Indy

Ericsson revela conversa “valiosa” com Wickens antes de GP de St. Pete: “Tê-lo aqui já é uma motivação”

Antes da abertura da temporada 2019 da Indy, Marcus Ericsson e Robert Wickens se encontraram para falar sobre as particularidades e St. Pete. O canadense, afastado das pistas por tempo indeterminado após grave acidente em Pocono, foi “valioso” para o estreante sueco

Grande Prêmio / Redação GP, de Berlim
Marcus Ericsson ganhou uma motivação de última hora para o GP de São Petersburgo, que abriu a temporada da Indy duas semanas atrás. Robert Wickens, antigo dono do carro hoje ocupado pelo sueco e afastado das pistas por tempo indeterminado por conta do grave acidente no GP de Pocono de 2018, fez questão de compartilhar experiências com o estreante da SPM. Para Marcus, além de uma chance de aprender mais sobre a categoria, foi a chance de se inspirar em alguém de “experiência valiosa”.
 
“Nós todos na equipe, eu incluso, ficamos muito felizes por ver o Robbie [Wickens] aqui”, disse Ericsson, entrevistado pela ‘Racer’. “Ele é uma grande inspiração com a luta que ele está atravessando nesse momento. Ele mantém nosso ânimo em alta e simplesmente tê-lo aqui já foi uma grande motivação para todo mundo. Isso foi muito, muito positivo”, seguiu.
 
“No aspecto técnico, ele foi muito útil para mim, principalmente nos dias antes da corrida. Eu tinha que pensar em muitas coisas antes da primeira corrida, e isso foi algo diferente do que eu estou acostumado”, continuou.
Robert Wickens fez aparição especial no paddock da Indy (Foto: IndyCar)
A aparição de Wickens no paddock da Indy não era esperada. O canadense ainda sofre as consequências de fraturas na região do pescoço, afetando a coluna vertebral. Foi só seis meses após o acidente de Pocono que o piloto conseguiu ficar de pé por conta própria – passo importante para cumprir o objetivo de dançar com a noiva Karli Woods no casamento, marcado para este ano.
 
Apesar da história de vida, o que valeu mesmo para Ericsson foi o feedback técnico de Wickens. O canadense brigou pela vitória em St. Pete em 2018, saindo derrotado após toque com Alexander Rossi na última relargada.
 
“Lá estava eu, sentado com o Robbie 15 minutos antes da corrida, conversando sobre as diferentes coisas que ele já atravessou. Perder a vitória na primeira corrida [em 2018], as relargada, entrar nos pits, sair dos pits, como ele lidou com as diferentes ferramentas no carro. Todos esses detalhes, que ele ia lembrando de cabeça sobre o ano passado, foram muito úteis para mim. Realmente me ajudou a ter a corrida forte que eu tive, certamente teve muita contribuição do Robbie, foi muito bom. Todos nós esperamos que ele apareça em mais corridas esse ano. A experiência dele foi muito valiosa”, apontou.
 
Apesar do contato com Wickens e da empolgação, Ericsson não foi muito longe em São Petersburgo. O canadense sofreu problemas mecânicos e abandonou na primeira corrida fora da F1.