carregando
Indy

Marco Andretti volta à 'autoescola' para entender “pior ano da carreira”

Marco Andretti quer entender o motivo de estar pouco competitivo na Indy. Após o 'pior ano' de sua carreira, o norte-americano vai à 'autoescola' de Rob Wilson para redescobrir sua melhor forma na pista

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Marco Andretti espera voltar à sua forma mais competitiva na temporada 2020 da Indy. Assim, anunciou que vai passar por uma reciclagem na escola de pilotagem de Rob Wilson, na Inglaterra, para reverter a situação após o ano complicado em 2019.
 
O competidor, que defende a Andretti Herta, capitaneada por ninguém menos que seu pai, Michael, alcançou apenas uma sexta colocação como melhor resultado na última temporada. Na classificação geral, fechou em 16º aquele que chamou de “pior ano de minha carreira”.
 
Ainda, na última edição das 500 Milhas de Indianápolis, cruzou a linha de chegada com cinco voltas de atraso para o primeiro colocado, Simon Pagenaud. Em 2006, o piloto quase chegou a vencer a corrida como novato.
 
Mas Andretti está determinado a encerrar a seca de vitórias, que dura desde 2011. Apostando na parceria com Wilson, e com o retorno do engenheiro Garrett Mothersead, prevê uma mudança em sua sorte.
Marco Andretti (Foto: Indycar)
“Sendo crítico comigo mesmo, a classificação tem me matado. Esse é um esporte que depende muito da posição na pista, então não pode largar do fundo e ter uma corrida magnífica, a menos que tenha chuva ou muitas bandeiras amarelas”, afirmou.
 
“Nossa corrida é muito boa e avançamos em grande parte das vezes, mas precisamos largar dentro do top-8. Garrett estava lá em 2013 e fizemos muitas coisas naquele ano que vamos tentar novamente esse ano”, continuou.
 
“Estamos tentando extrair tudo e vou voltar para a Europa [para a escola de pilotagem de Wilson] antes da temporada começar”, completou.
 
Andretti, que não sobe no pódio desde a etapa de Fontana, em 2015, afirmou que tem tentado de tudo para maximizar os resultados. “Em termos de mentalidade, não estou escondendo que precisamos do desempenho agora e precisamos de alguns troféus.”
 
“Quero esgotar tudo o que posso como piloto não apenas fisicamente. É um período entre temporadas muito longo, mais longo do que o normal em razão da disponibilidade de algumas partes [aeroscreen], significando que os testes foram atrasados”, seguiu.
 
“E não posso apenas correr na esteira – ficaria louco – então estou fazendo tudo ao meu alcance para maximizar este ano. É um ano bastante importante para mim”, encerrou.
 

 
Paddockast #47
FORD vs FERRARI


Ouça:
Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.