carregando
Indy

Ida da Ferrari para Indy seria boa para os dois lados, mas risco de dar errado é grande

Ao ser perguntado por Victor Martins, durante o Paddock GP #197 desta semana, Gabriel Curty entende que uma eventual ida da Ferrari para a Indy pode ser muito boa e muito importante para as duas partes. Mas o jornalista defende que a fábrica italiana entre como fornecedora de motor, mas sem concorrer com a Dallara nos chassis

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
A declaração recente de Mattia Binotto, chefe de equipe da Ferrari, de sinalizar com a possibilidade de a marca italiana ingressar na Indy, animou os amantes do automobilismo. A escuderia de Maranello já flertou com a categoria norte-americana e chegou a construir um carro nos anos 1980, mas o modelo jamais percorreu um quilômetro sequer. 
 
Ao ser perguntado por Victor Martins, durante o Paddock GP #197 desta semana, Gabriel Curty entende que tal movimento seria positivo para as duas partes, mas desde que a Ferrari entre para construir motores, como fez a Mercedes nos anos 1990, e não para concorrer com a Dallara como fabricante de chassis: “Risco de dar errado é maior que de dar certo”, opinou o jornalista.
 
Assista ao trecho completo abaixo:
 
Paddockast #61
VETTEL: ACERTOS, ERROS E... AZAR NA FERRARI


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.