Indy

Indy resolve agir por conta própria e vistoria autódromo de Goiânia para tentar salvar etapa no Brasil

Já sem confiança na Bandeirantes, a Indy arregaçou as mangas para ver se resolve o problema da corrida no Brasil. Dois representantes da categoria estiveram ontem em Goiânia para verificar as condições do autódromo local e tentar assinar às pressas um acordo com o governo local para transferir a operação antes concentrada na problemática e obscura Brasília do ex-governador Agnelo Queiroz, que agora tem contra si uma ação civil impetrada pelo MP
Warm Up / VICTOR MARTINS, de São Paulo
 Largada vista do alto em Goiânia (Foto: Duda Bairros/Vicar)
Colaboração de Yuri Bascopé, de Curitiba

O cancelamento da primeira corrida da Indy em Brasília a 38 dias de sua realização gerou um rebuliço para a organização da categoria a ponto de fazê-la agir por conta própria – isto é, sem a Bandeirantes, promotora da prova. Um dia depois do anúncio capital, representantes da cúpula da Indy visitaram o autódromo de Goiânia para averiguar a possibilidade de manter a operação em solo brasileiro, apurou o GRANDE PRÊMIO.
 
A comitiva continha dois diretores do campeonato com base em Indianápolis e esteve na tarde desta sexta-feira na pista da capital de Goiás, a única no Brasil que tem condições de receber uma etapa do porte da Indy. Recém-reformada, tornou-se centro das atenções e referência do sofredor automobilismo nacional. É lá, por exemplo, que a Stock Car passou a realizar sua Corrida do Milhão. Outro ponto favorável é a distância para Brasília, pouco mais de 200 km, o que minimizaria o problema com toda a logística da operação.
 
Se verificar que Goiânia é viável, a IndyCar vai andar mais rápido que os carros no Speedway para chegar a um acordo com o governo do estado, da mesma que os políticos locais e outros tantos interessados no repentino acordo. Caso o paliativo não dê certo, a direção do campeonato estuda transformar a etapa de São Petersburgo, no fim de março, em uma rodada dupla, segundo o jornalista Américo Teixeira Jr., parceiro do GP.
A IndyCar era em Brasília e tenta Goiânia (Foto: Vagner Vargas)
A ação da Indy não envolve a Bandeirantes e denota um distanciamento daquela que tem sido sua parceira. Em outras palavras, os americanos não confiam mais nos executivos da TV, que pela segunda vez não honram o acordo para fazer a corrida acontecer. No ano passado, a emissora não fez a etapa no Anhembi por problemas financeiros e chegou a ser processada pela categoria na Corte de Indiana no fim de 2013. A Band dobrou os caras lá fora se comprometendo com a prova deste ano no DF.
 
Quem participa ativamente nos bastidores da corrida brasileira é Vitor Meira. O ex-piloto da Indy esteve em Indianápolis no começo desta semana depois que o Ministério Público expôs os erros no contrato da corrida e o caos consequente. 
 
Tanto a Band quanto Meira ainda nutrem esperanças de realizar a corrida em Brasília. Mas o Governo do DF e o MP vão bater o pé até o fim nem que para isso se utilizem de todas as esferas judiciais. De lá, não sai nenhum centavo, e a investigação quer entender como os acordos da Bandeirantes com a Terracap e o ex-governador Agnelo Queiroz puderam ter sido tão mal ajambrados, com erros primitivos em assinatura e timbre, cláusulas de contrato inválidas, descrições de serviços duplicados, sobrepreço de quase R$ 35 milhões, além de uma sequência de erros no processo de licitação que mais do que triplicaram o preço das obras.
Agnelo Queiroz, ao centro, é alvo de investigação do MP do DF (Foto: Roberto Castro/GDF)
É por isso que Agnelo vai ter de se explicar à Justiça, inclusive, já que o MP, depois de investigar a fraude nos contratos, está entrando com uma ação civil pública e de improbidade administrativa. O político deixou no geral um rombo de R$ 6,5 bilhões nos cofres do GDF e pode ter seus direitos políticos cassados se não explicar detalhadamente toda a obscura operação. O governo de Agnelo chegou a pagar à Bandeirantes R$ 17,5 milhões pela prova que não vai ocorrer em Brasília.
 
Um detalhe que passa ao largo da situação é que a Faugo – a Federação Goiana de Automobilismo – também está sob investigação do MP por suspeita de desvio de dinheiro dos recursos do autódromo desde setembro. A entidade não tem permissão desde então para intermediar qualquer evento esportivo. A promotoria de Goiás deve expedir em breve um mandado de busca e apreensão para recolher documentos e computadores da sede da Faugo.
 
Procurada, a Indy disse ao GRANDE PRÊMIO que, por ora, não vai se manifestar sobre o assunto. Meira não foi encontrado.

A versão de Gancia

Carlo Gancia, um dos representantes da IndyCar no Brasil, entrou em contato com o GRANDE PRÊMIO para dar sua versão dos fatos todos que se desdobraram desde a última quinta-feira. De início, Gancia contestou a informação de que a Band esteja alijada da visita de funcionários da categoria a Goiânia. "Eu mandei ontem um representante, Brian Hughes, que é responsável pelas pistas, para que verificasse as condições do autódromo. Foi uma iniciativa em sintonia com a Band". Questionado se alguém da emissora esteve lá, Gancia respondeu que não.

O filho de Piero Gancia — ex-presidente da CBA — e irmão da jornalista Bárbara Gancia falou que "as notícias que têm sido publicadas na imprensa estão longe da realidade" e atribuiu a distorção à ação do Ministério Público, ao qual fez críticas sobre sua ação. "O MP não tem o poder para determinar o cancelamento da prova. Há um contrato que foi assinado e que foi rompido sem prévio aviso", comentou.

Gancia salientou que "a insegurança jurídica que o cancelamento da prova cria é muito grande" e que "os EUA e o mundo passam a ter uma outra visão do Brasil". Carlo vai viajar hoje à noite para Indianápolis e se encontrar com seu companheiro de trabalho Willy Hermann e apresentar as opções para realização da prova. Nenhuma delas contempla a mudança de data, 8 de março. "A programação mundial da TV já está feita e não tem espaço no calendário. Além disso, já tem 40 contêineres no mar trazendo os pneus e a gasolina que é misturada no etanol", explicou. A carga vai chegar ao Brasil entre os dias 6 e 8 de fevereiro.

Sobre os locais disponíveis, Gancia disse que não descarta completamente que a prova seja feita em Brasília e que as informações que recebeu sobre Goiânia são de que "há muito trabalho a fazer". Indagado sobre os empecilhos, Carlo respondeu que "os boxes são muito pequenos e apertados" para receber os carros da Indy.
RENOVADA

Também pela internet, a Ferrari enfim lançou a sua criação para a temporada 2015 da F1. O modelo italiano, batizado de SF15-T, segue a tendência dos carros rivais até o momento e também vem com o bico acentuadamente mais baixo e longo, à moda antiga, alguém dirá. O esquema de cores, obviamente, não muda, e o carro vem vermelho, com novamente detalhes em preto na parte traseira e nas laterais.  O modelo 2015 da Ferrari é o primeiro assinado completamente pelo diretor-técnico James Allison, que chegou à equipe no ano passado. E vem mais agressivo, especialmente com relação às linhas aerodinâmicas.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO

Mais sobre o novo carro da Ferrari
Arrivabene: "Carro é realmente muito sexy" 
T — Leia
Galeria de fotos da SF15-T — Veja
CARRO BRASILEIRO

De azul e amarelo, a Sauber chega em 2015 ainda na pindaíba, mas lutando com toda a sua dignidade para tentar se recuperar do pior ano de sua história na F1. Com esta finalidade, a equipe suíça apresentou nesta sexta-feira (30) o C34, carro com o qual disputará o Mundial deste ano. Na carenagem, predominam cores que fazem referência ao Banco do Brasil, patrocinador levado ao time por Felipe Nasr. Um 'carro brasileiro'.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO

Mais sobre o novo carro da Sauber
Nasr se diz "pronto para desafio" de estrear na F1 
Leia
Sem metas precisas, Ericsson ambiente perfeito na Sauber Leia
As especificações técnicas do C34 — Confira
 
CANCELADA!

A Brasília Indy 300, que deveria abrir a temporada 2015 da categoria norte-americana no dia 8 de março, está cancelada. A organização da prova anunciou no fim da tarde desta quinta (29) em um comunicado oficial divulgado para a imprensa. Segundo o Grupo Bandeirantes, a Terracap, Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal, realizou o cancelamento da prova de forma unilateral e informou ao grupo já nesta quinta.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO

Mais sobre a Brasília Indy 300
MP: Contrato da corrida era "maculado de irregularidades" — Leia

Indy fala em "grande desapontamento" — Leia
Castroneves diz que foi "pego de surpresa" — Leia
Flavio Gomes: É um vexame danado 
Leia
Renan do Couto: Pode ser o fim do autódromo de Brasília — Leia