Hunter-Reay vê vitória na Indy 500 escapar no fim e lamenta bandeira amarela final: "Não pude acreditar"

Piloto da Andretti mostrou consistência para andar entre os líderes e vinha na primeira posição, mas foi superado por Kanaan na relargada após o acidente de Graham Rahal. Na sequência, Franchitti bateu e provocou interrupção que definiu resultado: "Foi má sorte"

Ryan Hunter-Reay foi o grande derrotado da edição de 2013 das 500 Milhas de Indianápolis. Seu resultado esteve longe de ser ruim para o campeonato – o piloto da Andretti cruzou a linha de chegada em terceiro –, mas diante da história da corrida deste domingo (26), perder a liderança a quatro voltas do fim e ainda ser superado por seu novato companheiro de time representa, sim, uma grande derrota para o norte-americano.
 
É verdade, também, que faltou um pouco de sorte ao atual campeão da Indy. Se Dario Franchitti não sofresse o acidente que provocou a derradeira bandeira amarela a quatro voltas do fim, Ryan teria a chance de recuperar as posições perdidas para Tony Kanaan e Carlos Muñoz. Foi exatamente isso, aliás, o que aconteceu ao longo de praticamente todas as 200 voltas: a troca incessante de posição entre os líderes, com Hunter-Reay entre eles.
Hunter-Reay perdeu a vitória nas voltas finais e foi apenas o terceiro (Foto: Carsten Horst/Grande Prêmio)
Chateado, o piloto parabenizou o vencedor da prova, mas não fez a menor questão de esconder sua enorme decepção com o resultado. 
 
"Um grande parabéns a Tony Kanaan. Ele esteve perto muitas vezes, teve azar e por alguma razão, a vitória nunca vinha. É um grande campeão, certamente merece isso. Mas, cara, eu estou muito desapontado", afirmou, logo após a prova.
 
"Acho que o #1 era o carro a ser batido hoje. Se estivéssemos no lugar certo e na hora certa, tenho certeza de que teríamos vencido. Aqui, as coisas são assim. Foi má sorte. Estávamos na liderança na última relargada, mas houve um acidente na curva 1 e a corrida estava acabada. É uma pena."
 
O piloto reconheceu o bom desempenho de seu carro e relatou como foi a comunicação entre ele e o chefe da equipe, Michael Andretti, nas voltas finais. "O ritmo de corrida foi ótimo durante todo o dia. Apenas trabalhamos com nossos companheiros de equipe. Trabalhei com vários caras de confiança por perto, você sabe", explicou. 
 
"Foi muito divertido. Mas nas últimas voltas, Michael me chamou no rádio dizendo: 'Faltam sete voltas para o fim', e eu pensei: 'Este é o nosso dia, temos que fazer isso acontecer', mas veio a bandeira amarela. Não pude acreditar naquilo."
 
"Fomos um dos carros mais fortes. É lamentável, mas é assim que funciona. Toda a equipe Andretti fez um grande trabalho durante todo o mês. Obrigado a todos os fãs por terem vindo, e parabéns, Tony", finalizou Hunter-Reay, o triste.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube