Indy

Na Garagem: Zanardi coroa campanha soberana com bicampeonato da Indy em Vancouver

A trajetória de Alessandro Zanardi rumo ao bicampeonato foi ainda mais acachapante que a conquista do seu primeiro título. Contando com o melhor conjunto, Reynard-Honda, e guiando pela melhor equipe, a Ganassi, o italiano faturou a taça com quatro corridas de antecipação
Warm Up / FERNANDO SILVA, de Sumaré
 1998, GP de Long Beach, guiando pela Ganassi
A Indy (ou CART, depois da cisão com a IRL de Tony George) viveu seu auge técnico e de audiência do meio para o fim dos anos 1990. E um dos grandes nomes daquela década foi Alessandro Zanardi, chamado de Alex em terras norte-americanas. O italiano, chamado por Chip Ganassi para formar dupla com Jimmy Vasser em 1996, foi um dos artífices do sucesso da equipe naquela época e, depois de brilhar com a conquista do título no ano seguinte, foi ainda mais eficiente e faturou o bicampeonato em 1998 em Vancouver, no dia 6 de setembro. Há exatos 20 anos.
 
O grid da Indy era de uma qualidade técnica irrepreensível. Naquele ano, Tony Kanaan e Helio Castroneves estreavam na categoria, pela Tasman e Bettenhausen, respectivamente. Tony viria a ser o ‘Estreante do Ano’ ao fim da temporada. As estrelas eram Zanardi, Gil de Ferran, Michael Andretti, Vasser, Dario Franchitti — este em franca ascensão —, Greg Moore, Adrián Fernández e Scott Pruett. Robby Gordon, Bobby Rahal e Al Unser Jr. seguiam para o fim das suas brilhantes carreiras. 
 
Entre os brasileiros, além de Gil, Tony e Helinho, a Indy tinha Christian Fittipaldi na Newman-Haas — sendo substituído pelo ‘Super Sub’ Roberto Moreno em Milwaukee —, Maurício Gugelmin na PacWest, Gualter Salles na Payton Coyne e André Ribeiro, que correu pela poderosa Penske, porém em má fase naquele ano em que contava com um chassi próprio, mas pouco eficiente. Naquele mesmo dia, Cristiano da Matta conquistava o título da Indy Lights e despontava como a futura estrela brasileira na América, o que viria a se confirmar anos depois.
Zanardi conquistou o título da CART pela segunda vez em 1998 (Foto: Forix)
Numa época em que a CART chegou a rivalizar com a F1 em termos de audiência, o grande destaque em termos de mídia no Brasil ficava com as transmissões ao vivo pelo SBT, que contava com uma equipe que marcou época. O time era liderado pelo narrador Téo José e tinha também os comentaristas Dede Gomes e Celso Miranda e Luiz Carlos Azenha e Antonio Pétrin na reportagem.
 
Quanto ao campeão, Zanardi se encaixou perfeitamente não apenas à estrutura da equipe e da categoria, mas também ao melhor conjunto da CART à época: chassi Reynard, motor Honda e pneus Firestone, combinação adotada com sucesso desde 1996 e determinante para levar Vasser ao título. Depois de um ano de adaptação, o italiano sobrou com cinco vitórias e o título em 1997. 
 
No ano seguinte, sua performance foi ainda mais contundente: antes da etapa de Vancouver, Zanardi já havia conquistado seis vitórias: Long Beach, Gateway, Detroit, Portland, Cleveland e Toronto, sendo as quatro últimas de forma consecutiva. Alex ainda foi pódio em Nazareth, Rio de Janeiro, Michigan e Elkhart Lake. Depois que confirmou o título no Canadá, ainda foi duas vezes segundo colocado, em Laguna Seca e Houston, venceu em Surfers Paradise e encerrou seu primeiro ciclo na categoria com o terceiro lugar nas 500 Milhas de Fontana.
 
Em Vancouver, Zanardi sequer precisou vencer para comemorar o bicampeonato. O piloto chegou ao Canadá com 80 pontos de vantagem para Vasser (206 contra 126 do norte-americano), enquanto Adrián Fernández somava 120 e Greg Moore tinha 119. Eram os pilotos que ainda tinham chances matemáticas de lutar contra Alessandro quando restavam cinco corridas para o fim.
Zanardi fez história com o carro da Ganassi (Foto: Forix)
Dario Franchitti, correndo com o Reynard-Honda-Firestone da equipe Green, venceu a prova depois de ter largado na pole. O ‘Escocês Voador’ triunfou pela segunda vez seguida na CART com uma vantagem confortável para Michael Andretti, da Newman-Haas. Scott Pruett, que fazia suas últimas corridas pela Patrick, fechou o top-3, logo à frente de Zanardi, que garantiu o bi com o quarto lugar. Maurício Gugelmin, que havia vencido em Vancouver em 1997, foi o melhor brasileiro posicionado, em sexto, seguido por André Ribeiro.
 
A matemática para o bi era muito favorável a Zanardi, e seus rivais diretos na luta pela taça, Vasser e Moore, abandonaram a disputa em Vancouver. Fernández enfrentou problemas, mas completou a corrida em 15º, porém insuficiente para ter chances de estender a briga pelo título.
 
Com o título, o piloto conquistou o prêmio de US$ 1 milhão. Zanardi comemorou muito ao lado de Chip Ganassi, vivendo ali seus últimos momentos do seu primeiro ciclo na CART. O italiano já tinha contrato assinado para voltar à F1 e defender a Williams, tendo a chance de substituir ninguém menos que Jacques Villeneuve. Mas foi nos Estados Unidos que o nome de Alessandro Zanardi ficou marcado como um dos maiores da melhor fase da Indy depois da cisão com a IRL.
 
Zanardi regressou à CART em 2001, dois anos depois da passagem apagada pela Williams na F1. O piloto assinou com a equipe de Morris Nunn — que morreu recentemente — e voltou à categoria, que na época vivia um grande processo de internacionalização, passando a correr na Europa, mais precisamente na Inglaterra, em Rockingham, e na Alemanha, em Lausitz. E foi em Lausitzring que o italiano sofreu o mais grave acidente da sua carreira, perdeu as pernas, mas venceu a morte.
 
Daí em diante, se notabilizou pelo espírito de superação e as constantes lições de vida. De uma forma ou de outra, Zanardi jamais deixou as pistas e tornou-se atleta paraolímpico, conquistando nada menos que quatro medalhas de ouro no ciclismo de estrada, sendo duas em Londres e outras duas no Rio de Janeiro, além de nada menos que dez títulos mundiais correndo de handbike. 
 
Semanas atrás, aos 51 anos, Alex correu como convidado da BMW e disputou a rodada dupla noturna de Misano no DTM com um carro adaptado. Mais uma vez, o italiano brilhou, terminando em quinto lugar na segunda corrida do fim de semana. Mais uma passagem vitoriosa dentre tantas do lendário Alessandro Zanardi, herói dentro e fora das pistas.