Indy

Franzoni controla segunda corrida em Watkins Glen, vence de ponta a ponta e se torna campeão da Pro Mazda

Victor Franzoni é o campeão da Pro Mazda na temporada 2017. O piloto brasileiro terminou de forma brilhante um campeonato em que foi incrivelmente consistente, venceu sem maiores ameaças e relegou Anthony Martin ao segundo lugar
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Franzoni é campeão (Foto: Reprodução/Twitter)

Na hora da decisão, Victor Franzoni apareceu com a gana de quem sabia mais do que os rivais que era o momento de aparecer a resolver a questão. Após a pole e vitória no seco e no molhado no sábado, a corrida na manhã deste domingo (3) não deu margem para dúvida sobre quem merecia e deveria ser campeão da temporada 2017 da Pro Mazda. Franzoni venceu novamente e levantou o caneco.
 
A disputa pelo título estava apenas entre Franzoni e Anthony Martin quando a largada no molhado ainda bem cedo na manhã nova-iorquina foi permitida. Martin, de pronto, saiu do quinto lugar ao qual estava afastado e pulou para o terceiro lugar, mas Franzoni não se deixou atacar por Carlos Cunha e fugiu. 
 
Martin começou a perseguir e incomodar Cunha, sabendo que precisava de passar rapidamente se queria alcançar Victor. O campeão da USF2000, no entanto, rodou na curva quatro, quando andava muito rápido, e acabou perdendo contato com os dois primeiros colocados. Franzoni, impressionante, já abria 7s em relação a Cunha.
 
O segundo colocado do campeonato foi tirando a vantagem daí para a frente. Descontou a vantagem para Cunha para 4s, uma volta depois estava em 3s, na seguinte em 2s - sempre tirando 1s também em relação a Franzoni. Mas o australiano precisou mudar o estilo, porque estava cortando os limites da pista na curva um.
Franzoni é campeão (Foto: Reprodução/Twitter)
Quando os três se aproximavam, porém, Martin se atrapalhou novamente. Na Bus Stop, volta 11, Martin rodou. Mais 3s de desvantagem, agora tarde demais e com uma linha seca a seguir na pista para encerrar a corrida - Franzoni, naquele momento, abria 5s em relação ao segundo colocado. 
 
Cunha chegou a encostar, mas Franzoni respondeu com uma volta ainda superior a do rival. Cruzou a bandeira quadriculada com 1s6 de vantagem para Cunha, o seguundo colocado. Já bem atrás, resignado e vice-campeão, Martin ficou com o terceiro posto. Nikita Lastochkin, TJ Fischer, Sting Ray Robb, Matt Machiko, Kris Wright, Bobby EBerle e Jeff Green fecharam o top-10.

"Estou muito feliz, mas há muita coisa na minha cabeça agora. É inacreditável! Tanta gente me ajudou a entrar na temporada da Pro Mazda esse ano. Eu cresci cinco ou dez anos na minha carreira durante a temporada", afirmou. "A Juncos foi a diferença a meu favor, porque me deram um carro tão bom. A disputa com Anthony foi incrível. Ele é muito bom, eu tive de forçar sempre para acompanhá-lo. Estávamos tão perto em toda as corridas e levados ao limite a cada momento. Foi a temporada mais dura da minha vida, porque eu sabia que não podia errar. Nós dois fizemos um grande trabalho, e acho que merecemos avançar na carreira", seguiu.
 
"Havia tantas coisas na minha cabeça naquela última volta que não dava para focar. A equipe me avisou para ser cuidadosa na última bandeira branca e, do nada, eu não podia guiar. Quando vi a bandeira quadriculada foi ótimo. Saber onde eu estarei o ano que vem é a melhor coisa do mundo. Não ganhei só um prêmio em dinheiro hoje, ganhei esperança", encerrou. Franzoni vai correr na Indy Lights em 2018.
 
Franzoni fechou o campeonato com 351 pontos e uma consistência quase inacreditável. As vitórias nas três últimas corridas do campeonatos - rodada dupla em Glen e no Gateway - foram o fechamento ideal para um campeonato em que não ficou foram do top-2 em nenhuma situação. Em 12 corridas, foram sete vitórias e cinco segundos lugares.
ALONSO COLHE O QUE PLANTA E FICA SEM NOVAS ALTERNATIVAS NA F1 PARA 2018