Penske defende Power e diz que título depende exclusivamente de melhora da equipe

Roger Penske disse que Will Power é, sim, capaz de andar bem em circuitos ovais e que, para o australiano, enfim, ser campeão, é a equipe Penske que precisa melhorar

Não é Will Power, mas sim a equipe Penske que precisa melhorar para quebrar o jejum de títulos e acabar com a sequência de vices do australiano em 2013. Essa é a opinião de Roger Penske, dono do time e um dos mais importantes personagens do automobilismo norte-americano.

Em 2012, Power perdeu a disputa para Ryan Hunter-Reay na última etapa, em Fontana, e ficou com três pontos a menos na tabela de pontuação da temporada. Nos dois anos anteriores, ele foi vencido por Dario Franchitti. Visando conquistar o primeiro campeonato desde 2006, a Penske passou por uma reestruturação interna neste ano, diminuindo sua operação de três para dois carros – as exceções serão o GP do Alabama e as 500 Milhas de Indianápolis, quando o time colocará AJ Allmendinger na pista.

Power começou a temporada largando na pole em St. Pete, mas não conseguiu repetir o bom desempenho na corrida (Foto: Chris Owens/Indycar)

Apesar da fama de amarelão, Power não é o problema, garantiu Penske. “Apenas precisamos lhe dar um carro que ele considere bom o suficiente para andar forte”, disse o dirigente. “Nas corridas em mistos, ele é o cara a ser batido. E ele andou bem no Texas [em 2012], então andou bem [também em ovais]”, ressaltou.

“Estamos focados, conversamos muito sobre esse ano, fizemos algumas mudanças na equipe e estou esperançoso de que isso vai render dividendos. Mas Power, certamente, é o investimento correto, posso garantir”, afirmou Roger.

O chefe da equipe disse que colocar pressão no piloto para fazê-lo vencer não é o correto. “Não penso que isso funciona no automobilismo. O que temos que fazer é entender a tecnologia e olhar para o que temos para ajudá-lo mais”, analisou.

Penske ainda falou que relembra Power constantemente de como confia em seu potencial. “Nós o dizemos em toda corrida que ele é o nosso cara. Não temos pilotos que compram um lugar no nosso time, nunca tivemos, nunca teremos. Nós dizemos: ‘Contratamos você porque pensamos que você é o cara que queremos’. Isso faz uma grande diferença. Então eles realmente sabem onde ficam em nossa organização”, finalizou o dirigente.

A temporada 2013 da Indy não começou bem para Power. O australiano conquistou sua quarta pole-position consecutiva nas ruas de São Petersburgo, mas, na corrida, teve seu resultado completamente comprometido por uma barbeiragem de JR Hildebrand, que o acertou durante uma bandeira amarela. Will disputava a segunda posição com James Hinchcliffe, que viria a vencer.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube