Indy

Licitação para obras do autódromo de Brasília é suspensa e ameaça realização de corrida da Indy

A licitação que garantia a realização das obras no autódromo Nelson Piquet foi suspensa. Com isso, fica ainda mais complicada a realização da etapa da temporada 2015 da Indy em Brasília

Warm Up / VICTOR MARTINS, de São Paulo / GABRIEL CURTY, de São Paulo / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
A corrida da Indy prevista para março de 2015 em Brasília ganhou um grande ponto de interrogação em sua realização. O Diário Oficial de Brasília publicou nesta quarta-feira (12) o adiamento da licitação para as obras de reforma do autódromo Nelson Piquet. A informação foi dada pelo jornalista Flavio Gomes na edição de hoje do programa em vídeo 'Bom Dia, GP'.
 
A razão do adiamento se deve a falhas no processo, cujo laudo foi assinado por três engenheiros. O ponto que mais suscitou dúvida foi o pedido de duas reformas em um único contrato, sendo que as obras seriam realizadas por etapas. "Deveriam ser duas licitações distintas", observou o relato.

Ainda, dados básicos como a especificação de serviços, levantamentos de preços e até mesmo o projeto em si não estavam detalhados. A reforma estava prevista em R$ 250 milhões e poderia passar dos R$ 310 milhões, de acordo com o laudo.
A reforma do autódromo de Brasília ficou complicada pela suspensão da licitação (Foto: Vagner Vargas)
A suspensão do acordo foi feita pela Novacap (Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil), empresa que coordena as obras em Brasília.

A primeira reforma realizada buscava deixar asfalto e área de escape prontos para a etapa da Indy do ano que vem. Contudo, os trabalhos de recuperação total estavam previstos para terminar, no mínimo, em 2016.

A primeira licitação do autódromo em Brasília estava marcada para setembro e foi postergada para este mês de novembro.
 
A corrida em Brasília ainda está marcada para 8 de março e abre o calendário da Indy em 2015.

A responsabilidade para um novo processo de licitação está sob responsabilidade da Novacap. O GRANDE PRÊMIO está tentando contato com os detentores dos direitos da Indy no Brasil e vai completar a reportagem caso obtenha declarações.

NADA DE PLANO B?

À época da apresentação oficial de Brasília como sede da prova da Indy no Brasil em 2015, Mark Miles, diretor-executivo da categoria norte-americana, já alertava para o "trabalho enorme de fazer as melhorias necessárias no autódromo”. O pouco tempo para a preparação não era uma preocupação. "É um projeto executável, há profissionais com um bom histórico e há um bom plano em curso”, afirmou.

E não havia um plano B. “Estamos comprometidos com o plano A. Só o que eu tenho que fazer é olhar para essa grande construção aqui do lado e ficar otimista”, comentou Miles.
Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.