Indy

Garoa reaparece e paralisa GP de Iowa. Newgarden lidera

O GP de Iowa tinha começado atrasado por causa da chuva e estava bem agradável até que, de novo, a garoa apareceu. Josef Newgarden liderava após 55 voltas quando a bandeira vermelha foi acionada

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
A Indy demorou, mas conseguiu fazer a largada do GP de Iowa nos primeiros minutos do domingo (21). Acontece que, já na volta 55, a chuva voltou e forçou a direção de prova a dar uma bandeira amarela que logo virou vermelha. Mais uma vez, ações interrompidas em Newton. O líder da prova era o ponteiro do campeonato Josef Newgarden.

O americano largou em terceiro e chegou a cair até para quarto, mas apertou o ritmo depois da amarela causada por Sage Karam e Felix Rosenqvist e foi ao topo do pelotão. Will Power, que dominou a maior parte dos 55 giros, vinha em segundo, com o pole Simon Pagenaud logo atrás.

Takuma Sato aparecia na quarta posição, na frente de um Alexander Rossi que ainda não parecia ter ritmo para poder competir com as Penske. Santino Ferrucci, dono de largada espetacular, vinha em sexto, com as Schmidt Peterson logo atrás com James Hinchcliffe e Marcus Ericsson.

Ed Carpenter e Spencer Pigot concluíam o top-10, enquanto Scott Dixon se arrastava na 16ª colocação. As Foyt viviam uma prova que prometia ser dramática como a de 2018 e por milagre ainda não tinham tomado volta, com Tony Kanaan em 18º e Matheus Leist em 19º.
Chuva dificulta a corrida da Indy em Iowa (Foto: Indycar)
Saiba como estava o GP de Iowa
 
Demorou, demorou muito, mas a largada da Indy em Iowa finalmente aconteceu quando o relógio apontava 0h51 (em Brasília). Foram quase cinco horas de atraso no cronograma original, tudo isso por causa de uma chuva que caiu com força perto da hora da largada e que seguiu aparecendo durante a secagem da pista.
 
O público foi bem menor do que o esperado, muita gente não voltou ao circuito depois de tanto tempo, mas os carros estavam lá e a pista, ao menos no traçado veloz, estava seca e pronta para ação após nada menos que seis voltas de apresentação.
 
Simon Pagenaud saiu muito mal e foi engolido por Will Power, enquanto Josef Newgarden também não começou legal e perdeu terreno para Takuma Sato. Não demorou para que o japonês superasse também o pole francês.
 
As primeiras voltas eram de ótimas brigas e velocidade bem interessante de quem tentava andar mais na linha de cima. Power, Sato, Pagenaud, Newgarden, Alexander Rossi, Santino Ferrucci, James Hinchcliffe, Marcus Ericsson, Scott Dixon e Colton Herta formavam o top-10. Ferrucci, aliás, foi dono de uma largada surreal, passando cinco carros rente ao muro.
 
15 voltas foram suficientes para que as Foyt já ocupassem as duas últimas colocações e os dois levariam rapidinho a primeira volta de Power, mas foram salvos pela primeira amarela. Sage Karam rodou sozinho e, tentando não ir ao muro, acabou sendo acertado por Felix Rosenqvist.
 
Nenhum dos dois abandonou ali, mas os danos em ambos os carros foram grandes e a dupla teve de ir aos boxes. O mesmo rolou com outros carros, que já tentavam nova tática de corrida. Era o caso de nomes como Ryan Hunter-Reay, Graham Rahal, Spencer Pigot, Matheus Leist e Tony Kanaan.

A relargada aconteceu na volta 25, com Newgarden aproveitando que já havia tirado Sato da frente e atropelando Pagenaud para virar segundo colocado. A ação seguia interessante com Carpenter passando Dixon para ser nono, mas pegava fogo de verdade no grupo liderado por Hunter-Reay, dos que já tinham parado.
 
O ritmo de Dixon era bem lento. O neozelandês ou estava guardando equipamento ou estava rumando para virar um retardatário porque, na volta 40, já não aparecia nem no top-15.
 
O 47º giro foi quando Power colou em Karam e Andretti para começar a dar voltas, mas ficou um tempinho preso atrás da dupla e perdeu toda vantagem que tinha para Newgarden. O americano passou de passagem e foi tentando abrir na liderança.
 
Só que aí, para voltar a complicar tudo, a garoa voltou. Bandeira amarela no ato e ainda restavam quase 100 voltas para que a corrida pudesse ser concluída. A chance de adiamento voltava a ficar grande com a vermelha sendo acionada.
 

Paddockast #25
Bênçãos e Maldições da Fórmula E


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.