott DIXON NZL Ganassi Honda   70 voltas
2 28 Ryan HUNTER-REAY EUA Andretti Honda +1.825  
3 27 Alexander ROSSI EUA Andretti Honda +4.177  
4 98 Marco ANDRETTI EUA Andretti Honda +11.519  
5 30 Takuma SATO JAP RLL Honda +11.876  
6 10 Ed JONES ING Ganassi Honda +13.765  
7 12 Will POWER AUS Penske Chevrolet +15.073  
8 6 Robert WICKENS CAN Schmidt Peterson Honda +21.472  
9 1 Josef NEWGARDEN EUA Penske Chevrolet +21.562  
10 21 Spencer PIGOT EUA Carpenter Chevrolet +21.952  
11 5 James HINCHCLIFFE CAN Schmidt Peterson Honda +22.316  
12 26 Zach VEACH EUA Andretti Honda +23.062  
13 18 Sébastien BOURDAIS FRA Dale Coyne Honda +23.344  
14 14 Tony KANAAN BRA Foyt Chevrolet +26.188  
15 4 Matheus LEIST BRA Foyt Chevrolet +26.547  
16 20 Jordan KING ING Carpenter Chevrolet +27.016  
17 22 Simon PAGENAUD FRA Penske Chevrolet +29.804  
18 88 Gabby CHAVES COL Harding Chevrolet +33.725  
19 23 Charlie KIMBALL EUA Carlin Chevrolet +34.091  
20 59 Max CHILTON ING Carlin Chevrolet +34.858  
21 32 René BINDER AUT Juncos Chevrolet +3 voltas  
22 19 Santino FERRUCCI EUA Dale Coyne Honda +15 voltas NC
23 15 Graham RAHAL EUA RLL Honda +25 voltas NC
 

 
PADDOCK GP ESPECIAL BAR DO ZÉ #1

AFINAL DE CONTAS, MÔNACO MERECE OU NÃO CONTINUAR NA F1?