GUIA 2020: Indy volta de longa espera com Penske favorita e rivais reforçadas

A temporada 2020 da Indy finalmente vai começar e chega com a novidade do aeroscreen e a expectativa para ver se o equipamento vai funcionar bem. Na briga pelo título, a Penske segue favorita, mas Andretti e Ganassi se movimentaram bem no mercado e devem surgir mais fortes que em 2019

Após uma espera de mais de oito meses — sendo quase três em razão da pandemia do novo coronavírus —, a temporada 2020 da Indy enfim vai começar neste final de semana com o GP do Texas em Forth Worth, cidade próxima a Dallas. Por isso, o GRANDE PRÊMIO resgata o texto de apresentação do campeonato com devidas atualizações.

O cronograma inicial previa 17 etapas, sendo cinco em ovais, cinco em circuitos de rua e outras sete em mistos. Com a paralisação de todas as atividades da categoria e os quase três meses de atraso no início dos trabalhos, o número caiu para 14, com direito a três rodadas duplas: Iowa, Elkhart Lake e Laguna Seca.

https://open.spotify.com/episode/3cBN8lszJglSW0RMihTZnf?si=vITSdW2LQxm4Zpt7hZGTSA
Paddockast #63 | COMO JORDAN, QUEM MERECE DOCUMENTÁRIO SOBRE O ADEUS?
Ouça também: PODCASTS APPLE | ANDROID | PLAYERFM

Agora, serão cinco provas em ovais, oito em mistos e apenas a final nas ruas de St. Pete, que era originalmente o palco da abertura da temporada lá em março. O desfecho do campeonato está previsto para outubro.

Ao todo, dez equipes já confirmaram presença na temporada toda, são elas: Penske, Ganassi, Andretti, McLaren, RLL, Dale Coyne, Carpenter, Foyt, Carlin e Meyer Shank. Outras duas, a DRR e a DragonSpeed, vão tentar realizar o máximo de provas que for possível, enquanto a Top Gun planeja fazer sua estreia na Indy 500 com RC Enerson.

Josef Newgarden vem de título em 2019 (Foto: IndyCar)

A transmissão no Brasil sofreu uma reviravolta de última hora. O Grupo Bandeirantes, casa tradicional da categoria, fechou um novo acordo e garantiu os direitos para a temporada 2020, em notícia veiculada em primeira mão pelo jornalista Américo Teixeira Jr., do GRANDE PRÊMIO. A emissora do Morumbi, assim, vai acompanhar a plataforma de streaming DAZN, que já estava confirmada para exibir a classe norte-americana.

Pensando nas corridas, o primeiro ponto que chama a atenção, naturalmente, é o uso do aeroscreen nos carros. A proteção de cockpit escolhida pela Indy foi intensamente testada durante os últimos meses e, em 2020, chega em definitivo. Ainda houve, porém, alguns problemas relacionados ao aquecimento dentro do carro e até o surgimento de goteira durante a pré-temporada. Não é, portanto, uma certeza absoluta de sucesso.

A primeira corrida com a grande novidade também tende a ser uma prova de fogo, já que os pilotos vão disputar a prova durante a noite, e vai ser a primeira oportunidade, em ritmo de corrida, de avaliar se os eventuais reflexos em razão da iluminação artificial poderão atrapalhar.

Na ordem de forças das equipes, é impossível tirar a Penske do posto de favorita, afinal, foi a campeã de 2019, teve ainda o vice e, de quebra, levou as 500 Milhas de Indianápolis.

No entanto, Ganassi e Andretti trabalharam para tentar reduzir a distância e se reforçaram no mercado: o time de Chip volta a ter um terceiro carro com Marcus Ericsson, enquanto a equipe de Michael e Mario adicionou Colton Herta, o novato sensação do ano passado, ao quinteto titular.

Scott Dixon é o comandante da Ganassi (Foto: IndyCar)

A McLaren chega de forma integral na vaga da Schmidt Peterson e parece uma boa aposta para liderar o pelotão intermediário, tendo como principais rivais a RLL, a Carpenter e a Dale Coyne. Em um primeiro momento, Foyt, Carlin e Meyer Shank aparecem mais para o fundo do pelotão.

Entre os pilotos, favoritismo natural do atual campeão Josef Newgarden, mas Scott Dixon, Alexander Rossi e Simon Pagenaud são três nomes muito fortes e que não podem ser tirados do primeiro grupo de candidatos ao caneco. Herta, Will Power, Felix Rosenqvist e Ryan Hunter-Reay são alguns dos pilotos que podem correr por fora na disputa, mas que ficam devendo em alguns pontos para o quarteto da frente.

Um dos principais países da história da Indy, o Brasil vai viver uma temporada bastante atípica, mas que acompanha o que já acontece há alguns anos na F1: não terá piloto no grid da categoria em boa parte da temporada, com Tony Kanaan, naquela que é a sua ‘Última Dança’ na categoria, presente apenas nos ovais e ganhando a companhia de Helio Castroneves na Indy 500. A expectativa é que Felipe Nasr, pela Carlin, possa participar de algumas etapas.

Aliás, vale um parágrafo único para a principal corrida do calendário. É bem verdade que as 500 Milhas de Indianápolis sempre foram consideradas na programação da Indy, mas com os cancelamentos que vieram em série, houve o temor da não-realização da prova. Pela primeira vez na história a corrida não vai acontecer no último fim de semana de maio, mas sim em agosto, no dia 23. A ideia da organização da categoria é que a corrida aconteça com portões abertos, ou seja, com público nas arquibancadas, mas ainda não há uma definição. O que já está certo é que, na programação para a dobradinha Indy-Nascar, prevista para o fim de semana da Independência, em 4 de julho, os fãs só vão poder ver as duas competições pela TV.

Agora que a espera está prestes a acabar, anote aí na sua agenda: a Indy abre seus trabalhos na temporada 2020 com as atividades todas concentradas no sábado, com treino livre, classificação e o GP do Texas a partir das 21h10 (horário de Brasília). Tudo com ampla cobertura do GRANDE PRÊMIO.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube