Indy

Hulman & Company anuncia venda da Indy e de Indianápolis para Penske

Conferência de imprensa nesta segunda-feira marcará passagem de bastão da categoria norte-americana e do mais famoso autódromo do mundo para as mãos da Penske Entertainment Corp, que assumirá as operações que antes eram da Hulman & Company

Grande Prêmio / GABRIEL CARVALHO, de Campinas
O grupo Hulman & Company — da família de Tony George, responsável pela cisão da Indy em IRL e Cart em 1996 — anunciou nesta segunda-feira (4) que está vendendo a operação da Indy e do Indianápolis Motor Speedway para a Penske Entertainment Corp, uma empresa subsidiária da Penske Corporation. A transação será fechada após recebimento de aprovações governamentais e outras condições.

Mark Miles, presidente e diretor-executivo da companhia, fez o anúncio oficial da negociação em uma coletiva de imprensa em Indianápolis junto de Roger Penske e Tony George.

A família Hulman era dona do complexo de Indianápolis desde 1945, a época do fim da Segunda Guerra Mundial. A Penske é a maior vencedora da Indy 500, com 18 triunfos, incluindo o deste ano com Simon Pagenaud.

"Recentemente, abordamos Roger Penske e a Penske Corporation sobre a possibilidade e começamos a desenhar o acordo. O IMS é o centro e catedral do esporte a motor desde 1909, e a família Hulman-George serviu a esta grande instituição por mais de 70 anos. Agora, estamos honrados em passar a tocha para Roger Penske e a Penske Corporation, que se tornam os quarto donos do autódromo. Ninguém é mais capacitado do que Roger e sua organização para liderar o esporte e o IMS para o futuro", declarou Tony George após a venda.
A coletiva para anunciar a chegada da Penske como dona do IMS e da própria Indy (Foto: Reprodução)
Na Indy 500 de 1994, a Penske viu uma brecha no regulamento para ter um dos mais controversos motores da história - e que seria uma das peças importantes no racha entre CART e IRL. É esta Penske que vira dona de tudo a partir de hoje.

"Minha paixão por corridas começou em Indianápolis, em 1951, quando fui pela primeira vez em uma Indy 500 com meu pai. Temos muito respeito e admiração pela história do circuito e pela Indy. Quero agradecer a Hulman & Company pela oportunidade de construir neste legado, será uma honra para a Penske Corporation ajudar estas instituições a avançar para uma nova era", disse o novo proprietário Roger Penske.

Roger também reiterou o desejo da entrada de uma nova montadora da Indy, e mostrou sonhos altos para a pista, como uma prova de 24h e até uma etapa da Fórmula 1. "Este negócio não está quebrado. Esse negócio é muito bom", disse o novo proprietário, que confirmou que se afastará do pit-wall da equipe Penske.
Roger Penske é o novo proprietário da Indy e do IMS (Foto: Reprodução)
Penske evitou comentar a respeito da ideia de ter vagas garantidas para equipes que correm a temporada toda na Indy 500 e diz que vai discutir isso com toda a direção da categoria - ou seja, se depender dele, vai seguir com essa ideia. Em relação ao conflito entre dono e chefe de equipe, afirmou que espera ter credibilidade suficiente para que isso não aconteça, e que todos vão falar imediatamente caso existe.

A possibilidade de uma dobradinha Indy-Nascar também foi abordada na coletiva. Roger tem equipe nas duas categorias, e admitiu que é uma boa ideia, citando que gostaria de correr esse risco mesmo com a probabilidade de perda.

O primeiro piloto a se manifestar foi Will Power, que corre pela Penske. "Que notícia incrível. O IMS e a Indy estão em grandes mãos. O amor de Roger pela Indy e pelas corridas não é segredo, então não consigo imaginar alguém melhor para tê-los adquirido. Acho que isso assegura o futuro do esporte e dá uma direção a ele. Isso é fantástico, e estou feliz de ser parte disso", disse no Twitter.

Na sequência, Patricio O'Ward, que volta à categoria pelas mãos da McLaren, deu "parabéns ao Capitão" depois de se revelar surpreso com a informação. "Estou 100% certo de que a Indy está em grandes mãos e não tenho dúvida de que ele vai fazer o campeonato crescer ainda mais para alcançar todo seu potencial. Meganotícia", falou o mexicano.

Nem Penske nem George entraram em detalhes de valores, do porquê da venda e do funcionamento da operação a partir de agora.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.