Indy

Na Garagem: Kanaan chega em 2º em Fontana e conquista título da Indy

Tony Kanaan perdeu na linha de chegada para Adrián Fernández em Fontana, mas o segundo lugar foi mais do que suficiente para cravar o nome na história e assegurar o título da Indy

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
O 3 de outubro de 2004 ficou para sempre na história de Tony Kanaan e do automobilismo brasileiro. Com mais uma atuação memorável, o brasileiro da Andretti sagrou-se campeão da Indy em Fontana, a penúltima etapa do calendário. Foi um ano de regularidade extrema para o piloto que tinha 29 anos.
 
Foi um ano em que a consistência ditou o ritmo. Em um calendário em que só se corria em oval, Kanaan completou as 16 corridas no top-8, sendo que 15 delas foram no top-5, ficando de fora apenas na estreia em Homestead. Mais do que isso, concluiu simplesmente todas as voltas da temporada, feito raríssimo.
 
Na corrida em que garantiu o título com antecedência, Tony precisou lidar com novos desafios. Não registrou tempo na classificação e, por isso, largou em 21º e último, já que Darren Manning nem alinhou no grid. Foi uma prova de escalar o pelotão.
Tony Kanaan só conseguiu comemorar no Texas (Foto: IndyCar)
E isso aconteceu desde a largada, que foi muito precisa. Helio Castroneves saiu na pole, mas Adrián Fernández partiu melhor e tomou a dianteira saindo da quinta posição. Crescimento parecido com o do mexicano teve Tony, que de 21º foi parar no meio do grid em não mais que três voltas, costurando as mais diferentes linhas para evitar qualquer enrosco, mas passando sem perder tempo.
 
Na volta 6, Fernández e Castroneves começavam a escapar juntos na ponta, enquanto Kanaan seguia seu começo de corrida absurdo e já tinha 15 posições conquistadas, em sexto. Não demorou muito para que o baiano deixasse Sam Hornish Jr. e Dario Franchitti para trás, colando em Dan Wheldon, seu grande rival na luta pelo campeonato. Buddy Rice, o outro piloto com chances, vinha no meio do pelotão sem muito ritmo.
 
A corrida foi se desenrolando de forma tranquila com um bom revezamento na liderança com nomes como Castroneves passando por lá. Meira e Felipe Giaffone abandonaram com problemas no câmbio, enquanto AJ Foyt IV e Alex Barron tiveram acidentes já no final.
Tony Kanaan foi campeão em 2004 (Foto: IndyCar)
Mesmo assim, com amarelas em momentos derradeiros, a vitória parecia estar entre Fernández e Kanaan, que tinha tudo para sacramentar a conquista. Os dois, inclusive, estavam lado a lado quando, com seis voltas para o final, os xarás Tomas Scheckter e Enge protagonizaram uma senhora paulada, reagrupando o pelotão e chamando a amarela com Tony em ligeiríssima vantagem vista apenas no recurso eletrônico.
 
A última relargada aconteceu apenas na volta final e a chegada foi de tirar o fôlego. Fernández venceu por 0s018, um bico de carro para Tony, que se sagrou campeão sem grandes sustos. Wheldon, 0s209 atrás do vencedor, garantiu o vice, enquanto Rice foi quinto, 0s494 distante do primeiro lugar, ficando em terceiro no campeonato. Hornish, Franchitti e Castroneves também completaram a prova na volta do líder e menos de 1s atrás do mexicano. Campeonato fechado antes da final no Texas com 1-2 da Andretti.
 
15 anos após a conquista, Kanaan falou com o GRANDE PRÊMIO das recordações da temporada, do desempenho que teve e das duas últimas corridas do ano com chegadas apertadíssimas.
Tony Kanaan e Adrián Fernández brigaram até o fim (Foto: IndyCar)
"Lembro bem desse dia. Ganhei o título em Fontana, com uma corrida de antecipação, mas só pude comemorar no Texas. E a corrida do Texas foi a que eu cheguei em segundo, passando o Wheldon na linha de chegada. Foi uma temporada memorável para mim, fiquei no top-8 em todas as corridas, completei todas as voltas. Lembro que todos meus amigos estavam no Texas, já tinha vencido o campeonato, então, foram todos para lá para comemorarmos. Lembro que nós tiramos uma foto todos juntos no pódio", disse.
 
"A consistência ajudou bastante. Basta ver que ganhei três corridas e o Wheldon e o Rice também venceram três, o Rice ainda ganhou a Indy 500 e, mesmo assim, não foi campeão. A regularidade foi o meu diferencial", completou.
 
O período de sete anos na Andretti foi de excelentes resultados para Tony. Além do título em 2004, o brasileiro foi vice em 2005 e ficou em terceiro em 2007 e 2008. A Indy 500, no entanto, só veio em 2013 pela modesta KV.


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.